A região dos lagos do Rio São Francisco, na qual se localiza a cidade de Paulo Afonso, oferece belezas naturais e uma riqueza cultural pouco explorada pelos turistas que visitam a Bahia. Confira abaixo muitas dicas sobre o destino e de passagem para Paulo Afonso.

Esse é o destino ideal para quem busca paisagens estonteantes e muitas atrações em um destino ainda não invadido pelo turismo de massa. Pense nisto ao programar suas próximas férias: compre uma passagem para Paulo Afonso e surpreenda-se com as atrações do local!

Ainda não se convenceu totalmente? Então, leia nosso artigo até o final, pois vamos mostrar 6 coisas que você deve saber para explorar essa incrível cidade baiana!

1. Aspectos geográficos

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou a população de Paulo Afonso em 117.014 habitantes, em 2018, com densidade demográfica de 68,62 hab/km². É a décima quinta cidade mais populosa da Bahia e apresenta um dos maiores PIBs do estado no setor industrial.

A cidade está situada no extremo norte baiano, no vale do Rio São Francisco, o qual engloba todos os municípios localizados às suas margens. Paulo Afonso abriga um dos maiores parques hidrelétricos de toda a América Latina, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF).

É a porta de entrada para a Região dos Lagos do “Velho Chico”. Parte do território da cidade é circundado por grandes lagos, como o de Moxotó e o de Paulo Afonso, formando uma espécie de ilha.

Sua localização favorece o ecoturismo e o turismo de aventura, com práticas esportivas como canoagem nos lagos da região, bungee jump e trilhas em meio à vegetação da caatinga.

Paulo Afonso está na divisa da Bahia com o estado de Alagoas, a 460 km de distância de Salvador e a 280 km de Aracaju. Suas fronteiras são com as cidades de Delmiro Gouveia, Glória e Santa Brígida.

2. História local

No site da Prefeitura Municipal de Paulo Afonso, ficamos sabendo que a região onde hoje se encontra a cidade começou a ser povoada em meados do século 18, por bandeirantes portugueses que subiram o Rio São Francisco em uma expedição liderada por Garcia D’Ávila.

O nome do município é uma homenagem a Paulo Viveiros Afonso, um sertanista que viveu na região e fundou um arraial que ficou conhecido como Tapera de Paulo Afonso, às margens do Rio São Francisco.

Por conta de sua localização estratégica e abundância de água, o local se tornou ponto de pouso de bandeirantes que exploravam a região. Isso fez com que a cidade se desenvolvesse rapidamente, devido às demandas dos viajantes do sertão.

O núcleo urbano já era expressivo em 1948, quando a hidrelétrica foi construída na cachoeira Paulo Afonso. A cidade cresceu em torno da usina, alcançando sua emancipação política e administrativa no dia 28 de julho de 1958.

3. Informações para planejar a viagem

Quem viaja por terra pode alcançar a cidade pelas rodovias BR-110 e BA-210, além da 423, com ligação até Pernambuco. Também existem outras estradas regionais. Quem compra passagem aérea para Paulo Afonso aterrissa no aeroporto que serve à microrregião, construído em 1972, que fica a apenas 5 km de distância da cidade.

O município fica no sertão baiano e apresenta clima semiárido e temperaturas médias anuais de 30 ºC, mas que podem alcançar 40 ºC nos meses mais quentes do ano. Em julho, no inverno, as temperaturas médias ficam em torno de 22 ºC.

A cidade conta com uma ótima estrutura turística, com hotéis e pousadas, além de bares e restaurantes, servindo culinária típica regional e outras variedades também. Vamos falar mais sobre a gastronomia local mais adiante no artigo.

4. Atrações em meio à natureza

Agora, é o momento de saber que coisas fazer por lá, depois de comprar a passagem para Paulo Afonso e aterrissar no sertão baiano.

Localizada no Vale do São Francisco, a cidade de Paulo Afonso é rica em belezas naturais, o que atrai muitos turistas interessados em atividades em meio à natureza.

A vegetação de caatinga apresenta plantas típicas, como o cacto mandacaru, a braúna, o jatobá, o juazeiro e o umbuzeiro. Passear ao ar livre será uma atividade prazerosa e também proveitosa para conhecer um pouco mais sobre a vegetação típica da região.

A grande atração local, no entanto, é o Rio São Francisco, ou “Velho Chico”, como é carinhosamente chamado pela população.

A seguir, vamos mostrar a você algumas das belezas naturais que os visitantes podem encontrar nos arredores de Paulo Afonso.

Cânions do São Francisco

Navegar em um catamarã pelas águas verdes do “Velho Chico” para explorar seus cânions é uma experiência que ficará na memória. Quando se trata de ecoturismo, o passeio pelas águas calmas do rio, entre os impressionantes paredões das margens, está na lista dos melhores do país.

