Todo mundo tem uma motivação para viajar, seja para conhecer novas culturas, experimentar novos sabores, praticar idiomas, estudar, trabalhar, fazer amizades ou simplesmente para admirar belas paisagens. E viajar para beber vinhos, já imaginou? Sim, não só existem pessoas que fazem isso como o mercado está cada vez mais preparado para receber o turismo segmentado.

Se você gostou da ideia, continue a leitura e descubra todos os encantos do enoturismo!

O que é enoturismo?

O termo, que parece estranho, na verdade, é super simples, trata-se da união do vinho com a viagem. Ou seja, é uma modalidade de turismo voltada para apreciar o universo do vinho e inclui visitas a vinícolas, degustações, wine bars e muito mais. Além de conhecer e saborear diferentes tipos da bebida, essa é uma excelente oportunidade de voltar para casa carregado de bons rótulos para guardar na sua adega.

Tudo o que você lê em rótulos, livros ou na internet sobre vinho passa a ter mais sentido em uma experiência como essa. O enoturismo proporciona melhor conhecimento e apreciação dos aromas, sabores e degustações da bebida, bem como uma maior aproximação das tradições e das cidades que produzem esse tipo de bebida.

Onde fazer uma viagem focada em enoturismo?

Os vinhos são produzidos no mundo todo e cada localidade tem a sua cultura e diferentes particularidades. Se você é amante do vinho, mesmo que decida realizar uma viagem de enoturismo por ano, não vão faltar destinos incríveis para você conhecer. Veja alguns deles.

No Brasil

Quem disse que é preciso ir longe para consumir vinho de alta qualidade? Nosso país está repleto de boas vinícolas, paisagens deslumbrantes e ricas manifestações culturais. Além disso, o idioma e a moeda local tornam o passeio ainda mais agradável e econômico. Quer algumas sugestões? Acompanhe.

Serra Gaúcha

O sul do país é conhecido pela temperatura mais amena e pela influência da imigração europeia. Quem vai à Serra Gaúcha, por exemplo, na região nordeste do Rio Grande do Sul, encontra magníficas montanhas, cachoeiras e, claro, excelentes vinhos. É lá que são produzidos alguns dos melhores vinhos nacionais, o destino é considerado o mais tradicional roteiro de enoturismo brasileiro.

A qualidade da produção dessa região já foi destaque em um dos mais importantes portais de vinho do mundo, como a revista inglesa Decanter. O roteiro inclui o Vale dos Vinhedos (Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul) e Gramado. O turismo local oferece muitas atividades, como piquenique nos vinhedos, bike experience e passeios de helicópteros.

A região tem muitos vinhedos que valem a visita, veja alguns exemplos:

  • Vinícola Ravanello;
  • Casa Seganfredo;
  • Garibaldi;
  • Cave Geisse;
  • Casa Perini;
  • Pizzato;
  • Casa Valduga;
  • Don Giovanni.

Vale do São Francisco 

Você sabia que a Bahia é a segunda maior produtora de vinhos, sucos naturais de uva e espumantes do país? Isso acontece porque o estado está localizado no Vale do São Francisco, região famosa pela agricultura irrigada pelas águas do Velho Chico.

O Vale engloba 7 vinícolas do sertão pernambucano e o norte da Bahia. As cidades mais procuradas da região são: Lagoa Grande (PE), Santa Maria da Boa Vista (PE) e Casa Nova (BA). Já as vinícolas que se destacam são: Botticelli e Ouro Verde.

As uvas produzidas no Vale do São Francisco são famosas pela suculência e acentuação do sabor devido à incidência do sol. A Syrah local, por exemplo, já é considerada um dos melhores exemplares de uva de todo o mundo. Para aprimorar o passeio, vale a pena experimentar as iguarias locais, como o peixe surubim e a carne de bode, passear pelas águas verdes do Rio São Francisco e desfrutar da hospitalidade nordestina.

No Mundo

Se a ideia é realizar uma viagem internacional, a experiência será ainda mais proveitosa, pois envolve outros idiomas e culturas. Nesse caso, não esqueça de verificar se o passaporte está em dias e se o destino exige visto. Confira alguns destinos que promovem o enoturismo na América do Sul e na Europa.

Mendoza — Argentina

Pertinho do Brasil, a cidade argentina oferece boa infraestrutura e clima ensolarado ao lado da Cordilheira dos Andes, formando paisagens espetaculares. As principais vinícolas estão localizadas nas zonas de Luján de Cuyo, Maipú e Vale do Uco e são responsáveis por paisagens espetaculares. A “terra do sol e do bom vinho” está a poucas horas das capitais Buenos Aires e Santiago (Chile).

