O Brasil é formado por uma mistura de tradições e culturas. Por ser um país de tamanho continental, com descendentes dos quatro cantos do mundo, a diversidade está no nosso sangue. Uma prova disso é a culinária, que muda em cada região devido aos seus costumes e à própria colonização.

As peculiaridades gastronômicas sugerem um roteiro de viagem de norte a sul do Brasil. Que tal usar esse ponto de partida para descobrir o seu próximo destino? Continue lendo este texto e faça um tour pela culinária brasileira!

Norte

A região norte é marcada pelos costumes indígenas, mas a sua culinária é uma mescla de diferentes povos que exploraram a área durante o ciclo da borracha. Imigrantes europeus (principalmente italianos), libaneses e japoneses são alguns exemplos. Os nordestinos também migraram para o Norte nessa época. E claro, todos deixaram os seus traços.

Mas a riqueza amazônica também tem grande contribuição para o paladar nortista: guaraná, açaí, cupuaçu, mandioca, urucu, pirarucu, tucunaré, jambu e castanha-do-pará. Os inúmeros rios e a diversidade de peixes convidam o paladar dos visitantes.

Os pratos típicos que precisam estar no seu roteiro ao visitar o norte do país são: Tacacá, Maniçoba, Caruru e Pato no Tucupi. São fáceis de achar e têm um modo de preparo especial.

Conheça alguns ingredientes peculiares:

Jambu

O fruto é mais conhecido por causa da cachaça de Jambu, que faz a boca formigar. Na verdade, qualquer receita que leve jambu tem esse efeito. É uma experiência e tanto!

Tucupi

Esse é o nome dado ao suco extraído da mandioca. Ele é retirado quando a raiz do fruto é descascada, ralada e espremida. O processo, de criação indígena, tem cor amarela intensa e serve como ingrediente para a preparação de outros pratos típicos, como o Pato no Tucupi e o Tacacá. Este último também leva a folha da mandioca, goma, jambu e camarão, resultando em um caldo bastante colorido.

Açaí

O fruto que popularizou-se no Brasil com um produto similar ao sorvete, na verdade, tem uma tradição bem diferente. No norte, o açaí é utilizado como prato principal e como sobremesa. O pequeno fruto amazônico é consumido com açúcar e farinha ou serve como molho para acompanhar outros pratos: peixe frito, jabá (tipo de carne seca).

Apesar de ser vendido em praticamente todo o país, o Pará é responsável por cerca de 80% da produção nacional.

Pirarucu de casaca

O Pirarucu de casaca tem esse nome porque é composto de um peixe frito servido em camadas com banana frita. Também pode levar outros ingredientes para deixar a receita mais atrativa: leite de coco, batata cozida, farofa, ovos cozidos e batata palha. O Pirarucu é um dos maiores peixes de água doce do país, encontrado com maior facilidade na Amazônia. Além do Pirarucu de casaca, ele pode virar inúmeros outros pratos.

Nordeste

A região nordeste tem forte influência gastronômica africana e portuguesa. Mas a economia, as condições geográficas e as riquezas naturais também ajudaram na construção da culinária nordestina. Além disso, os colonizadores europeus (holandeses, franceses e ingleses) também deixaram suas marcas, ainda que em menor intensidade.

Em geral, a comida nordestina é bem temperada, rica em vegetais e com alto teor calórico. A carne bovina e caprina misturam-se aos demais ingredientes, formando refeições que agradam a todos os gostos. O grande destaque são os peixes e frutos do mar, que são encontrados com facilidade no litoral. Ao visitar o nordeste, você precisa experimentar a moqueca de peixe e o bobó de camarão, acompanhados com o delicioso baião de dois.

Culinária por estados

Na Bahia, os pratos africanos estão em maioria: abará e acarajé. Outras opções bastante procuradas são o caruru e o vatapá. Mas prepare-se para o tempero, pois esses alimentos levam bastante pimenta. O sabor carregado é resultado da mistura do azeite de dendê com coco e quiabo.

Já em Alagoas e Sergipe, os pratos com frutos do mar são destaque. Na Paraíba, o prato chefe é o Rubacão, uma mistura de feijão verde com arroz, queijo coalho, charque e creme de leite.

