Você já pensou em comprar uma passagem para Humaitá? Trata-se de um município localizado no interior do estado do Amazonas que pode ser chamado de paraíso das águas, pois é banhado por vários rios.

O destino também tem muitas construções históricas e fica próximo de parques e florestas nacionais. E para quem gosta de roteiros conjugados, essa é uma ótima pedida, pois é possível unir mais uma cidade (Porto Velho, capital de Rondônia) e até um país (a Bolívia) na viagem.

Ficou curioso para saber mais sobre Humaitá? Então, continue a leitura e descubra todos os encantos e atrativos desse lugar!

Características gerais

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade de Humaitá tem 33.111,143 quilômetros quadrados de área, com população estimada em 54.001 pessoas (2018). O tamanho do município é um pouco superior à área do estado de Alagoas, no Nordeste do Brasil. Isso faz de Humaitá um dos maiores municípios do estado e de sua mesorregião e microrregião.

O município tem 13 bairros, que dividem-se entre seis regionais — Norte, Sul, Leste, Oeste, Noroeste e Sudoeste. O território tinha uma imensa floresta equatorial, mas, devido à intensa exploração de madeira, a animais e à formação de enormes campos para a agricultura e a pecuária, a realidade é outra.

A cidade é coberta pela Floresta Amazônica e ainda apresenta riqueza em espécies animais e vegetais. As principais árvores da região são: castanheiras, seringueiras, pau-rosa, cedro, itaúba, acariquara, curupira, louro e jatobá.

História de Humaitá

Os primeiros habitantes de Humaitá foram os povos indígenas. Eles viviam às margens do Rio Madeira (Parintin, Mura, Arara e Pama), Rio Marmelo (Tenharim) e Rio Maici (Torá). A economia deles era de subsistência, por meio de atividades como caça, pesca, extrativismo e agricultura familiar.

A população considera o comerciante José Francisco Monteiro, um dos primeiros colonizadores, como o fundador de Humaitá. Isso ocorre porque, em maio de 1869, ele instalou-se em um lugar chamado Pasto Grande, que abrigava a Sede da Freguesia de São Francisco, no Rio Preto — região próxima à cidade de Humaitá.

No entanto, enquanto o colonizador buscava riquezas para ficar definitivamente no local, os índios realizavam ataques para proteger a terra. Devido a esses constantes conflitos, a sede da Freguesia foi transferida para o lugar onde hoje está a cidade de Humaitá. A Freguesia, então, ganhou um novo nome: Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Bem de Humaitá.

O decreto de criação da cidade foi feito em 1890, com parte do território desmembrado do município de Manicoré (segundo maior da região). A Comarca de Humaitá veio um ano depois, em 1891, e a elevação à categoria de cidade se deu em 1894. O nome “Humaitá” tem origem indígena, do tupi-guarani, e significa “a pedra agora é negra”: Hu = negro, ma = agora, itá = pedra.

Localização

Atenção para não se confundir: existem dois municípios brasileiros chamados Humaitá, um no Rio Grande do Sul e outro no estado do Amazonas, localizado na região Norte do país. Estamos falando do segundo. Ele pertence à mesorregião do Sul Amazonense e à microrregião do Madeira.

Humaitá faz limite com as cidades Manicoré (norte), Porto Velho e Machadinho d’Oeste (sul) — ambos pertencentes ao estado de Rondônia — e Tapauá e Canutama (oeste). O município também faz divisa com o norte de Rondônia e está no início da Rodovia Transamazônica.

A cidade é banhada pelo Rio Madeira, um dos principais afluentes da bacia do Rio Amazonas, que abastece os estados de Rondônia e do Amazonas. Com extensão aproximada de 3.380 quilômetros, esse é o segundo maior rio da Amazônia (o primeiro é o Rio Amazonas, com 6,4 mil quilômetros) e um dos maiores do mundo.

O rio tem largura variável de 440 metros e 9,9 mil metros, com profundidade que pode chegar a 13 metros, dependendo da estação (seca ou chuvosa). Com tamanha grandiosidade, ele é utilizado como a segunda via de transporte mais importante da Amazônia, atrás apenas do Rio Amazonas. A área navegável é de 1.086 quilômetros, que vai de Porto Velho, Rondônia, até Itacoatiara (Amazonas).

