Um dos piores pesadelos de quem viaja de avião é perder o voo, seja em uma viagem a trabalho ou, principalmente, de lazer. Ainda mais se você for uma pessoa que tem uma rotina corrida, de muito trabalho e compromissos. Se for esse o caso, você não consegue nem pensar na possibilidade de algo sair errado e acabar atrapalhando os passeios de férias, um dos poucos momentos de folga que tem para curtir a família.

Mas problemas acontecem e, se quiser evitar um estresse maior, é sempre bom estar preparado para lidar com eles. Trânsito congestionado, atraso ao sair de casa, agenda cheia, distrações, não realização do check-in, falta de pontualidade, imprevistos etc. Motivos não faltam para fazer você chegar ao balcão de check-in no aeroporto e descobrir que não pode mais embarcar. E aí só consegue pensar: “Perdi meu voo, e agora? O que fazer?”

Pode parecer óbvio, mas o primeiro passo é sempre respirar fundo e tentar manter calma. Isso é fundamental! E você pode mesmo ficar tranquilo porque, a seguir, vamos apresentar um guia com sete passos de como proceder nesse tipo de situação. Vamos lá?

Perdi meu voo, e agora?

1. Mantenha a calma e raciocine

Você planejou suas férias com toda a antecedência e nos mínimos detalhes, mas na última hora perdeu seu voo porque, por exemplo, houve um acidente de trânsito no caminho do aeroporto e a via principal de acesso ao terminal ficou toda congestionada durante horas.

Apesar de ser uma situação muito estressante, independentemente da razão pela qual você não conseguiu embarcar em sua viagem aérea, se desesperar não vai resolver o problema. É preciso se acalmar e pensar no que pode ser feito.

Você vai tentar se encaixar no próximo voo com lugares disponíveis, vai querer remarcar a passagem ou prefere cancelar o bilhete? Só com tranquilidade é que vai ser capaz de pensar racionalmente e resolver tudo de forma organizada.

2. Veja com a companhia aérea se é possível embarcar no próximo voo para o seu destino

Perder um avião não precisa necessariamente significar o fim da sua viagem. Uma forma de minimizar o imprevisto é procurar de imediato a companhia aérea e tentar um acordo. Em primeiro lugar, vale verificar qual é o próximo voo com assentos disponíveis que vai decolar para o seu destino.

Nesses casos, porém, muitas vezes é preciso ter uma boa dose de paciência, já que pode acontecer de os voos seguintes estarem todos lotados. Além disso, mesmo você decolando em outra aeronave, as empresas aéreas têm o direito de cobrar uma taxa na hora de remarcar a passagem pelo não comparecimento no voo original.

Por outro lado, dependendo da classe em que você vai viajar, existem algumas companhias que não cobram a taxa de remarcação.

3. Reorganize seu roteiro e horários

Se você for esperar por uma vaga no próximo voo, assim que resolver essa questão com a companhia, é muito importante não se esquecer de entrar em contato com o hotel ou pousada onde vai se hospedar no local de destino.

Explique o imprevisto ocorrido e avise do atraso que vai ocorrer para a chegada no estabelecimento. Lembre-se também de falar com os serviços de receptivo (caso tenha contratado algum), como transfer, aluguel de carro, guias de turismo, entre outros.

4. Conheça bem os seus direitos

Muita gente ainda não sabe, mas toda passagem aérea tem validade de 12 meses, que é contada a partir da data em que o bilhete foi emitido. Portanto, se você não fez o seu check-in e, consequentemente, não conseguiu embarcar na aeronave, sua passagem e seu investimento não estão perdidos.

O ticket continua valendo e pode ser utilizado em outra data — dentro do período de um ano —, mediante o pagamento de uma taxa. O valor dessa cobrança é estabelecido por cada companhia aérea. O problema é que muitas vezes essa tarifa pode ser alta e encarecer ainda mais a passagem, dando um prejuízo maior para o passageiro que já não viajou na data prevista a princípio.

