Salvador é uma das cidades mais antigas do Brasil e sua história se confunde com a própria história do país. A capital da Bahia já foi também a primeira capital brasileira, entre os anos de 1549 e 1763, durante o período colonial.

Hoje, Salvador é um dos destinos mais procurados por visitantes nacionais e estrangeiros, que são atraídos pelos diversos pontos de interesse histórico e cultural, pelas belezas naturais, pelo povo receptivo e festeiro, pela gastronomia única e por tantos outros encantos.

O que não falta na capital baiana são lugares para conhecer. Pensando nisso, preparamos uma lista com dez pontos turísticos de Salvador que você não deve deixar de incluir no seu roteiro quando for passear por lá. As belas praias e construções históricas são só uma parte dessa cidade que ainda revela uma diversidade de ritmos, raças e credos.

Isso sem falar no clima tropical da região, predominantemente quente, com temperaturas que podem passar dos 35ºC no verão. Já está imaginando a sua viagem para Salvador? Então confira nossas sugestões de atrativos e comece logo a fazer as malas!

1. Elevador Lacerda

Um dos cartões-postais e símbolos de Salvador, o Elevador Lacerda oferece uma vista panorâmica da Baía de Todos os Santos e do Mercado Modelo, outro importante ponto turístico. Construído pelo engenheiro Augusto Frederico de Lacerda e inaugurado em 1873, foi o primeiro elevador urbano do mundo.

É utilizado até hoje como meio de transporte entre as duas partes da capital, unindo a Praça Tomé de Sousa (na Cidade Alta) e a Praça Cairu, no bairro do Comércio (Cidade Baixa), em um trajeto que dura cerca de 30 segundos!

Ele mede 72 metros de altura e é composto por quatro cabines eletrificadas (que comportam 32 passageiros cada uma), divididas em duas torres. Desde 2006, é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

2. Farol da Barra

O Farol de Santo Antônio, mais conhecido pelo nome de “Farol da Barra”, é outro importante marco de Salvador, pois foi o primeiro a ser construído no Brasil, no século XVII. A torre de 22 metros de altura tinha o objetivo de guiar as embarcações, porque na época a cidade era um grande ponto de comércio entre o Brasil e o exterior. Sua luz, que é ligada diariamente pelo faroleiro, pode ser vista à distância de 60 quilômetros.

Você pode passear pela orla e admirar a beleza da construção e também aproveitar para visitar o Museu Náutico da Bahia, que fica dentro do Forte de Santo Antônio da Barra (a edificação militar brasileira mais antiga, datada de 1534). O Museu apresenta uma mostra permanente de aspectos geográficos, históricos, antropológicos e culturais da Baía de Todos os Santos.

​O Museu Náutico fica aberto para visitação de terça a domingo, das 9h às 18h, mas em janeiro e em julho ele funciona todos os dias. Os ingressos custam R$ 15,00 a inteira. Estudantes, professores e idosos têm meia entrada (R$ 7,50), grupos escolares pagam R$ 6,50 por aluno e menores de sete anos e deficientes físicos têm direito à gratuidade. Mais informações em (71) 3264-3296.

O Farol também é um dos melhores pontos da capital baiana para assistir a um belo pôr do sol. Toda a paisagem favorece a visita: o mar alterna tons de verde e azul, a praia é linda e limpa e, após uma reforma, o local ganhou um calçadão, bancos e um espaço de lazer.

3. Pelourinho

Não dá para conhecer Salvador sem passar pelo famoso Pelourinho. Localizado na chamada Cidade Alta, o bairro é considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, com seus mais de 800 casarões construídos nos séculos XVII e XVIII, em estilo colonial barroco. O nome “Pelourinho” se refere às colunas de pedra que antigamente eram instaladas nas praças públicas e serviam para penalizar os escravos.

Uma caminhada sem pressa pelas vielas, ladeiras e largos do lugar é um mergulho na história local. No caminho, encontram-se igrejas, museus, cafés, bares e lojas. O Pelourinho, ou simplesmente Pelô, vale um passeio tanto durante o dia quanto à noite, quando o movimento aumenta nos bares e restaurantes. A região também é palco de importantes eventos culturais e musicais que reúnem milhares de pessoas.

