Star Alliance, Oneworld e SkyTeam são nomes conhecidos para quem viaja de avião. As alianças aéreas são parcerias entre companhias aéreas que, assim como aves que voam emparelhados em formação durante a migração, perceberam que juntas poderiam ser mais fortes.

Com o compartilhamento de rotas, lounges e acordos entre programas de fidelidade, as companhias que fazem parte de uma aliança conseguem estender seus serviços aos quatro cantos do mundo e, o mais importante, favorecer a experiência dos clientes que voam nas participantes do pacto.

Neste artigo, vamos explicar melhor como funcionam as companhias aéreas, quais são as principais e como os viajantes podem aproveitar ao máximo os benefícios compartilhados entre elas. Boa leitura!

Como funcionam as alianças aéreas?

As alianças aéreas são parcerias formadas entre companhias aéreas com o objetivo de ampliar seu alcance e sua base de clientes. Mas como isso é feito? Na prática, as alianças são acordos que, normalmente, incluem o codeshare e integrações entre os programas de fidelidade das participantes.

Para os viajantes, as alianças aéreas são uma forma de viajar por vários destinos, incluindo rotas domésticas, com mais praticidade. Isso vale tanto para a compra dos bilhetes como para a realização de conexões e escalas.

E os pontos no programa de fidelidade? Uma preocupação de quem voa frequentemente é a possibilidade de acumular pontos aéreos para posteriormente trocar por passagens e progredir no sistema de categorias da companhia. E vôos internacionais mais longos, geralmente, envolvem muitos pontos. Uma oportunidade que ninguém quer perder.

Infelizmente, não é possível transferir pontos de um programa para outro. Mas, na hora de fazer o check-in, o passageiro pode informar seu número no programa de fidelidade da empresa parceira e acumular os pontos apenas em um sistema, evitando que eles se dispersem.

E para emitir passagens em trechos de companhias parceiras? Felizmente, isso é fácil de ser feito. Nas alianças áreas, os clientes podem utilizar os pontos acumulados em um programa de fidelidade de uma companhia para emitir passagens em todas as parceiras da aliança, sem nenhum custo extra, utilizando a plataforma do programa de fidelidade em que os pontos foram acumulados.

Além disso, se o viajante tiver um status no programa de fidelidade que inclua benefícios como check-in prioritário, bagagens extras e acesso a lounges premium, terá esses privilégios quando voar em qualquer companhia que faz parte da aliança.

Por fim, vale a pena destacar também que algumas alianças aéreas oferecem a famosa passagem de volta ao mundo, que envolve paradas em múltiplos países em voos com diferentes empresas. Tudo isso por um preço menor do que a compra dos bilhetes separadamente.

Já para as companhias, a participação em uma aliança é interessante porque reduz seus gastos com vendas e com parte da operação ao mesmo tempo em que estende o seu alcance pelo mundo.

Mesmo as gigantes do setor, que voam por todo o planeta, não conseguem, por diversas razões, operar aeronaves em todos os destinos possíveis. A American Airlines, por exemplo, é a maior companhia aérea do mundo tanto em tamanho da frota como em rotas operadas e volume de passageiros.

Mas mesmo assim, ela faz parte da Oneworld, compartilhando destinos com outras 12 companhias e levando seus passageiros para destinos que não são cobertos pelas suas aeronaves. Dessa forma, ela consegue atingir um público muito maior sem um custo operacional tão grande.

O que são acordos de codeshare e interline?

Os acordos de codeshare e interline são uma parte fundamental nas parcerias firmadas entre as participantes de uma aliança aérea. Na prática, ambos são formas de operar em rotas de companhias parceiras e vender bilhetes para destinos que não são alcançados por suas aeronaves próprias.

O interline é um acordo comercial entre companhias aéreas que permite que os voos delas sejam vendidos de forma conjunta e em um único bilhete, emitido pela companhia em que o cliente fez a compra.

Portanto, se um passageiro compra uma passagem da Cidade do Panamá para Uberlândia, em Minas Gerais, é bem provável que o trecho entre Cidade do Panamá e São Paulo seja operado pela Copa Airlines, enquanto a conexão para Uberlândia será pela Azul.

