Criar um animal é uma das maiores alegrias de famílias e crianças. Além do amor e carinho que eles proporcionam aos donos, os bichinhos também trazem muitos benefícios à saúde. Com a rotina agitada das grandes cidades, desfrutar da companhia de um cachorro ou gato em algum momento do dia funciona como uma espécie de terapia. Até mesmo em viagens, a presença deles é importante. Mas como é viajar com animal de estimação?

Quem cria animais sabe que eles precisam de cuidados durante uma viagem, seja ela de carro, ônibus ou avião. Nos meios terrestres, os cuidados são relacionados à saúde e ao espaço físico para transportar o animal. Mas quando a viagem é aérea, as regras e recomendações são mais específicas. Além da consulta médica, você precisa consultar a companhia aérea sobre a disponibilidade e as especificações da empresa para viajar com pets.

No avião o seu companheirinho viaja na cabine, junto a você para os mais de 100 destinos nacionais da companhia — os voos internacionais ainda não estão liberados para cães e gatos. Confira abaixo algumas especificações e regras para o sua mascote viajar e chegar com tranquilidade.

Por que existe um limite para o tamanho/ peso do animal e da caixa de transporte na Azul?

Não transportamos os animais de estimação no porão das aeronaves por não ser climatizado para isso. Então, a mascote vai junto do seu dono, abaixo da poltrona da frente. Existe uma limitação de espaço nesse local e é preciso respeitá-lo, para a sua segurança e de seu cachorro/ gato. O limite de peso do animal somado à caixa não pode ultrapassar 5 quilos — independentemente da raça. Portanto, animais acima desse peso não poderão embarcar.

A caixa de transporte precisa ter exatamente as medidas estipuladas (43 cm comprimento x 31,5 cm de largura x 20 cm de altura)?

Sim, este é o tamanho exato que a caixa de transporte encaixa abaixo da poltrona do avião. Além disso, a caixa pode ser:

  • flexível: com hastes internas de metal, para deixar a caixa bem reforçada e também ser feita de material impermeável;
  • container rígido: deve ser de plástico ou fibra, bem resistente.

Embalagens feitas com outros materiais — como containers de madeira, palha ou mala flexíveis que não sejam de material impermeável — estão fora do padrão da companhia e não são aceitas para embarques de animais. Essas especificações visam garantir a segurança do seu animal.

Gostaria de mais opções sobre a caixa de transporte

Além do tamanho e do material da caixa, o animal precisa sentir-se confortável. As dimensões internas devem comportar o animal com folga, permitindo que ele fique de pé e movimente-se. A caixa precisa ter espaço suficiente para que o animal consiga realizar um círculo em volta de si mesmo, o equivalente a um giro de 360º.

O objeto deve ser feito com material resistente, com aberturas que garantam a entrada e a circulação de ar, além de um dispositivo de segurança, para evitar uma abertura acidental (interna ou externa). Antes e durante o voo, a caixa precisa estar limpa. Para isso, o fundo precisa ter um piso impermeável, para conter e absorver urina e fezes, evitando vazamentos durante o transporte. Lembre-se de verificar se a caixa está bem fechada e com a trava de segurança segura.

Antes de embarcar, o dono deve entrar com o animal em uma caixa limpa, desinfetada e esterilizada, para evitar o contágio de doenças ao próprio animal e a terceiros. Os objetos são vistoriados pela companhia antes do voo. Caso o cliente não siga essas condições, a companhia pode negar o embarque do animal.

Posso comprar uma passagem só para meu animal de estimação?

O animal de estimação precisa viajar junto de um cliente, nunca sozinho. O limite por aeronave é de 3 animais domésticos por voo e, por isso, ao fazer sua reserva, deve comunicar o transporte do cão/gato e pagar a taxa de R$250.

Mesmo que seja uma viagem de urgência, consulte a companhia antes. Caso não haja mais vagas no voo que gostaria, os funcionários vão ajudar você a encontrar a melhor opção.

Não tenho nem cachorro e nem gato. Posso levar outro animal comigo?

Não. Somente cães e gatos podem ser transportados.

Tenho um filhote, posso levar em minha viagem?

Pode sim, desde que ele já tenha completado 4 meses de idade, seu animalzinho de estimação já pode voar. Ele precisará de mais atenção devido ao pouco tempo de vida, mas pode viajar normalmente na cabine do avião.

Preciso apresentar documentos para o embarque do meu pet?

Sim, precisa! Eles garantem que seu animal de estimação está saudável e apto para a viagem. São eles:

  • carteira de vacinação: assim fica mais fácil de controlar a saúde do seu bichinho;
  • comprovante de vacina antirrábica: essa vacina é obrigatória para animais com idade a partir de 3 meses de idade. O comprovante deve ter o nome do laboratório produtor, tipo da vacina e número da ampola utilizada. Seu animal precisa tomar essa vacina há mais de 30 dias e há menos de um ano do embarque;
  • atestado de saúde do animal assinado por um médico veterinário, com validade de 10 dias da data de emissão.

