A forma como você se veste comunica o seu estilo e pode acabar apresentando você antes mesmo de dizer uma palavra sequer. Isso também acontece em povos e culturas inteiras. As roupas típicas utilizadas em um país são um reflexo dos seus princípios, crenças e até mesmo valores.

Apesar de, em alguns lugares, esses trajes não serem utilizados o tempo todo, em outros, eles fazem parte do dia a dia das pessoas. Por isso, é interessante conhecer sobre eles antes mesmo de chegar ao seu destino. Afinal, essa também é uma maneira de mergulhar em um determinado país.

Fique conosco e descubra o que algumas roupas típicas ensinam sobre a história e a cultura dos seus países. Aproveite a leitura!

Entenda como a moda de um país pode esclarecer a cultura local

Você já parou para pensar no porquê de algumas pessoas cobrirem completamente o corpo para andarem na rua enquanto outras saem tranquilamente de biquíni? Ou por que em alguns lugares os homens usam saia e em outros isso pode virar motivo de chacota? A maneira como as pessoas se vestem tem muito a ver com a cultura do local onde elas vivem.

As pessoas são influenciadas por aquilo que vivem diariamente, seja sua religião, os lugares que frequentam, aqueles com quem convivem. Além disso, a crença de um povo é carregada de simbologias, assim como os seus momentos históricos. A construção da moda de um país acontece de acordo com esses recortes culturais e pode assumir diferenças regionais.

A moda de um país acaba sendo o resultado da sua forma de expressar tudo aquilo que ele é ou no que acredita. É por isso que em alguns lugares as pessoas honram seus antepassados revisitando as roupas que eles vestiam ou se trajam com determinada peça que indica sua classe social, por exemplo.

Com o tempo, as roupas típicas são tão disseminadas que você se torna capaz de identificar a nacionalidade de alguém só pela forma como se veste. No entanto, é importante lembrar que não se trata só das roupas: as pessoas vestem a história e a cultura do país onde vivem.

Conheça algumas roupas típicas e a história por trás dos trajes

Dependendo do tipo de turismo que você pretende fazer, o melhor mesmo é se jogar de cabeça na cultura local. Por isso, é importante conhecer mais sobre o seu país de destino antes de chegar. Você quer conhecer a história por trás de alguns trajes? Então, vamos lá!

China

Na China, por volta de 1920, em Shanghai, foi criado um tipo de vestido chinês que distinguia as mulheres de alta classe das demais, o chamado qipao ou cheongsam. Essa vestimenta era tão importante na cultura chinesa que não usá-la ou usá-la de maneira inadequada podia resultar em uma pena de morte.

Até hoje é um símbolo de elegância no país. No seu design constam uma gola diagonal e um corte mais justo. A peça teve influências do ocidente, vindas do jazz e do art déco. O qipao é considerado um traje único, ou seja, dispensa o uso de acessórios.

Qual destino combina mais com você?Powered by Rock Convert

Alemanha

Na Alemanha, homens e mulheres têm roupas típicas que utilizam, principalmente, em festas e comemorações da cultura germânica. Elas são inspiradas nas vestes de camponeses que viviam nos Alpes há algum tempo, porém, hoje, são peça-chave da história do país.

O traje feminino, chamado de dirndl, é composto por um corpete com babados no decote, uma camisa com um avental, muitas vezes xadrez, e uma saia. O masculino, lederhosen, conta com calças de couro que ficam acima do joelho, meias altas, suspensórios e um chapéu com pena.

Escócia

Ninguém sabe ao certo de onde vem, mas a peça mais conhecida do vestuário escocês são as kilts, as famosas saias xadrez utilizadas pelos homens. Elas são feitas de lã, protegendo tanto contra o frio como contra a umidade, o que as tornou perfeitas para os montanheses e fez com que elas sobrevivessem na cultura escocesa até hoje.

Há algum tempo, os clãs podiam se reconhecer apenas pelo padrão do xadrez do tecido. Houve uma época em que os moradores das planícies, que usavam calças, até chegaram a considerar o uso das kilts como barbarismo. No entanto, não foi o suficiente para extinguir o traje, que atualmente é comum na moda escocesa.

Japão

Se engana quem pensa que quimono é apenas aquilo que se usa em um tatame. Nesse caso, trata-se de um roupão colorido e alongado, amarrado por um cinto (obi) acima da cintura. Com ele, utilizam-se as tradicionais sandálias japonesas de madeira, a geta.

O quimono é a peça mais tradicional das vestimentas japonesas. Ele é usado principalmente em eventos extremamente formais e comemorações como casamentos, festivais e as cerimônias de chá. Curiosamente, a tradução literal do traje é “coisa para vestir”.

Egito

O Egito é uma fonte de inspiração para a moda de muitos outros países. Não é para menos, já que seus trajes típicos são dotados de bons tecidos e caimentos que podem fazer sucesso em diversos outros locais pelo mundo. Culturalmente, entre suas roupas típicas mais importantes e ainda atuais no cotidiano egípcio estão o niqab, o hijab e o véu. Certamente você encontrará muitos deles pelas ruas.

Em cidades menores do país, assim como nos povoados, as mulheres ainda mantêm o hábito de utilizar as abaias ou galabeyas, que são um vestido preto de mangas longas, mais tradicional e conservador. Em alguns locais pode até ser comum vestir burka. Mas nada disso é obrigatório para quem visita o Egito. Para não desrespeitar a cultura local, basta evitar roupas muito justas, decotadas ou excessivamente curtas.

Saiba por que você deve conhecer as roupas típicas dos países que visita

As roupas típicas geralmente não têm sua história divulgada e, por isso, podem ser vistas como “banais” para quem chega de fora. No entanto, elas carregam a história de todo um povo, e conhecer isso eleva a sua experiência como turista, além de contribuir para um aprendizado muito importante: o respeito por diferentes origens, culturas e tradições.

Em alguns países, os moradores locais podem preferir que os turistas se vistam de acordo com os seus costumes. Mas é preciso ter cuidado e sempre pesquisar antes, afinal, em outros, isso pode ser visto de uma forma negativa, como apropriação cultural e desrespeito.

Agora que você já conhece algumas roupas típicas, que tal aprender mais sobre turismo regional? Conheça essa modalidade que ajuda as comunidades locais!