Essa parceria permite a expansão das rotas das companhias em uma aliança aérea para diversos outros destinos que não poderiam ser alcançados pelas suas operações próprias.

Já o codeshare é um acordo em que duas ou mais companhias compartilham um mesmo voo e os mesmos canais de venda. Normalmente, cada empresa tem uma quantidade de assentos que pode comercializar em cada voo compartilhado.

Os acordos de codeshare, inclusive, atribuem códigos múltiplos para os voos compartilhados. Portanto, uma única conexão entre Belo Horizonte e Campinas pode ter diversos nomes, um para cada companhia aérea que compartilha o codeshare.

Acordos de codeshare e interline são comuns dentro de uma aliança aérea, mas também existem fora delas.

A Azul, por exemplo, não faz parte formalmente de nenhuma aliança aérea, mas tem acordos de interline com Etihad, Copa (Star Alliance), Aerolíneas Argentinas (SkyTeam) e muitas outras.

Além disso, mantêm codeshare com várias companhias aéreas de todo mundo, incluíndo United (Star Alliance), TAP (Star Alliance), Ethiopian (Star Alliance) e várias outras.

Também vale a pena destacar que além desses acordos, o TudoAzul, programa de fidelidade da Azul, também tem parcerias similares às de uma aliança aérea com os programas da TAP e United.

Quais são as principais alianças aéreas?

Hoje existem três principais alianças aéreas de aviação mundial. Juntas, elas representam quase todo o mercado de passageiros no planeta. Quase todos as maiores empresas do setor fazem parte dessas associações.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre cada uma delas!

Star Alliance

Fundada em 1997, a Star Alliance foi a primeira aliança aérea e o seu pioneirismo definiu muitas das bases que foram seguidas pelas outras companhias. Hoje, ela conta com 27 membros, incluindo empresas como a Air Canada, United, Scandinavian Airlines, Thai Airways e Lufthansa.

Além dessas, nomes de peso como a Air China, All Nippon Airways, Avianca e Singapore Airlines também fazem parte da aliança.

Qual destino combina mais com você?Powered by Rock Convert

A primeira companhia aérea que se juntou à Star Alliance além das suas cinco fundadoras foi a extinta Varig, brasileira, que ficou na aliança entre 1997 e 2007. Em 2010, a TAM se juntou ao acordo, mas deixou a Star Alliance em 2014, quando se fundiu com a LAN, formando a LATAM e migrando para a Oneworld.

Hoje, a Avianca Brasil é a única representante nessa aliança entre as aéreas nacionais.

Além de ser a primeira, a Star Alliance é a maior aliança aérea por passageiros transportados, com quase 700 milhões de viajantes por ano. A sua frota combinada chega em 4.657 aeronaves e sua sede fica em Frankfurt, na Alemanha.

Por meio da Star Alliance, é possível conhecer 1.330 destinos em 192 países do mundo. E além das parcerias de codeshare e fidelização, a Star Alliance compartilha terminais de aeroportos entre seus membros.

Em relação aos programas de fidelidade, é importante entender que a Star Alliance divide os clientes em duas categorias premium: Silver e Gold. Como os sistemas de categorias das companhias aéreas envolvem mais variações que isso, os níveis deles acabam equivalentes a uma dessas duas categorias.

Normalmente, a categoria Silver engloba os estágios iniciais do programa de fidelidade enquanto a Gold é reservada para as categorias mais elevadas. Entre os privilégios compartilhados estão bagagens extras, prioridade em filas de embarque e check-in, entrada em lounges VIP e outros.

Oneworld

Com a formação da Star Alliance em 1997, as empresas concorrentes que ficaram de fora se movimentaram para criar a Oneworld, que começou em 1999 com American Airlines, British Airways, Cathay Pacific, Canadian Airlines e Qantas. Dessas, apenas a Canadian deixou a aliança, após a sua fusão com a Air Canada, que é parte da Star Alliance.

A Oneworld conta com 13 membros e entre eles se destacam também Japan Airways, Malaysia Airlines, Qatar Airways e a LATAM, que é a única representante sul-americana na aliança.

Presente em 161 países, a Oneworld é menor que as concorrentes Star Alliance e SkyTeam, mas opera com uma frota de quase 3.600 aeronaves em mais de mil aeroportos diferentes.