Confira algumas das principais vinícolas de Mendoza:

  • Bodega Chandon;
  • Catena Zapata;
  • Ruca Malen;
  • Viña Cobos;
  • Vistalba.

Toscana — Itália

Toscana oferece muitos dos melhores vinhos do mundo, como o Brunello, Chianti, Bolgheri e Nobile di Montepulciano. Está localizada em uma das regiões mais românticas do mundo, com vários atrativos. Além dos seus famosos vinhedos, também é repleta de vilas medievais e castelos antigos.

Para conhecer o lugar, o ideal é alugar um carro ou contratar um serviço de visitas guiadas com motorista particular. Reserve um tempo para apreciar as belezas das encantadoras cidades Florença, Arezzo e Siena. O destino é muito procurado por casais em lua de mel, mas também é muito recomendado para o turismo em família, com amigos ou até sozinho.

Vale lembrar que escolher um destino europeu é uma boa oportunidade para conhecer outros países devido à proximidade entre eles e as facilidades dos modais de transporte da região.

Porto — Portugal

Portugal é um dos maiores produtores de vinho do mundo, por estar localizado nas latitudes 30º e 50º, o país reúne as condições mais adequadas para o crescimento e desenvolvimento das uvas que produzem a bebida. As principais regiões produtoras de vinho são: Dão, Douro, Ribatejo e Alentejo. 

Portugal tem mais de 250 castas nativas, entre tintas e brancas. As mais utilizadas são: Baga, Castelão, Tinta Roriz, Touriga Nacional, Fernão Pires e Encruzado. Entusiastas e especialistas no assunto se sentem em um verdadeiro Parque de Diversão quando desfrutam do enoturismo em Portugal.

Quem nunca ouviu falar no Vinho do Porto, marca registrada do país? As vinícolas da região são conhecidas mundialmente. Mesmo quem viaja para Lisboa ou outras cidades do país, tem quase como obrigação incluir no roteiro de viagem os tours que mostram todas as etapas de produção da bebida.

Como se preparar para esse tipo de viagem?

Toda viagem precisa de planejamento e com o enoturismo não é diferente. Antes de organizar a mala e comprar as passagens, é preciso definir o tipo de vinho de sua preferência, pesquisar onde ele é fabricado, qual o melhor período para visitação e listar as vinícolas que oferecem serviços turísticos. 

Com base nisso, você terá um guia, mas nada o impede de ampliar o olhar e conferir outros passeios, restaurantes, museus e atividades contempladas pelo destino. No geral, são tantas opções que fica até difícil montar o roteiro. Confira algumas orientações.

Escolha a data com atenção

Como qualquer produto agrícola, o vinho segue um calendário anual. A produção está relacionada à latitude, clima e microclima. Os diferentes tipos de solo, temperatura, insolação, chuvas e variações térmicas dão ritmo ao ciclo da videira e influenciam diretamente no crescimento e desenvolvimento das uvas, matéria-prima do vinho.

Fenômenos como chuvas constantes, seca e granizo atrapalham o ciclo natural do fruto e, consequentemente, o passeio. Por isso, é importante saber o que esperar de cada estação e estipular um tempo para a visita. Não sabe como fazê-lo? Calma, confira a seguir.

Duração da visita

Normalmente essa informação é dada pela vinícola. Há locais que permitem apenas uma visita breve, de um turno e outros que oferece até hospedagem. E correr admirando os vinhedos, já imaginou? Sim, tudo isso é possível. Dependendo do destino escolhido, do seu período de estadia e da proximidade entre as vinícolas, é possível conhecer até três bodegas diferentes em um único final de semana.

Na dúvida, prefira o período da manhã em regiões mais frias e a tarde em lugares mais quentes. A iluminação natural é ideal para fazer fotos e admirar a natureza ao redor. Se você precisa de um pouco mais de romantismo, não hesite em escolher esse programa. 

Primavera

É uma das épocas mais esperadas do ano, pois o vinhedo fica bem verde e cheio de cachos de uvas. Também é possível perceber a floração, mudança de cor e crescimento dos bagos e das uvas. A sensação é de conhecer a natureza em plena fertilidade.

Qual destino combina mais com você?Powered by Rock Convert

Verão

É o período de amadurecimento das uvas, marcado pelo início da colheita e da produção do vinho, que se estende pelo outono. Tem uma magia especial devido às festas de vindima, comuns em regiões produtoras. Em algumas delas, é possível participar da colheita: entrar no vinhedo, sentir o aroma doce e levemente fermentado das uvas e admirar o brilho do sol sobre as paisagens, deixando-as mais vívidas e coloridas.