O famoso Cânion do Xingó, cenário de filmes e novelas, fica a 90 km de Paulo Afonso. Você vai até Canindé ou Piranhas e, de lá, embarca nos catamarãs que levam os visitantes a deslizar pelas águas do rio. Veja os pontos altos do passeio:

  • Paraíso do Talhado, o ponto mais estreito do cânion, já no lado alagoano;
  • Grota de Angicos;
  • Trilha para o local da emboscada a Lampião e Maria Bonita;
  • Sítios arqueológicos com inscrições rupestres da Fazenda Mundo Novo;
  • Mirante do Talhado;
  • Hidrelétrica de Xingó.

Cachoeira de Paulo Afonso

A famosa cachoeira é, na verdade, constituída por várias quedas d’água que descem pelas rochas em forma de degraus, formando um espetáculo de espumas brancas desabando de uma altura aproximada de 80 metros.

A força das águas da cachoeira alimenta as usinas do complexo hidrelétrico, com capacidade para gerar 4.279,60 MWh de energia elétrica.

Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso

Em sua passagem pela cidade, certamente não poderá faltar uma visita a um dos maiores parques hidrelétricos da América Latina, o impressionante Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso.

As visitas são gratuitas e acompanhadas por guias credenciados que contarão toda a história do lugar e da construção do complexo, sempre prontos a responder todas as perguntas dos visitantes.

Raso da Catarina

Esse é o curioso nome de uma reserva ecológica que se estende por 6.400 km² cobertos de vegetação típica da caatinga, onde se encontram bromélias, coroas-de-frade, facheiros, jatobás, juazeiros, mandacarus, umbuzeiros e uma imensidade de outras espécies vegetais.

O Raso da Catarina apresenta impressionantes formações rochosas e é também reserva indígena, abrigando famílias de etnia Pankararé. As visitas são guiadas e precisam ser reservadas com antecedência.

Serra do Umbuzeiro

Quem gosta de fazer trilhas vai apreciar a caminhada na caatinga até o Cruzeiro, o ponto mais elevado da Serra do Umbuzeiro. A elevação tem uma altitude de 536 metros e propicia uma impressionante vista panorâmica da região. Você vai encontrar grutas e belas formações rochosas, além de antigas pinturas rupestres.

Situa-se no povoado chamado Riacho, a 20 km de distância da cidade de Paulo Afonso, seguindo a rodovia BR-110.

Ponte Dom Pedro II

A estrutura metálica fica na BR-110 e liga os estados da Bahia e de Alagoas. Foi construída na década de 1950, sobre o cânion do Rio São Francisco.

Os corajosos praticantes de esportes radicais, como o bungee jump e o rapel, gostavam de saltar da ponte, mas a atividade não é mais permitida, a não ser com autorização prévia do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Rota do Cangaço e Museu Casa de Maria Bonita

Durante sua passagem por Paulo Afonso, outra visita curiosa será a uma casinha de pau a pique, situada a 38 km de distância do centro urbano, em um local chamado Malhada dos Caiçaras.

A pequena casa-museu na zona rural foi, simplesmente, o lugar onde nasceu e cresceu uma personagem da história do cangaço chamada Maria Gomes de Oliveira, mais conhecida como Maria Bonita, a companheira de Lampião.

A casa é uma das atrações da rota do cangaço, uma caminhada que segue os passos dos cangaceiros pelo sertão até o local onde o bando de Lampião foi morto pela polícia da época.

5. Pontos turísticos urbanos de Paulo Afonso

Sua passagem pelo destino baiano continuará levando a muitas atrações também na zona urbana da cidade, que é bonita e bem-cuidada. O calçadão da avenida Getúlio Vargas, por exemplo, oferece muitos bares, restaurantes e lojas de produtos artesanais, como peças em crochê ou tecidas em teares manuais, como colchas, redes e tapetes.

Agora, vamos continuar nossa lista de coisas para fazer em Paulo Afonso, mas levando você para as atrações do espaço urbano. Anote as dicas!

Igreja de São Francisco

No alto de uma colina, a construção da igreja data de 1949, com estrutura em pedras da região.

O pequenino templo comporta 60 pessoas em seu interior. A arquitetura é singular e muito bonita, tornando a igreja muito fotogênica. Aproveite, pois o local rende boas fotos. A localização central oferece facilidade de acesso e estacionamento.

Praça das Mangueiras

Um belo jardim bem no centro da cidade, com lago, fonte luminosa, parque infantil e uma iluminação especial, a praça é um dos pontos favoritos das famílias locais. Foi construída nos anos 1940 e é bem arborizada e rodeada de bares e restaurantes. Um oásis de paz e frescor nos dias quentes de verão. No Natal, recebe uma bela decoração natalina.

