O Brasil é conhecido por suas belas praias, cenários paradisíacos e o clima tropical. Não se pode negar que boa parte dos turistas internacionais, de fato, vem até aqui buscando conhecer essa parte — mas o país não se resume a isso, pelo contrário. O sul brasileiro é um excelente destino para quem procura conforto, cultura e, claro, uma temperatura mais amena.

As particularidades da Serra Gaúcha estão espalhadas por toda a região Sul, representando bem mais que as famosas cidades de Gramado e Canela. Se deseja saber mais sobre o território e planejar em breve uma visita, atente aos tópicos abaixo.

História da Serra Gaúcha

Geralmente, os sulistas têm um biotipo diferente de outras partes do Brasil. Cabelos loiros, olhos esverdeados ou azuis e pele clara são mais comuns por lá. Isso se deve ao processo de colonização, que se deu durante o século XIX, por europeus, com destaque para os italianos, poloneses e alemães — também há registro da presença de húngaros e austríacos.

Na época, os imigrantes começaram a estabelecer a economia local por meio da agropecuária, com destaque para a uva e o vinho — o que, até hoje, atrai visitantes para as cidades. Geograficamente, a serra abrange os municípios: Antônio Prado, Bento Gonçalves, Bom Jesus, Canela, Carlos Barbosa, Cotiporã, Caxias do Sul, Dois Lajeados, Farroupilha, Flores da Cunha, Guaporé, Gramado, Nova Petrópolis, Nova Roma do Sul, entre outros.

Clima da Serra Gaúcha

Além de oferecer o clima mais ameno entre todas as regiões brasileiras, o sul — e em especial, a Serra Gaúcha, apresenta as quatro estações do ano bem definidas: no outono, a temperatura costuma ser mais baixa durante a noite e ao amanhecer, considerando que trata-se da transição do verão para o inverno.

A alta temporada acontece no inverno, entre os meses de julho e agosto, quando pode até nevar na região. O frio é mais intenso e, geralmente, é uma das épocas mais procuradas pelos turistas. O calor começa a aparecer na primavera, quando os dias são mais curtos (às vezes, anoitece antes das 18h). As ruas ficam mais floridas e se tornam um ponto turístico à parte. A temperatura varia entre 16ºC e 20ºC.

No Verão, o clima continua ameno, embora chegue até 25ºC, o que ainda é considerado baixo, ao avaliar outras cidades do Rio Grande do Sul, como Porto Alegre. A época é ideal, por permitir mais passeios ao ar livre, para conhecer a cidade e visitar os pontos turísticos, principalmente os naturais.

Culinária da Serra Gaúcha

Um dos destaques da gastronomia gaúcha é o vinho. Antes, fabricado apenas para consumo familiar, os italianos aumentaram sua distribuição e, atualmente, é um dos carros-chefes da cozinha e economia sulista, reconhecido como um dos melhores do país.

Não se visita a Serra Gaúcha sem provar de sua culinária ou passar por uma chocolataria ou um café, o que também se deve a sua colonização. Mas, para além disso, lá é possível se deliciar com algumas delícias que você pode conferir logo abaixo.

Fondue

De origem suíça, ele é feito à base de queijo (geralmente, o emmenthal ou o gruyére) — embora sua popularização tenha incrementado a lista de ingredientes, podendo ser feito com chocolate, carne etc. É facilmente encontrado nos restaurantes e cafés de Gramado.

Arroz carreteiro

Presente não só nos pratos da serra, o arroz carreteiro se espalhou pelo Brasil e pode ser encontrado em diversos restaurantes de comida regional, principalmente em Minas Gerais e Goiás. Ele é feito com charque (ou carne do sol) e linguiça picadas, temperado com pimenta. Para acompanhar, a pedida é um vinagrete.

Churrasco

As carnes também fazem parte do cardápio tradicional do sul. Não faltam opções gastronômicas especializadas. A carne de cordeiro e a costela de boi são as mais famosas e solicitadas, acompanhadas de arroz carreteiro, feijão e farinha de mandioca.

Chocolate

O frio da Serra Gaúcha não dispensa um bom chocolate quente. Por isso, aliado à sua qualidade, o chocolate é uma das comidas típicas de lá e sempre está nos pedidos e malas dos turistas, no retorno para casa. Artesanal, o doce pode vir acompanhado de outros sabores, como: pistache, cranberry e licor.