Outono

O outono é conhecido pela troca das folhas, que mudam de cor e formam um lindo tapete colorido no chão. No vinhedo, o vermelho dá lugar ao vinho e o dourado passa a ter cor de ferrugem. No final da estação as folhas secam e caem das videiras. O cenário rústico rende belas fotografias.

Inverno

O friozinho combina muito bem com o vinho. A bebida aquece o corpo e o inverno dá um encantamento ainda maior pela produção. Nessa época, a videira já está sem folhas, por isso é feita uma poda para que a planta entre em dormência e volte com todo o vigor na próxima estação. Em regiões com neve, ela estará totalmente coberta. Não é um período muito fotogênico, mas, sem dúvidas, é uma experiência encantadora.

Vinícolas

Agora que você já conhece o que ocorre em diferentes épocas do ano, opte pelo período que melhor atende as suas expectativas. E lembre-se de que não são todos os locais que dão acesso aos vinhedos, na maioria das vezes, a visita acontece mais dentro da vinícola. 

Para isso, existem tours guiados pela sala de tanques de fermentação, sala de barricas, espaço para degustação e loja. Ou seja, caso pegue um tempo ruim, não se prenda a isso, pois o local tem muito a oferecer.

Defina quais vinícolas você vai visitar

Se o principal atrativo do enoturismo é o vinho, como variar as programações para a viagem não ficar cansativa? Primeiro tenha em mente que em cada visita você terá acesso a vivências diversificadas que o ajudarão a entender melhor as diferenças entre os rótulos disponíveis no mercado. Depois, amplie o olhar para todas as possibilidades que o destino oferece.

Existe a vinícola boutique — com pequena produção — que apresenta rótulos exclusivos, a vinícola de grande produção e as vinícolas que se destacam por alguma característica, seja a arquitetura, o método de produção ou as premiações que ostenta.

Algumas têm restaurantes e menus de degustação, ou seja, uma ótima oportunidade para conhecer e experimentar as harmonizações do local. Outras dispõem de outros serviços, como o de hotelaria. Isso mesmo, o visitante pode pernoitar dentro da vinícola e observar os vinhedos ao longo do dia — normalmente os quartos têm vista panorâmica.

Além dessas características, o local tem a sua própria história, geralmente familiar, e diversas curiosidades. Em todo caso, é preciso entrar em contato e reservar a visita com antecedência. Aproveite a oportunidade e solicite um serviço de transfer, táxi ou veículo de economia compartilhada para maior comodidade, afinal, bebida e direção não combinam.

Faça a mala com atenção

A mala de roupas deve obedecer ao clima da estação, com destaque para as peças confortáveis, sapatos baixos ou sem salto, com solado de borracha e tênis. O protetor solar é indispensável e acessórios como óculos escuros, bonés e chapéus são bem-vindos. Nos dias de calor escolha roupas leves, mas tenha em mãos um item para aquecer o corpo quando entrar na sala de barricas: casacos, pashmina e lenços.

Independentemente da viagem ser nacional ou internacional, confira a documentação com antecedência e as regras de bagagem da companhia aérea para encontrar a melhor forma para transportar os seus vinhos. E, claro, reserve um espaço na mala pra levar os presentes. Por falar nisso, como definir a quantidade de vinhos para levar? É mais vantajoso adquirir rótulos em vinícolas ou em lojas locais?

Depende! Pesquise os preços em diferentes locais, incluindo o Duty Free e compare com os oferecidos na vinícola. Se optar pela compra, confira se a loja tem embalagens adequadas e seguras para transportar as garrafas na viagem. Informe-se também com a companhia aérea sobre como funciona o despacho e qual a quantidade permitida por pessoa.

No Brasil, por exemplo, o viajante pode levar até 12 litros de vinho — equivalente a 16 garrafas de 750 ml. É importante frisar que o passageiro não pode ultrapassar a cota de US$500 que ele tem direito de trazer do exterior. Outro ponto a ser considerado é o peso, afinal você já vai levar a sua mala pessoal.

É verdade que existem corridas com degustação de vinho?

Sim! Várias cidades do Brasil e do mundo promovem competições em vinhedos com degustação da bebida. O evento temático reúne uma corrida de trilha com terrenos variados e diferentes níveis de dificuldade. Além do visual, da adrenalina e do sabor, essas provas também promovem a economia e a cultura local dos destinos. Afinal de contas, o público da corrida também vai hospedar-se na cidade, frequentar restaurantes, fazer compras e conferir as festas típicas e demais entretenimentos.

Quer conhecer as provas e inspirar-se para viajar, realizar uma atividade física e ainda relaxar com um bom vinho? Então conheça as corridas nacionais e internacionais mais famosas do mundo do vinho.