Como chegar

O turista que pretende visitar Humaitá pode escolher entre diferentes meios de transporte: aéreo, terrestre ou fluvial. Dependendo da preferência, é possível fazer um compilado das três formas para ter uma experiência mais completa.

Para quem vai de ônibus ou de carro, o acesso é feito pela Rodovia Transamazônica. (BR-230). Há saídas diárias de ônibus de Porto Velho com destino a Humaitá, e a viagem dura cerca de 3 horas e 30 minutos. De carro, o trajeto é mais rápido — por volta de 2 horas e 30 minutos. Outra opção é pegar uma balsa pelo Rio Madeira a partir de Porto Velho. A distância entre as duas cidades é de, aproximadamente, 204 quilômetros.

Para quem preza por rapidez, conforto e comodidade, a melhor opção é comprar uma passagem aérea com destino ao aeroporto de Humaitá: Aeroporto Francisco Corrêa da Cruz. Ele é um dos 25 aeroportos regionais do Amazonas e fica na beira da Rodovia Transamazônica, a cerca de 6 quilômetros de distância do Centro da cidade. O trajeto pode ser feito de táxi.

Além de facilitar a chegada ao destino, outra vantagem do aeroporto são as tarifas das passagens, com bom custo-benefício para o passageiro. A maioria dos voos faz escala em Manaus ou Porto Velho.

Cultura

A cultura religiosa é muito forte em Humaitá, mas também há espaço para apresentações culturais e outras festas. Uma das mais esperadas é o aniversário da cidade, comemorado no dia 15 de maio. A população reúne-se na Praça Benjamin para assistir à programação cívica e popular, com apresentações folclóricas.

Outro evento que respira cultura é o Festival Folclórico, que acontece durante o mês de junho, começando no dia 28. Como o próprio nome diz, há apresentações de vários grupos folclóricos, retratando as lendas e músicas da cultura popular. O festival acontece no Estádio Frederico Monteiro.

E no fim do ano, de 29 de novembro a 8 de dezembro, há o grande evento religioso: a Festa da Padroeira Nossa Senhora da Conceição. A programação inclui missas, romarias e procissões próximas à Praça Principal.

Clima

O clima é predominantemente quente e úmido, com temperatura média anual de 26º C. Existem apenas duas estações durante o ano. Uma delas, chamada de inverno, é marcada pelas constantes chuvas, que começam em outubro e vão até abril; já o verão é a estação seca, que dura de maio a setembro.

A grande curiosidade do clima local é o fenômeno chamado de “friagem”, que ocorre no meio do ano, provocado pelo deslocamento da massa de ar polar atlântica.

Melhor época do ano para visitar

Essa informação é muito pessoal, porque depende do perfil do viajante, mas, se você deseja aproveitar as praias e refrescar-se, o verão é uma ótima opção. Já para quem gosta do clima mais ameno, o ideal é viajar no meio do ano.

Gastronomia

Por ser um verdadeiro manancial, a culinária local é recheada de pratos preparados com peixes de água doce. Além disso, há várias frutas típicas da floresta amazônica à disposição. Os principais pratos de Humaitá são:

  • tacacá;
  • pato no tucupi;
  • peixe moqueado;
  • matrinxã na brasa;
  • caldeirada de peixe.

E o melhor é que tudo é preparado fresquinho, o que dá um toque especial ao sabor. Se você ainda não conhece esses pratos ou os ingredientes do Amazonas, não sabe o que está perdendo!

Atrações turísticas

Agora que você já sabe onde fica Humaitá, qual a cultura predominante, as características gerais da cidade, os pratos típicos, o clima, a melhor época para visitar e como chegar no destino, chegou a vez de conhecer as atrações turísticas para montar o seu roteiro de viagem. Veja quais são as principais.

Rios

A cidade é banhada por diversos rios; por isso, eles são os principais pontos turísticos. Além do maior e mais famoso Rio Madeira, os afluentes Maici e Marmelos também oferecem uma experiência incrível ao turista. O nascer e o pôr do sol vistos da beira desses mananciais é um espetáculo natural belíssimo. Quem vivencia essa experiência tem uma inesquecível sensação de estar na Amazônia e de pertencer à natureza.