Cuca

De origem alemã, o Cuca é um pão doce, que pode ser feito com banana, maçã ou abacaxi e, de tão tradicional, já tem até uma festa que leva seu nome, em Santa Cruz do Sul. Para acompanhar, muitos optam pelo prato mais tradicional de todos: o chimarrão.

Chimarrão

Também conhecido como mate, a bebida mais associada ao Sul do Brasil é fabricada com erva-mate moída e água, numa temperatura de 70ºC. Ela possui propriedades antioxidantes, ajuda a prevenir doenças e é pauta de um projeto para se tornar patrimônio imaterial do país. Numa visita à Serra Gaúcha, é indispensável provar a iguaria.

Festas tradicionais da Serra Gaúcha

A colonização variada rendeu à região diversas particularidades culturais e grande parte delas se apresenta durante as festividades. Conheça um pouco sobre a programação cultural de algumas cidades da Serra Gaúcha.

Festival de cinema de Gramado

O festival acontece há quase 50 anos e se consagrou como o de maior importância nacionalmente. Sua lista de atrações inclui curtas e longas-metragens e convida personalidades com relevância nacional e internacional. Hoje, também representa um palco de debate, que conta com a presença de artistas, estudantes, imprensa e o próprio público. O kikito — o “Oscar” do festival — já foi concedido a diversas personalidades, como Marieta Severo, José Wilker e Pedro Almodóvar.

Festiqueijo

Tradicional na cidade de Carlos Barbosa, o evento já é comum há 30 anos e, geralmente, é marcado no mês de julho. Além de, como seu nome já supõe, ofertar inúmeras opções de queijo para degustação, a festividade também traz atrações locais e nacionais para incrementar sua agenda.

Festival colonial de Canela

Igualmente tradicional em outras cidades como Gramado e Bento Gonçalves, Canela conta com um festival colonial no qual a programação é focada na cultura dos imigrantes que colonizaram o local. Nesse caso, os pratos típicos e decoração se inspiram nas culturas alemã e italiana.

Na festa, que conta com a presença de centenas de turistas, há comercialização de artesanato, como objetos de crochê e tricô, bolsas e acessórios; apresentações artísticas e muitas opções de comida.

Vindima: festa da colheita

Para quem gosta de provar um bom vinho, o verão é a melhor época para visitar a Serra Gaúcha. Isso, porque, no período de janeiro a março, acontece a Vindima, período de colheita das uvas. Há festividades em diversas cidades, como Bento Gonçalves, Garibaldi e Flores da Cunha.

Em Garibaldi, ocorre a “Estrada do Sabor”, na qual é possível participar do processo de fabricação dos vinhos. Os organizadores, geralmente, são os proprietários das vinícolas da região, que aproveitam a intensidade do turismo. Em Pinto Bandeira, próximo a Bento Gonçalves, tem a “Terroir Geisse”, atração na qual o visitante percorre os vinhedos e seus arredores, conhecendo, no caminho, todo os detalhes sobre o preparo da bebida.

Natal Luz de Gramado

Um dos mais tradicionais do Brasil, o evento traz, a cada edição, milhões de turistas à cidade de Gramado para conhecer o espetáculo. A programação é bastante variada — são mais de 500 opções, para todos os bolsos. A ideia começou em 1986, quando o prefeito do município quis intensificar o turismo na região durante o mês de dezembro.

O que iniciou com alguns artigos de decoração e trilha sonora natalina transformou Gramado em uma das cidades turísticas mais importantes do Brasil e mais visitadas no Natal. Na lista de atrações, há shows de acendimento de luzes, desfiles temáticos e muitas outras opções.

Cidades turísticas da Serra Gaúcha

Apesar de toda a região apresentar excelentes opções de lazer e turismo, algumas cidades merecem destaque na Serra Gaúcha. Conheça algumas delas a seguir.

Nova Petrópolis

A 92 km de Porto Alegre, a cidade é típica de serra: a calmaria é o que mais atrai turistas. Ela faz parte da rota romântica, um percurso que se inicia na BR-116 e passa por 16 municípios gaúchos, com paisagens de tirar o fôlego. Conhecida como a cidade da malha, Nova Petrópolis possui diversas opções de malharias, incluindo um museu, que conta a história sobre esse destaque no local.