4. Igreja de São Francisco

Ainda no Pelourinho, entre os destaques estão a Igreja e o Convento de São Francisco, decorados com ouro. As construções datam também dos séculos XVII e XVIII e são consideradas algumas das mais ricas expressões do barroco brasileiro — além de serem tombadas pelo IPHAN.

Entre os belíssimos detalhes da igreja, estão os painéis de azulejos portugueses na fachada (uma reprodução do nascimento de São Francisco) e, no interior, talhas de madeira com folhas, pelicanos, flores e anjinhos. O visual desse templo católico é simplesmente incrível e vale uma visita, mesmo para quem não é religioso.

5. Igreja do Senhor do Bonfim

É a igreja mais tradicional de Salvador e está entre as mais famosas do Brasil. Um dos símbolos do local são as fitinhas do Senhor do Bonfim que ficam nas grades da igreja. O costume dos fiéis manda amarrar uma fita no pulso, dando três nós e fazendo um pedido para a cada um deles.

Também na Igreja do Senhor do Bonfim acontece uma típica comemoração da cidade: a “lavagem do Bonfim”, realizada todo ano. Funciona assim: enquanto os blocos de afoxé tocam, algumas baianas lavam as escadarias do templo religioso. Muitos baianos e turistas vão até o local para pedir a benção ao nosso Senhor do Bonfim.

A igreja foi erguida na Colina Sagrada no século XVIII para abrigar a imagem do Senhor Bom Jesus do Bonfim, trazida de Lisboa. A construção seguiu o estilo neoclássico no interior, enquanto a fachada foi revestida com azulejos de Portugal.

6. Mercado Modelo

Quando foi inaugurado, em dezembro de 1912, o Mercado Modelo focava na comercialização de gêneros alimentícios. Com a venda de carnes, aves, peixes, frutas, verduras, farinhas, pimentas, camarões, charutos e cachaças de alambiques vindas de toda a Bahia, o local se tornou o principal centro de abastecimento de Salvador.

Em 1969, quase seis décadas depois de abrir as portas, o prédio que abrigava o Mercado (situado entre a Casa da Alfândega e a Escola de Aprendizes de Marinheiro) ficou completamente destruído depois de ser atingido por um incêndio.

Depois disso, em 1971, ele foi transferido para a Casa da Alfândega, um imponente edifício tombado pelo IPHAN em 1966 que preserva formas neoclássicas da segunda metade do século XIX e uma planta quadrada com uma construção circular ao fundo.

Com essa alteração, o Mercado Modelo também passou por uma mudança de perfil e hoje é considerado o maior Shopping de Artesanato do Brasil, com uma enorme quantidade de lojas que oferecem todo tipo de artesanato e produtos característicos do estado.

O Mercado funciona de segunda a sexta, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 14h. O endereço é Praça Visconde de Cairu, Cidade Baixa.

7. Fundação Casa de Jorge Amado

A memória e o trabalho do grande romancista baiano Jorge Amado (1912–2001), bem como da esposa dele, Zélia Gattai, estão preservados na Fundação Casa de Jorge Amado. Inaugurado em 7 de março de 1987 em uma casa colonial do século XIX, no Largo do Pelourinho, o espaço também tem como objetivo estudar e difundir a obra do escritor.

Nos quatro andares da Casa, o visitante pode ver:

  • uma exposição permanente do acervo do autor com diversas edições dos romances que ele escreveu, com traduções em 49 idiomas;
  • fotografias, vídeos, cartazes e objetos que se relacionam com o autor e sua obra;
  • cartas, manuscritos e documentos diversos, que ficam à disposição de pesquisadores e estudiosos.

A casa fica na rua das Portas do Carmo, 49/51 no Largo do Pelourinho, e fica aberta de segunda a sexta-feira das 10h às 18h. Aos sábados e domingos, o horário é das 10h às 16h. Se quiser outras informações sobre visitas, basta utilizar os números (71) 3321-0070 / 0122.