A refeição é um verdadeiro risoto com ingredientes variados. Pernambuco, por sua vez, tem o clássico caldinho de feijão. Mas também pode ser de peixe ou camarão. Em qualquer restaurante que você for, essa será a entrada recomendada. E não deixe de provar o famoso bolo de rolo, uma sobremesa típica do estado.

No Rio Grande do Norte você vai encontrar peixes, camarão, siri, caranguejo e lagosta a preços bem convidativos. O escondidinho de carne do sol é outra opção. E como estamos falando da terra do maior cajueiro do mundo, o caju e as castanhas de caju não podem faltar. Você encontra o fruto com muita facilidade e abundância.

O Piauí tem o bode assado e o arroz do capote, enquanto o Ceará tem o famoso feijão verde, com nata, queijo coalho e coentro (chamado de “cheiro verde” pelos cearenses). Por fim, o Maranhão tem o arroz Maria Isabel e arroz com capote.

Em todas as regiões do nordeste você vai encontrar cuscuz, macaxeira e tapioca. Essas refeições acompanhadas de café fão muita energia e disposição. Comidas mais fortes como panelada, buchada e sarapatel podem ser servidas até no café da manhã. Nos mercados típicos dessas cidades, isso é muito comum. Em praticamente todos os lugares você vai achar carne do sol, tapioca, milho e rapadura. Se sua viagem ainda está sem data, escolha um roteiro para as festas juninas.

Centro-oeste

E que tal dar um pulo no centro do país para experimentar as diversas refeições feitas com a farinha de mandioca? Seja no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul ou Distrito Federal, as refeições são uma continuação da influência indígena. Por estar próximo da fronteira, não será difícil encontrar salteñas bolivianas ou a sopa paraguaia.

Pequi

Se tem um fruto que é a cara do centro-oeste é o pequi. Ele pode ser servido de diversas maneiras: puro, cozido, ou misturado com outras guarnições, como o arroz e o frango. Chamado de “ouro do cerrado”, o sabor do pequi é peculiar e marcante. Uma dos preparos mais simples e fáceis de encontrar é o arroz com pequi.

Culinária por estados

No Mato Grosso você vai encontrar pratos simples e exóticos, com temperos típicos do Cerrado. O acompanhamento é feito com arroz, pirão e farofa de banana. Um prato que não pode faltar na sua visita ao estado é o caldo de piranha. Para as refeições mais importantes, experimente a costela de pacu frita ou o ensopado de filé de pintado.

Os pratos típicos levam na receita peixes de água doce: pacu, dourado, pintado, piabuçu, pacupeba e piraputanga. Mas também há carnes bovinas, suínas e carnes exóticas, como de capivara, javali e jacaré. Essa última é uma das mais procuradas pelos turistas curiosos.

O Mato Grosso do Sul, por sua vez, tem mais influência das culinárias da Argentina, Bolívia e Paraguai devido à proximidade geográfica. Os pratos mais famosos são:

  • arroz boliviano;
  • pintado à urucum;
  • quibebe de mandioca;
  • sorvete de bocaiúva;
  • sopa paraguaia;
  • saltenha;
  • quebra torto;
  • sarravulho.

Sudeste

A culinária da região sudeste é uma das mais ricas do Brasil devido à diversidade. Somente o estado de São Paulo, tem restaurantes de diferentes nacionalidades, para todos os gostos. Comida japonesa, coreana, italiana, francesa, portuguesa e muito mais. É lá também onde estão as melhores pizzas e o famoso sanduíche de mortadela. Também vale a pena conhecer os bares da Vila Madalena, que são bastante movimentados durante a noite.

O Rio de Janeiro é considerado um dos melhores lugares para comer, pois tem diversas opções gastronômicas e um cenário de impressionar. A cidade teve influência da culinária portuguesa, mas também oferece frutos do mar e a tradicional feijoada. Seja na semana ou nos finais de semana, a feijoada é servida no almoço e no jantar, acompanhada com farofa, couve, torresmo, arroz e rodelas de laranja. Também serve de aperitivo nos bares e botecos.

Outros pratos que fazem parte da cultura carioca são: bacalhau, feijão preto, picadinho, camarão com chuchu, canjiquinha e filé à Oswaldo Aranha.

