Na hora de comprar uma passagem de avião, as pessoas sempre se deparam com diversas opções de voos entre a origem e o ponto final da viagem. É possível ir sem desvios de um local para outro (são os voos diretos), mas existem trechos aéreos que incluem paradas em outras cidades antes de chegar ao destino.

Essas paradas são chamadas de escala ou de conexão. Ambas interferem na duração da viagem e no preço final do bilhete, mas cada termo diz respeito a um procedimento diferente. Esses conceitos ainda confundem muitos consumidores, que acabam ficando perdidos quando vão adquirir uma passagem aérea, sem saber qual opção escolher ou como se preparar.

Pensando nisso, elaboramos este post para esclarecer a diferença entre escala e conexão de uma vez por todas. Você vai entender qual é a situação em cada tipo de voo e ainda aprender a identificar isso no momento da compra do seu bilhete. Vamos lá?

O que é voo com escala?

Nos voos com escala, a aeronave sempre pousa em pelo menos uma cidade antes de finalmente aterrissar no destino final. Em geral, essa parada é realizada para o desembarque de passageiros que vão ficar no local, bem como para o embarque de outros que também estão seguindo rumo ao ponto final da viagem, mas têm origem diferente.

As pausas podem ser aproveitadas para reabastecer o avião. Durante esse período, quem já está a bordo não precisa e nem pode deixar a aeronave. É necessário apenas aguardar a realização de todos os procedimentos de aterrissagem, embarques e desembarques — o que pode aumentar bastante o tempo de viagem.

Entenda melhor a escala

Para ficar ainda mais claro o que significa uma escala durante um voo, vamos a um exemplo prático. Imagine um passageiro que deseja sair de Belo Horizonte (MG) e voar até Natal, capital do Rio Grande do Norte.

Na hora de comprar a sua passagem, ele escolheu um trecho com escala em Fortaleza (CE). Isso quer dizer que o voo vai partir da capital mineira e seguir primeiro em direção ao Ceará. Chegando lá, a equipe de bordo fará todo o procedimento de aterrissagem e, ao abrir as portas, as pessoas que estão indo a Fortaleza vão desembarcar.

Em seguida, se inicia o embarque de novos passageiros que vão de Fortaleza até Natal, ocupando os assentos (total ou parcialmente) daqueles já deixaram a aeronave.

Enquanto isso, nosso usuário que veio de Belo Horizonte deve permanecer sentado no seu lugar, no mesmo avião, até que todo esse processo seja concluído. Apenas depois disso é que os pilotos vão iniciar uma nova decolagem — aí sim, rumo a Natal, destino final do voo.

O que é voo com conexão?

É um tipo de voo em que ocorre também uma parada para embarque e desembarque de passageiros, além de abastecimento da aeronave (se for necessário), antes de chegar ao destino final.

A diferença é que, no caso da conexão, ocorre a troca de avião. Portanto, todos os passageiros — mesmo aqueles que não vão descer no aeroporto onde está sendo feita a parada — devem sair para embarcar em um outro avião que fará o percurso rumo ao destino final.

Nessa situação, os clientes são chamados de “passageiros em trânsito” e devem seguir as orientações dos comissários de bordo e agentes da companhia aérea responsável. São eles que vão indicar o horário e o portão de embarque do próximo voo.

É importante observar que, em uma conexão, ao contrário da escala, o número do voo muda. É como se você estivesse iniciando um novo trecho, da cidade onde foi feita a parada até o seu destino. Além disso, em voos internacionais, pode ser necessário passar pelos departamentos de imigração e alfândega do país em que for feita a parada.

Tempo de conexão

Quando o tempo de conexão é mais curto, o embarque no outro avião deve ser feito imediatamente. É preciso ficar atento a esse prazo, pois a distância até o novo portão pode ser bem grande, dependendo do tamanho do aeroporto.

Porém, nem sempre a conexão ocorre imediatamente. O tempo de espera entre um voo e outro costuma variar bastante e você pode tomar um “chá de cadeira” no aeroporto. Apesar de não ser muito comum, também é possível haver mais de uma conexão em um percurso.