Rio Madeira

O Rio Madeira é um dos maiores do mundo e o terceiro maior do país, ficando atrás apenas do Rio Amazonas e do Rio Paraná. Ele nasce na Cordilheira dos Andes, atravessa a Bolívia e segue pelos estados brasileiros Rondônia e Amazonas, desaguando no Rio Amazonas.

E não é apenas o tamanho que o destaca, ele também banha algumas das regiões mais férteis do país e é fonte de alimento para a população local, que vive da pesca. Além disso, tem um excelente potencial hídrico.

Rio Marmelos

Esse é um rio largo, de águas pretas, afluente da margem esquerda do Rio Madeira. Sua vegetação é composta de floresta tropical. O visual do Rio Marmelos muda bastante de acordo com a época do ano.

Durante a seca, surgem praias de areia branca, intercaladas por blocos de rochas e ilhas. Já no período chuvoso, a água invade a floresta e forma extensos igapós, permitindo apenas a vista da copa das árvores.

Rio Maici

O Rio Maici é formador do Rio Marmelos, cercado de centenas de castanheiras. Seu curso é estreito, e as suas águas são profundas. Um dos seus diferenciais é a ponte que o cruza na Rodovia Transamazônica. Durante o verão, seu volume diminui e formam-se pequenas praias.

Rio Igapé Maiei

Esse é o menor rio da região. Seu diferencial é que ele divide o município de Humaitá do estado de Rondônia.

Praias

O município está 90 metros acima do nível do mar e tem algumas praias:

  • Praia de São Miguel;
  • Praia do Paraíso;
  • Praia do Ipixuna.

Centro Histórico de Humaitá

Como você pôde ver no início do texto, a história de Humaitá é muito marcante. Uma forma de aproximar-se da realidade do passado é visitando o Centro Histórico da cidade. Há vários casarões antigos (1876), com arquitetura admirável. O lugar é um ótimo cenário para fotos.

Igreja Nossa Senhora da Conceição

Outra grande atração do Centro Histórico é a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição. O prédio foi construído no século 19 às margens do Rio Madeira.

No início, ergueu-se uma simples capela que guardava a imagem da Virgem Maria. Aos poucos, o prédio foi ganhando ainda mais valor, e, no ano de 1961, a igreja foi elevada à categoria de catedral. Quatro anos depois, a torre foi modificada para receber um relógio vindo da Itália, doado pela Paróquia de Sincromigno Luca. Atualmente, o templo impressiona tanto por fora quanto por dentro.

Planejamento e roteiro

O humaitaense é muito hospitaleiro e alegre, fazendo questão de receber bem os seus visitantes. Por isso, quando for montar o roteiro, priorize uma época de festividades. Assim, você terá a oportunidade de conhecer de perto a simpatia do povo local.

Coloque no seu orçamento as lembrancinhas e presentes que pode comprar na região, pois as peças de artesanato produzidas em Humaitá são supercharmosas e conquistam qualquer visitante. Os artigos vão desde colares com sementes até bolsas de palha e licores.

Vale a pena conhecer cada um desses detalhes e, se possível, incluir a capital do estado, Manaus, no seu roteiro. São 696 quilômetros de distância entre as duas cidades, e a viagem pode ser feita de avião ou barco — dura 5 dias e reserva belas paisagens no caminho e muita coisa para contar.

Com tanta história, cultura e atrativos turísticos, comprar uma passagem para Humaitá é uma boa ideia. Por ser um destino pouco popular, você vai conhecer a cidade com calma, viver a cultura local de forma mais intensa e trazer belos registros fotográficos. Além disso, pode inserir algum destino da Bolívia no roteiro e deixar a viagem ainda mais produtiva.

Se você gostou de nosso conteúdo sobre essa cidade amazonense, comece logo a pesquisar passagens para Humaitá e a planejar sua viagem! Seja a trabalho, seja a lazer, não há dúvida de que você ficará encantado pela região! Até lá!