Entre os estados do sudeste, Minas Gerais é um dos mais elogiados quando o assunto é comida. A sua grande diferença é o sabor e tempero caseiro. Os pratos mais comuns são o feijão tropeiro, frango com quiabo, tutu com torresmo e couve à mineira. Os ingredientes principais são feijão, milho e carne de porco. Mas a comida mineira mais conhecida nacionalmente é o Queijo Minas, encontrado em muitos supermercados e restaurantes do país.

Para o lanche ou sobremesa, a culinária mineira não deixa a desejar. O pão de queijo é bem-vindo a qualquer momento do dia. Acompanhado de um café, então, é a mistura perfeita. E para a sobremesa, você pode se deliciar com a variedade de doces produzidas no estado: doce de leite, doce de buriti, de amendoim, de abóbora, rocambole e geleias.

A gastronomia do Espírito Santo tem influências indígena, europeia e africana. Pela sua localização geográfica, tem vários pratos com frutos do mar, entre eles o arroz com camarão capixaba e o peixe ao molho verde. Mas o prato típico mais procurado é a moqueca capixaba, servida em panela de barro. Ela é feita com peixe, camarão e temperada com coentro e urucum.

Além desses, você também vai encontrar a torta capixaba, feita com siri, sururu, camarão e ostra. Também leva bacalhau por isso, é muito procurada durante a Semana Santa. Caranguejada, pirão, casquinha de siri e quibebe de abóbora complementam o cardápio capixaba.

Sul

Por ser um país de tamanho continental, o sul do país tem um clima bem diferente das outras regiões. A temperatura é mais baixa, semelhante à europeia, e isso possibilita uma culinária peculiar. Em Curitiba, por exemplo, a gastronomia é muito bem desenvolvida e tem uma diversidade de opções para os moradores e turistas. Os restaurantes italianos são exemplos disso.

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul compõem a região, que recebeu vários imigrantes europeus e deixaram suas tradições. Além disso, os países que fazem fronteira também influenciam na culinária sulista.

O pinhão, produzido durante os meses de maio e junho é muito utilizado nas receitas de molhos e doces. E a erva-mate é o ingrediente principal para produzir a bebida típica do lugar, o chimarrão. E uma das características mais fortes dessa região é o churrasco.

Influências estrangeiras

Os italianos que migraram para o sul do Brasil trouxeram os seus ingredientes e receitas: polenta massas e bebidas como o vinho. O café colonial trazido da Alemanha também é muito comum nessa região. Os alemães foram responsáveis pelo surgimento da Oktoberfest, um dos maiores festivais de cerveja alemã no Brasil. A cidade de Blumenau, em Santa Catarina, é o lugar que concentra a festa de origem germânica.

Ou seja, no sul você vai encontrar desde carne bovina, suína, culinária italiana, alemã e polonesa, chimarrão até frutos do mar. Entre os pratos mais comuns você vai encontrar:

Churrasco

A prática de cortar carnes, temperar e levar a uma grelha ou espeto com carvão vegetal, que chamamos de churrasco, surgiu no sul do país. As linguiças também são utilizadas para complementar o prato, como o arroz, a farofa, o pão e a salada.

Arroz Carreteiro

Apesar de ser servido em todo o país, esse prato foi criado no Rio Grande do Sul. Ele tem esse nome porque era preparado pelo carreteiro, figura que transportava cargas em carroças puxadas por bois. O prato é composto de arroz e carne de charque. As variações do prato levam temperos de acordo com o gosto pessoal.

Bebidas típicas

O chimarrão é a marca registrada do Sul. O hábito herdado dos indígenas é muito forte. Tanto que não é difícil encontrar um gaúcho carregando uma bolsa, cuia e água para preparar a bebida. O café é outra bebida que faz parte da cultura gaúcha. Como o solo é propício para a plantação do fruto, é lá onde estão reunidos os melhores cafés do país.

A produção de bebidas alcoólicas também recebe muitos elogios, incluindo prêmios nacionais e internacionais.

Deu para perceber que a culinária brasileira tem muitos sabores. Experimentar um prato típico é vivenciar a cultura de um povo e aprender mais sobre a história do Brasil. É um grande incentivo para definir o seu próximo destino de viagem. E que tal encontrar uma companhia para essa aventura? Então compartilhe este texto nas redes sociais!