Conexão com mudança de aeroporto

Outra situação que pode ocorrer durante uma viagem de avião com conexão é a troca de terminal aeroviário (por exemplo, você desembarca em Guarulhos e precisa ir até Congonhas para continuar seu trajeto).

É preciso ter muita atenção a esse detalhe na hora de comprar a passagem. Se quiser optar mesmo por esse tipo de voo, verifique se haverá tempo suficiente para fazer tudo: desembarcar, pegar a bagagem, se deslocar de um aeroporto a outro, fazer check-in, despachar as malas e embarcar.

Esses voos costumam ter tarifas mais baratas, mas vale analisar se realmente compensa, devido à extensão da duração da viagem, ao deslocamento entre aeroportos com malas (cujo custo, na maioria das vezes, é do passageiro), entre outros fatores.

E como faço com a minha bagagem ao passar de um avião para outro?

Quando as pessoas trocam de aeronave, claro que também é preciso levar as malas de um avião para outro. Normalmente, as bagagens despachadas são transferidas pela própria equipe da empresa aérea que opera os voos. Nesse caso, o passageiro só precisa se preocupar em desembarcar e embarcar de novo com a bagagem de mão.

De qualquer forma, é sempre bom se informar no momento do check-in no começo da viagem. Se isso não acontecer, você mesmo deverá recolher suas malas na esteira e depois despachá-las novamente no balcão da companhia no aeroporto de conexão.

Entenda melhor a conexão

Vamos a outro exemplo prático para que fique ainda mais claro de que maneira funciona um voo com conexão. Imagine agora uma pessoa que quer sair de Curitiba, no Paraná, para Teresina, no Piauí. Para algumas cidades do país, não são operados voos diretos, por isso nosso passageiro vai ter que fazer uma conexão.

Em geral, as paradas para troca de avião são realizadas nos principais aeroportos do Brasil, como Congonhas, Guarulhos e Viracopos, no estado de São Paulo, Santos Dumont e Galeão, no Rio de Janeiro, além do terminal Presidente Juscelino Kubitschek, na capital federal Brasília. Veja a seguir exemplos de trechos possíveis.

Voo com apenas uma conexão:

  1. saída do aeroporto de Curitiba às 21h50 e chegada a Guarulhos às 23h05 (uma hora e 15 minutos de voo);
  2. após uma hora de espera no aeroporto internacional de São Paulo, o embarque será às 00h05 para Teresina com previsão de chegada às 03h15.

Voo com duas conexões:

  1. saída de Curitiba às 19h42 e chegada a Viracopos às 20h40 (58 minutos de voo);
  2. após duas horas e 50 minutos de espera no aeroporto internacional de Campinas, será realizado um embarque em outro avião para Fortaleza às 23h30, com previsão de chegada às 01h55;
  3. depois disso, será necessário aguardar mais seis horas e 15 minutos no terminal aeroviário da capital do Ceará para, enfim, pegar uma nova aeronave com destino a Teresina, com saída às 8h10 e chegada prevista para as 9h20.

Com isso, a duração total da viagem chega a cerca de 14 horas e 38 minutos, sem contar possíveis atrasos. Fazendo uma pesquisa desse trecho, é possível encontrar ainda itinerários cujo tempo de voo mais a espera em solo pode chegar até a quase 20 horas.

Como identificar escala e conexão na hora de comprar uma passagem?

Na pesquisa de compra de passagens, todas as companhias aéreas brasileiras indicam se os voos disponíveis na data escolhida são diretos ou se têm alguma escala ou conexão.

Todas as informações abaixo aparecem no detalhamento do trecho a ser percorrido pelo passageiro:

  • horários de partida da origem e chegada ao destino;
  • duração de cada voo (se for feita alguma conexão) ou de cada trecho (em caso de escala);
  • tempo de espera dentro do avião ou para trocar de aeronave, se for o caso;
  • número do voo;
  • aeroportos de partida, chegada ou espera;
  • tempo total de deslocamento;
  • valor da tarifa;
  • condições sobre mala de mão e bagagem para ser despachada.