Para quem gosta de cervejaria artesanal, vai se sentir em casa. É que lá tem três estabelecimentos voltados para esse público e atividade. Para finalizar, vale citar os parques de Nova Petrópolis, com destaque para o Parque Aldeia do Imigrante e o Parque Esculturas Pedras do Silêncio. As duas visitas são pagas, mas a visita vale a pena e são indispensáveis para os amantes da cultura alemã.

Bento Gonçalves

Considerada a capital brasileira do vinho, não se pode visitar o município sulista sem passar por uma de suas vinícolas ou experimentar seus vinhos. É bastante visitada por ser um destino mais acessível (em comparação à Canela e Gramado) e tem ótimas opções de lazer, como o Vale dos Vinhedos e a Via del Vino.

Essa última é um calçadão, que fica no centro da cidade e conta com vários prédios históricos. Nele, há uma fonte de água roxa, parecida com vinho. Já o Vale dos Vinhedos, é uma área de produção de vinhos e espumantes. O local foi um dos primeiros a receber a “Denominação de origem”, que significa que as condições geográficas e climáticas favorecem a qualidade do vinho ali fabricado.

Canela

A menos de 10 km de Gramado, Canela é um destino imperdível quando se fala em Serra Gaúcha, independentemente da época do ano. Um dos locais mais visitados é a Cascata do Caracol, uma cachoeira de 130 metros, que fica no Parque Estadual do Caracol. Na área, há bondinhos que permitem uma vista privilegiada do cartão-postal da cidade.

Além dos bondes, no parque há um mirante, trilhas ecológicas, a “Escada da Perna Bamba”, que tem mais de 700 degraus e conduz até a parte inferior da cascata, um observatório ecológico e o Centro Histórico Ambiental do Parque do Caracol, com diversas informações sobre a história, fauna e flora do lugar.

Em Canela, também vale a pena ir até a Catedral de Pedra, localizada no centro e reconhecida como uma das sete maravilhas do Brasil, em 2010, pelo portal de notícias, Terra. É essencial fazer a visita à noite, quando o local se destaca por sua iluminação, principalmente nas festas natalinas. Ponto turístico, a igreja também é conhecida como Catedral Nossa Senhora de Lourdes, possui 65 metros de altura e 12 sinos de bronze.

Gramado

Não se visita a Serra Gaúcha sem passar por Gramado, a 120 km da capital gaúcha. A intensidade do turismo na cidade permitiu que suas atividades culturais fossem cada vez mais variadas. Uma delas é o passeio na Maria Fumaça, uma locomotiva que realiza um percurso de 23 km, passando por Bento Gonçalves e Carlos Barbosa, e apresenta, em seu interior, diversas apresentações de teatro, música e dança, degustação de vinhos e queijos e muito mais.

Outra opção é o Vale do Quilombo. Lá, o turista tem acesso a uma vista panorâmica, de 800 metros, da serra e um incrível pôr do sol. A visita é gratuita e vale a pena incluí-la no roteiro. Se gosta de frio, não pode deixar de ir ao Snowland, um parque temático de neve, onde é possível praticar esqui e snowboard. Outro passeio que pode ser adicionado na programação é a ida às fábricas de chocolate locais. Em algumas, como a Caracol, o turista pode assistir a todo o processo da fabricação, inclusive participar.

Para finalizar, reserve uma tarde para ir ao Lago Negro. Ele leva esse nome devido ao seu fundo, que é verde-escuro, o que é acentuado pelo reflexo dos pinheiros e hortênsias que o rodeiam. Lá, há passeios de pedalinho e barco, e um restaurante. O lugar se tornou um dos cartões-postais mais românticos da região Sul.

A Serra Gaúcha é um dos destinos mais procurados e visitados do Brasil. Seu clima, culinária e pontos turísticos atraem milhões de pessoas por ano. Para ir, vale a pena reservar uma semana durante as férias ou um feriado prolongado, já que são muitas opções e cada uma delas merece a visita. Tá interessado(a)? A Azul oferece voos para a região — consulte as datas e valores disponíveis e programe sua próxima viagem!