8. Forte de Monte Serrat

O Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, que também já foi conhecido como Fortaleza de São Felipe, costuma atrair muitos espectadores para ver o sol se pôr contemplando a Baía de Todos os Santos.

Foi construído entre os anos de 1538 a 1587 e reformado alguns anos depois, em 1602, para se tornar mais seguro. Tem seis torres, que antigamente permitiam avistar os inimigos e o poço de abastecimento de água. Em 1638, o local foi ocupado pelos holandeses e abrigou o príncipe Maurício de Nassau.

Hoje em dia, o Forte é administrado pelo Ministério da Marinha e lá funciona o Museu das Armas, que guarda vários armamentos históricos da Bahia. O espaço funciona diariamente das 9h às 17h (exceto em feriados). O endereço é avenida Santa Rita Durão, s/n°, Monte Serrat, e o telefone para contato é (71) 313-7339.

9. Praias

9.1 Praia da Barra

A Praia da Barra (ou Porto da Barra) é frequentada por moradores de Salvador e turistas que gostam de passar o dia com o pé na areia, comendo e bebendo entre um mergulho e outro. Com águas quentes e calmas, é uma ótima opção para quem quer viajar com crianças.

É a praia mais próxima do centro da cidade e fica bastante cheia nos fins de semana. Por isso, se você quiser tranquilidade, vale a pena ir durante a semana. Também é indicada para a prática de esportes náuticos, como o windsurf.

9.2 Praia da Ribeira

Banhada pela Baía de Todos os Santos, cercada de casarões coloniais e ilhas e com águas calmas, a Praia da Ribeira tem um ar de boemia e muito charme. Localizada na Cidade Baixa, pode ser acessada facilmente por uma avenida construída na orla.

No local também são vistas várias embarcações que se encontram no ancoradouro. Com boa infraestrutura de mesas, sombrinhas, bares e restaurantes, ela costuma ficar lotada aos sábados e domingos.

9.3 Praia de Itapuã

Essa é uma das praias preferidas dos soteropolitanos. Os visitantes são atraídos por seu calçadão com pedrarias e coqueiros que podem ser vistos em toda a orla, a estátua da Sereia de Itapuã e o mar calmo de águas verdes.

O nome Itapuã significa “pedra redonda” em tupi-guarani. Em alguns pontos, existem grandes pedras que formam pequenas piscinas naturais. O local conta também com barracas e quiosques em diversos pontos.

9.4 Praia do Flamengo

É o refúgio de quem procura sossego, brisa do mar no rosto e águas mornas. Apesar de estar distante cerca de 30 quilômetros da região central de Salvador, a Praia do Flamengo conta com uma excelente infraestrutura de barracas.

O belo cenário é formado por pequenas dunas e coqueiros. Já o mar é mais agitado, com ondas grandes, o que favorece a prática de esportes como mergulho e surf. Também conta com vários hotéis, pousadas e casas para alugar nos arredores.

10. Baía de Todos os Santos

Essa famosa baía foi encontrada por Américo Vespúcio em 1º de novembro do ano de 1501. Ela é a maior da costa brasileira e a segunda maior do mundo. Recebeu esse nome porque, no dia em que foi avistada (1/11), celebra-se o Dia de Todos os Santos.

Desde a chegada dos portugueses ao Brasil até hoje em dia, a grande dimensão da baía encanta quem passa por lá. Sua extensão é de 1.052 km², com 42 metros de profundidade.

As águas cristalinas e tranquilas, os corais, os manguezais e a Mata Atlântica são elementos imperdíveis dessa paisagem. A Baía de Todos os Santos é formada, ao todo, por 56 ilhas que se espalham por sua grande extensão, como: Ilha de Itaparica, Ilha Madre de Deus, Ilha de Maré, Ilha dos Frades, entre outras.

Gostou de conhecer um pouco melhor as atrações da capital baiana? E essas são apenas algumas das surpresas que a cidade oferece para seus visitantes, deixando todo mundo com vontade de voltar.

Mas certamente essa lista de dez pontos turísticos de Salvador vai ajudar você a montar um ótimo roteiro. Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e mostre também para os seus amigos tudo que a Bahia tem de bom!