Portanto, fique atento e leia com bastante atenção essas informações antes de comprar qualquer passagem. É muito importante que você conheça com detalhes o percurso e as condições da viagem, para que sua experiência com a companhia aérea seja a melhor possível.

O que fazer durante conexões longas?

Como já mencionamos, dependendo do seu local de origem e também do destino, será necessário fazer uma ou mais conexões. Além disso, o tempo de espera nos aeroportos intermediários pode ser bastante longo — há situações em que os passageiros precisam esperar cerca de 12 horas para embarcar novamente.

Você deve estar pensando: o que fazer para passar todo esse período? Primeiro, reserve um tempo para o processo de desembarque, para a procura do portão do novo embarque e para partes mais burocráticas, como passagem na imigração e na alfândega em voos internacionais.

Garantindo prazo suficiente para tudo isso, é hora de relaxar. Você já viu que as trocas de aeronaves acontecem nos maiores aeroportos. Isso significa que, além de receberem voos de toda parte do país, além dos internacionais, esses terminais contam com uma boa infraestrutura para os chamados “passageiros em trânsito”.

Alguns têm até lounges que servem refeições e oferecem chuveiros, ou pequenos hotéis próprios para quem vai “tomar chá de cadeira” conseguir descansar um pouco. Claro que todo esse conforto costuma ser caro. Mas, se você vai passar muitas horas no aeroporto e pode investir nisso, vai valer a pena.

Para quem não pode aproveitar essas facilidades, vale levar o que puder para se entreter: tablets, smartphones, notebooks e livros costumam ser boas distrações. Além disso, ainda é possível dar uma volta pelo aeroporto para ver as vitrines das lojas.

Se o seu voo for internacional, dá para ir ainda aos famosos free shops (ou duty free, como também são conhecidos) e quem sabe até fazer umas comprinhas de produtos importados a preços melhores.

Tem outras dúvidas?

Como já vimos neste texto, são várias as situações que envolvem uma viagem de avião. A mais complexa, porém, costuma ser a conexão, quando é necessário trocar de aeronave e possivelmente até esperar muitas horas para embarcar de novo.

Por isso, podem ter ficado ainda algumas dúvidas sobre esse assunto, então vamos esclarecer mais algumas questões importantes aqui. Confira!

1. É necessário fazer check-in de novo em voos com conexão?

Pode ser que sim ou que não. Por isso, a cada parada, sempre pergunte à companhia aérea como você deve proceder. Mantenha-se informado, pois na aviação alguns planos podem mudar dependendo das condições de voo, dos aeroportos e de questões internas das próprias empresas.

2. Os voos com conexão são mais caros?

Sim. Apesar de os voos diretos serem mais confortáveis, quando há conexões é preciso utilizar mais de um aeroporto e mais de um avião, além de ser necessário contar com diversas equipes de solo e diferentes comissários de bordo para atender os passageiros.

Tudo isso gera custos extras para as companhias aérea, assim como para os aeroportos, o que é repassado ao usuário.

3. Posso deixar o aeroporto durante uma conexão?

Em viagens internacionais, isso vai depender do país onde será feita a conexão e se você tem o visto exigido. O visto de trânsito (ou de conexão), por exemplo, não dá direito a sair do aeroporto. Mas, se o seu visto é de turismo, essa saída é permitida.

Dentro do Brasil, claro, é possível circular livremente fora dos terminais. De qualquer forma, deixar o aeroporto entre em um embarque e outro só vai valer a pena se o tempo de conexão passar de sete horas. Afinal, qualquer imprevisto ou atraso pode fazer você perder o seu voo.

Entendeu a diferença entre escala e conexão? Então, na próxima vez que comprar uma passagem de avião, você vai poder escolher a opção que atende melhor às suas expectativas e necessidades, levando em consideração as diferenças de preço, o percurso e o tempo de viagem.

Agora que você já sabe o que é escala e conexão, siga-nos no Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn para esclarecer outras dúvidas e continuar sempre por dentro de tudo sobre o mundo da aviação.