Corrida do Vinho — Lagoa Grande (Pernambuco)

Essa prova é realizada no Vale do São Francisco, na Região Administrativa Integrada de Desenvolvimento do Polo Petrolina e Juazeiro, aproximadamente 659 km de distância da capital. A magia do Rio São Francisco e a altitude de 345 metros tornam o lugar ainda mais especial.

O evento costuma reunir cerca de 600 atletas de diversas regiões do país e muitos espectadores, um público que tem o estilo de vida baseado na união do esporte com o vinho. Os inscritos participam de uma série de atividades: palestras, congresso técnico, festa do espumante e show regional.

Essa também é uma oportunidade de conhecer a principal região produtora de frutas e hortaliças do Brasil, além de realizar passeios de catamarã na vinícola e um tour guiado pela Fazenda Santa Maria, na Vinícola Rio Sol. O kit da prova conta com acessórios e corrida e, claro, uma garrafa de vinho. As categorias também têm nomes especiais: cabernet sauvignon (6 km) e syrah (12 km).

Wine Run — Bento Gonçalves (Rio Grande do Sul)

Essa é para quem já é atleta ou está se aperfeiçoando na corrida: que tal correr uma meia maratona entre vinhedos? Pode parecer estranho, mas muitas pessoas se programam para esse tipo de prova. Quando há um atrativo de seu interesse, como o vinho, a motivação é ainda maior.

Os 21 km são percorridos nas categorias individual ou dupla, passando por estradas de terra com subidas e descidas acentuadas, em uma altitude de 542 metros, trechos de asfalto e paralelepípedos. Tudo isso às margens das principais vinícolas e montanhas do Vale dos Vinhedos, na cidade de Bento Gonçalves, a 122 km de distância da capital Porto Alegre.

O evento também conta com jantares harmonizados nos principais restaurantes da cidade, comidas típicas da região, buffet de frutas e massas na festa do espumante e muito mais. A estrutura da prova inclui traslado do hotel para a largada ou posto de revezamento e do posto de revezamento para a chegada e da arena para a chegada. Os participantes também degustam vinhos e suco de uva na entrega dos kits.

Circuito dos Vinhedos — São Joaquim (Santa Catarina)

Que tal correr em um dos mais belos cenários da Serra Catarinense, no município de São Joaquim? O Circuito dos Vinhedos acontece nas dependências da Vinícola Leone di Venezia, que fica a 1,2 mil metros de altitude, cerca de 232 km de distância de Florianópolis.

A união do esporte com a natureza é marcada pelo percurso com aclives, declives e terrenos variados, como estrada de chão e pedra batida. O participante pode optar por três categorias: 5 km, 8 km e caminhada. Ou seja, até quem não tem muita prática na atividade pode se aventurar e apreciar as belezas locais.

Os inscritos usufruem de toda a estrutura da corrida e ainda recebem alguns mimos temáticos, como uma garrafa de vinho de 750 ml e voucher taça de vinho pós-prova. Depois da competição é a vez de conhecer os atrativos turísticos da cidade: Casa do Vinho, Mirante dos Pinheiros e o Parque Nacional de São Joaquim.

Marathon du Médoc — Bordeaux (França)

Já imaginou uma maratona onde os corredores bebem vinho e comem queijos durante a prova? Essa é a Marathon du Médoc, competição francesa. A prova acontece na cidade de Bordeaux, localizada no centro de uma famosa região vinícola no sudoeste da França. A beleza dos vinhedos e a imponência do Rio Garona criam o cenário perfeito para a maratona.

Uma grande atração da prova é a hidratação: nas corridas tradicionais os participantes bebem água, mas nesta também é permitido beber vinho. Os participantes também costumam correr fantasiados, o que marca o clima de descontração no evento. No final, eles levam para casa o equivalente ao seu peso em vinhos.

Essa é uma ótima oportunidade de fazer uma maratona e aproveitar a viagem para conhecer os prédios históricos e mansões dos séculos XVIII E XIX, os museus e os jardins públicos de Bordeaux. A cidade fica a 245 km de distância de Toulouse e 584 km da encantadora Paris.

Depois de ler este guia completo sobre o enoturismo, você já tem uma motivação extra para as suas próximas trips. A bebida, que é tradição no mundo todo, faz parte de festas, celebrações e momentos especiais, então por que não inseri-la na sua próxima viagem? Programe o roteiro de acordo com o universo do vinho e tenha uma experiência única e inesquecível!

Gostou do texto e quer acompanhar mais informações sobre viagens? Então, siga as nossas redes sociais: estamos no Facebook, Instagram, Twitter, Youtube e LinkedIn.