Lago do Capuxu

Outro ótimo destino para um passeio no final da tarde, o lago ocupa uma área de cerca de 15 mil m². O lugar é cercado de belas árvores, como algarobeiras, amendoeiras, caraibeiras, goiabeiras, mangueiras, tamarineiras e muitas outras.

No entorno, há boas opções para almoçar, fazer um lanche ou tomar um sorvete. Fica na Rua da Bela Vista, em Alves de Souza.

Memorial CHESF

Em uma área de 5.950 m², o memorial patrocinado pela Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF) abriga um acervo de equipamentos, fotografias e documentos que narram a história das hidrelétricas da região. Conta, ainda, com auditório para 150 pessoas, biblioteca e sala de exposições.

Monumento do Trabalhador

É uma homenagem aos trabalhadores que construíram a infraestrutura hídrica para o complexo hidrelétrico considerado um dos maiores da América Latina. Foi inaugurado em 1º de maio de 1960.

Fica na praça Primeiro de Maio, na avenida Getúlio Vargas. Você encontrará bares e lanchonetes nas redondezas.

Parque Belvedere

Um recanto agradável, que convida a um passeio romântico ou em família para tomar um gostoso caldo de cana. Assim é este parque que a população pauloafonsina ama e que o visitante também vai apreciar.

O Belvedere está em uma região nobre de Paulo Afonso e oferece belos jardins com vista para o complexo hidrelétrico. É, também, palco de eventos, shows e celebrações religiosas.

O touro e a sucuri

Essa curiosa escultura remete, simbolicamente, ao desvio do curso do Rio São Francisco pelo homem, para tirar proveito de suas cachoeiras. O touro seria a representação da força e da beleza do rio, enquanto a sucuri aparece como o símbolo do ciência humana que domina a natureza.

O monumento é a interpretação do escultor para os versos do poema de Castro Alves:

“Assim dir-se-ia que a caudal gigante

Larga sucuruiaba do infinito

Co’as escamas das ondas coruscantes

Ferrara o negro touro de granito!

Horrido, insano, triste, lacerante

Sobe do abismo um pavoroso grito…

E a medonha a suar a rocha brava

As pontas negras na serpente crava!”

A obra fica na Avenida das Algarobas, no caminho para o Parque Belvedere.

Os eventos

São tantas coisas para fazer na cidade e ainda nem falamos dos eventos que vão fazer sua passagem para Paulo Afonso valer mais a pena. Veja alguns dos principais:

  • Festa de São João: acontece no mês de junho, com shows musicais, danças juninas e gostosa comida típica;
  • Copa Vela: no mês de setembro, o campeonato de vela que atrai esportistas competidores do Brasil e do mundo acontece no balneário Encantos Mil, na prainha às margens do São Francisco;
  • Moto Energia: encontro de motociclistas que desfilam suas máquinas pelas ruas, em um dos maiores eventos do gênero no Nordeste;
  • Celebrai: evento gospel que atrai evangélicos de todo o país, celebrado em data móvel (informe-se com antecedência).

6. Gastronomia regional

Essa é uma das coisas mais gostosas para fazer na região: descobrir a comida local. A exótica culinária nordestina pode ser saboreada em vários restaurantes da cidade. Veja o que você pode provar:

  • Buchada: os miúdos do boi ou do bode são cozidos dentro do estômago (ou bucho) do animal;
  • Sarapatel: prato preparado com vísceras de porco ou cabrito, semelhante à buchada;
  • Rabada: de origem portuguesa, o prato é um cozido de legumes com o rabo do boi;
  • Bode assado: churrasco de carne de bode;
  • Galinha de capoeira: também conhecida como galinha caipira, é cozida com caldo e legumes, servida com angu e arroz;
  • Tilápia: peixe de água doce cuja produção é grande na região, a tilápia é muito apreciada quando preparada frita e servida com farofa;
  • Moqueca: ensopado de tilápia, semelhante à moqueca de outras regiões litorâneas;
  • Doce de umbu: um dos frutos símbolos da caatinga, o umbu é usado em deliciosas geléias e compotas.

Foi ótimo descobrir que vale muito a pena comprar uma passagem para Paulo Afonso e ter tantas coisas para fazer por lá, não é mesmo? Esperamos que nosso artigo tenha sido útil para convencer você de uma vez por todas a passar suas próximas férias com os pauloafonsinos.

Passagem para Paulo Afonso

E agora que você já conhece tudo sobre o destino, só falta entrar no site da Azul e reservar o seu voo para a Bahia. Aproveite a viagem!