Assim como acontece com a Star Alliance, a Oneworld também possui o compartilhamento de benefícios entre programas de fidelidade. São três categorias premium: Oneworld Ruby, Oneworld Sapphire e Oneworld Emerald.

Dependendo da categoria do cliente no programa de fidelidade da sua companhia, ele é reconhecido por equivalência entre uma dessas três.

Algumas aeronaves de companhias afiliadas a Oneworld exibem a logo da aliança em suas pinturas externas, mas todas elas contam com uma pequena reprodução dessa imagem à direita das primeiras portas de entrada do avião, atrás do cockpit.

SkyTeam

SkyTeam completa o trio de alianças aéreas mais importantes: foi fundada em 2000 por Aeroméxico, Air France, Delta Air Lines e Korean Air. Ela conta com 20 membros e está presente em todos os continentes.

Apesar de ter sido fundada depois, a SkyTeam já ultrapassou a Oneworld e hoje é a segunda maior aliança aérea do mundo, com mais de 650 milhões de passageiros transportados por ano, uma frota de pouco mais de 3 mil aeronaves e 1.074 destinos atendidos em 177 países.

Das três maiores, é a única que não tem uma companhia aérea brasileira entre os participantes. Na América do Sul, é representada pela Aerolíneas Argentinas e além desta e dos fundadores, conta com companhias importantes como a Aeroflot, Alitalia e KLM.

Os membros premium de programas de fidelidade da SkyTeam são divididos em dois níveis: Elite e Elite Plus. Dependendo da categoria do cliente no programa da companhia, ele pode ter os privilégios de um desses dois status.

Entre os benefícios estão incluídos prioridade nas filas de embarque e check-in, acesso aos lounges VIP e bagagens adicionais gratuitas.

Outras alianças áreas

Além das três maiores, existem outras três alianças aéreas mais recentes que foram fundadas nos últimos anos e não contam com o alcance global, a frota e a quantidade de membros das que já foram citadas neste artigo.

Ainda assim, vale a pena conhecer um pouco sobre elas e o porquê elas foram fundadas. Confira:

Vanilla Alliance

A Vanilla Alliance foi fundada em 2015 pelas empresas que operam na região do oceano Índico. A ideia é fortalecer a cooperação entre essas companhias e incentivar o turismo e os negócios na região.

Hoje, apenas cinco companhias fazer parte da Vanilla Alliance, nenhuma delas de grande porte: Air Austral, Air Madagascar, Air Mauritius, Air Seychelles e Int’Air Îles. Todas foram fundadoras.

A Vanilla Alliance não oferece nenhum tipo de parceria formalizada em relação aos programas de fidelidade das suas afiliadas, mas desde a sua fundação, o codeshare entre as companhias aéreas da região foi otimizado, favorecendo a vida dos viajantes.

U-FLY Alliance

A U-FLY Alliance foi fundada em janeiro de 2016 como a primeira aliança de companhias aéreas de baixo custo. Todas as 4 fundadoras são empresas chinesas do grupo HNA que operam, principalmente, na região de Hong Kong, sudeste asiático e China continental.

Em julho de 2016, a aliança recebeu a Eastar Jet, uma companhia de baixo custo que opera na Coréia do Sul. Operando em 18 países e 149 destinos, ela ainda é relativamente pequena, com uma frota de 129 aeronaves.

Assim como a Vanilla, não conta com acordos de programas de fidelidade, apenas parcerias de codeshare.

Value Alliance

Maior entre as menores, a Value Alliance foi fundada em maio de 2016 com a mesma premissa da U-FLY: ser uma aliança aérea de companhias de baixo custo. Ela conta com sete membros e todos operam na região do Pacífico, entre o Sudeste Asiático e a Oceania.

Com mais de 160 destinos cobertos por uma frota de 176 aeronaves, ela está distante dos números das grandes alianças, mas ainda dá seus primeiros passos. Além do codeshare, a Value promete implementar outras formas de cooperação entre as suas afiliadas, mas não revela detalhes de quando nem como isso será feito.

E agora que você já sabe tudo sobre alianças aéreas, que tal aproveitar o embalo para curtir nossa página no Facebook e acompanhar os melhores conteúdos sobre viagens? Esperamos você!