5. Saiba o que fazer em caso de desistência da viagem ou impossibilidade de embarque

Essa também é uma situação muito comum. Um problema pessoal, uma urgência no trabalho e outros acontecimentos podem levar alguém a ter que mudar os planos de viagem. Nessa circunstância, o consumidor tem a opção de remarcar o voo ou cancelar o bilhete e ainda pedir reembolso.

Todas essas possibilidades também estão sujeitas ao pagamento de uma taxa para a empresa aérea. Ao solicitar o cancelamento do bilhete, por exemplo, o consumidor tem o direito à restituição do valor que já foi pago, descontada a multa — que não pode exceder 5% do preço do bilhete, de acordo com o que prevê o artigo 740 do Código Civil.

6. Busque sempre um acordo com a empresa aérea, caso se sinta lesado

Algumas companhias aéreas, além da multa, cobram ainda uma taxa de remarcação e mais a diferença tarifária entre o valor da passagem inicial e o da nova viagem. Dessa forma, o novo bilhete pode acabar saindo mais caro do que o valor original, o que é considerado uma prática abusiva pelos órgãos de defesa do consumidor.

Se isso acontecer e você se sentir lesado pela cobrança dessas tarifas, não hesite! Procure primeiro a empresa aérea e tente entrar em um acordo que seja bom para ambas as partes. Caso não cheguem a uma solução viável, o próximo passo é registrar uma reclamação no Procon ou até recorrer ao Juizado Especial de Pequenas Causas. Não deixe de fazer valerem os seus direitos.

7. Solicite a devolução da taxa de embarque

Quando compramos uma passagem aérea, é cobrado um valor adicional: a chamada taxa de embarque, recurso destinado à administração dos aeroportos para disponibilizar e manter uma boa infraestrutura aos passageiros. Estamos falando das esteiras de bagagem, banheiros, cadeiras, elevadores, escadas rolantes, rampas de acesso, entre outros.

Essa tarifa é fixada pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) no valor máximo de R$ 43,61 para os voos domésticos e de até R$ 85,99 em voos internacionais.

No caso de perda de voo, mesmo por culpa do passageiro, ele tem assegurado também o direito de pedir a devolução do valor integral pago pela tarifa de embarque, pois não vai utilizar os serviços do terminal aeroviário. O pedido pode ser feito no balcão da empresa aérea ou por meio da central de atendimento telefônico. O prazo para pedir a devolução é de um ano.

Quer evitar o estresse e os prejuízos de perder um voo?

Confira agora sugestões para não passar por essa situação! Além de saber exatamente o que fazer ao não conseguir pegar um voo, também é importante tentar evitar que esse tipo de momento desagradável aconteça.

Afinal, ninguém quer ter que passar pelo incômodo de chegar correndo ao aeroporto e mesmo assim ver o seu avião decolando sem você. De repente, parece que todo o seu planejamento foi por água abaixo, não é mesmo?

Veja agora algumas sugestões bem simples, mas que vão ajudar você a viajar muito mais tranquilo, sozinho ou com a sua família.

1. Fique atento aos horários estabelecidos

As companhias aéreas não cansam de avisar: é necessário que o passageiro esteja no aeroporto com no mínimo uma hora de antecedência para embarque em voos domésticos e pelo menos duas horas antes em viagens internacionais. Mas muita gente ainda acha que tal precaução não é necessária.

Não ignore essa recomendação! Programe-se para sair de casa com tempo mais do que suficiente de chegar ao terminal, realizar o check-in, despachar suas malas, fazer um lanche, ir ao banheiro, quem sabe até comprar algum souvenir na viagem de volta e embarcar com toda a tranquilidade.

2. Faça seu check-in antecipado

Hoje em dia, as companhias oferecem a possibilidade de realizar o check-in nas 72 horas que antecedem o voo, por meio do site da empresa ou de aplicativos para smartphones. Esse procedimento costuma economizar bastante tempo nos aeroportos, fazendo com que você evite filas de check-in nos balcões das empresas aéreas. Isso é muito útil principalmente em dias mais movimentados, como os períodos de férias, feriados, Natal e Ano Novo.

Se tiver bagagem, será necessário apenas fazer o despacho. Inclusive, outra boa ideia é fazer isso o quanto antes, ou seja, assim que chegar ao aeroporto. Dessa forma, você já fica livre para se dirigir ao embarque no horário marcado e ainda tem mais conforto ao circular pelo saguão sem ficar arrastando as malas para cima e para baixo. Quem é que consegue ir ao banheiro direito com um monte de bagagem, não é?

3. Tenha em mãos os documentos necessários ao embarque

Não perca tempo revirando bolsas tentando encontrar seus documentos na hora do embarque (é obrigatório um documento de identificação com foto para viagem nacional e o passaporte se o seu destino for o exterior).

Antes de sair de casa, já deixe tudo separado e providencie uma bagagem de mão contendo todos os documentos e passaporte, se necessário.

4. Verifique a localização do seu portão de embarque

Veja no cartão de embarque em qual portão será a entrada para o seu voo e já fique perto dele. Esse cuidado é muito importante, especialmente em aeroportos maiores.

Isso porque, caso você deixe para se dirigir ao portão somente no horário do embarque e esteja longe do local indicado na sua passagem, talvez não seja possível chegar até lá a tempo. Em grandes terminais, o trajeto entre um portão e outro costuma ser bem longo e os corredores ficam cheios, o que dificulta ainda mais o deslocamento.

5. Observe o intervalo entre voos com conexão

A conexão exige que o passageiro desembarque de uma aeronave e se desloque no aeroporto até outro portão para entrar em um novo avião. Como já mencionado, em grandes terminais esse deslocamento pode ser extenso e, por isso, é recomendado não comprar voos com conexão inferior a quatro horas.

Além da demora para ir de uma aeronave à outra, pode ocorrer um atraso na decolagem, ou um desvio na rota por causa de condições climáticas ruins. Lembre-se ainda de que o horário de chegada informado pela companhia aérea é a hora de pouso. Descer do avião pode levar ainda alguns minutos.

Outras informações importantes

Confira abaixo alguns conselhos adicionais para viajar com mais tranquilidade:

  • na véspera da sua viagem, cheque novamente a reserva da passagem no site da companhia aérea ou por telefone. O objetivo dessa precaução é evitar transtornos, verificando se houve alguma alteração no horário do voo, por exemplo;
  • depois de chegar ao aeroporto, fique atento aos painéis de informações e avisos sonoros. É por meio deles que as empresas informam aos passageiros possíveis cancelamentos, atrasos, alteração de horários e de portões de embarque etc.;
  • quando estiver quase na hora de ir ao aeroporto, vale a pena utilizar aplicativos de geolocalização e pesquisar as melhores rotas, evitando assim possíveis congestionamentos;
  • antes de sair de casa, confira também qual é o aeroporto correto. Pode parecer exagero, mas tem gente que acaba se confundindo, especialmente em grandes cidades que normalmente têm mais de um terminal aeroviário;
  • não confunda o horário de embarque com o de decolagem;
  • em caso de eventuais problemas, seja educado, mas ao mesmo tempo bastante firme ao procurar a companhia aérea para exigir seus direitos de consumidor.

Por mais chata que seja a situação, perder um voo pode acontecer com qualquer pessoa em qualquer lugar e por vários motivos. Todo mundo já passou por isso ou ao menos conhece alguém que tenha enfrentado essa frustração.

Mas o importante nessa hora é colocar a cabeça no lugar e verificar junto à empresa aérea fornecedora da passagem como resolver o problema, sem que você tenha maiores prejuízos. Lembre-se dos seus direitos e mantenha sempre o diálogo, tentando chegar à melhor solução!

Agora, depois da leitura deste guia “Perdi meu voo, e agora?”, você tem as principais informações necessárias para saber como agir nesse momento e não deixar que a sua viagem vá pelos ares.

E já que estamos falando no assunto, que tal aproveitar para continuar navegando no nosso blog e aprender a viajar gastando pouco? Boa leitura e excelente viagem!