A consulta com veterinário é imprescindível para verificar as condições do animal e para emitir o atestado de saúde, bem como possíveis medicações que ele possa precisar.

É verdade que ao viajar para Fernando de Noronha preciso solicitar uma autorização?

Sim, como se trata de uma Área de Preservação Ambiental (APA), além da documentação citada no tópico anterior, é necessário pedir a Autorização de Entrada de Animais na Ilha. Essa permissão é expedida pela Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de Fernando de Noronha. Se esse for o seu caso, procure o órgão com antecedência. O telefone para contato é: (81) 3619-0810.

Por que preciso pedir uma autorização para meu bichinho entrar na área do aeroporto de Carajás?

Quando a viagem tem origem em Carajás, o dono deve solicitar uma autorização para circular com o animal no aeroporto. Isso acontece porque trata-se de uma área de reserva florestal de responsabilidade de Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Nesses casos, a documentação exigida inclui:

  • documento de identificação oficial com foto do titular da passagem aérea;
  • documento original do atestado de saúde do animal, emitido por veterinário;
  • documento original da carteira de vacinação no animal.

Ao reunir esses documentos, você deve colocá-los em um envelope e enviá-los para o endereço do Instituto: Rua J, 202 – Bairro União – Parauapebas (PA) – CEP 68515-000. Em caso de dúvidas, entre em contato pelo telefone: (94) 3364-1106. O atendimento é feito de segunda e sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. É importante lembrar que a autorização é válida apenas para a data do embarque.

Para o desembarque e m Parauapebas/ Carajás, não precisa pedir autorização, mas o deslocamento do animal deve ser direto para Parauapebas. Não há autorização para permanência de animais em outros locais no interior da Floresta Nacional de Carajás ou Núcleo Urbano.

Qual o procedimento para o transporte do animal no aeroporto e no voo?

O passageiro acompanhado de pet em viagens nacionais deve apresentar-se no balcão de check-in com 2 horas de antecedência do embarque. O animal deve ser mantido dentro da caixa de transporte tanto na sala de embarque, durante o voo e na sala de desembarque. Dentro da aeronave, a tripulação dará as orientações quanto ao posicionamento da caixa de transporte.

Como existe um limite de pet por passageiro e por voo, os animais serão acomodados por uma fileira. A caixa de transporte deve ser acomodada debaixo do assento da poltrona que está a sua frente. Ele deve permanecer nesse espaço durante todo o voo. Caso sinta alguma dificuldade, peça ajuda ao comissário de voo.

Existe alguma restrição ao passageiro que viaja com seu animal de estimação?

Sim. Por motivos de segurança, não é possível embarcar o animal se o passageiro estiver em uma dessas situações: for menor desacompanhado ou estiver com criança de colo. Caso esteja nessas condições e viajar acompanhado de outra pessoa, peça para que ela se responsabilize pelo animal.

O que devo fazer se meu bichinho ficar agitado no voo?

Essa é uma situação completamente normal, pois o animal está em um ambiente estranho. Não é motivo de preocupação e não requer cuidados especiais. Basta chamá-lo pelo nome e fazer algum carinho para tranquilizá-lo. Ao ouvir a sua voz e o seu cheiro, ele vai se sentir mais seguro. Você também pode usar algum brinquedo para distração.

Outra forma de deixá-lo mais calmo é colocando uma roupa sua dentro da caixa de transporte. O cheiro e a textura do objeto tornam o ambiente familiar e consequentemente mais confortável. Não tente abrir a caixa ou soltá-lo, pois além de não ser permitido pode causar uma reação inesperada. Dentro da caixa é mais fácil de controlar.

Como acostumar o animal com a caixa de transporte?

Se o seu pet ainda não está acostumado com a caixa de transporte você pode incentivá-lo a interagir com o objeto. Durante o dia deixe a caixa aberta com alguma recompensa dentro — pode ser um petisco ou brinquedo. O objetivo é que instigar a curiosidade dele e o primeiro contato com a caixa. Depois que ele fizer isso com normalidade, pode avançar para o próximo passo: dormir dentro da caixa.

Crie um ambiente confortável e atrativo para o animal. Incentive-o a brincar, até que ele fique cansado. Depois, direcione-o para dentro da caixa e observe. De início ele pode não gostar, mas com um pouco de persistência vai acabar cedendo. No começo deixe a caixa aberta e depois, quando ele estiver mais acostumado, feche-a enquanto ele estiver dormindo.

Aos poucos ele perceberá que a caixa é um lugar seguro, onde ele pode brincar, descansar e continuar perto de você. Leve-o no carro a distâncias curtas e moderadas para que ele também se acostume com o barulho, já que no avião não vai ser diferente. Gatos se assustam com mais facilidade, então considere levar protetores de ouvidos para evitar o desconforto.

E no dia da viagem, o que posso fazer para prepará-lo?

O ideal é iniciar a preparação na véspera. Leve-o ao pet shop para banho e tosa ou cuide em casa mesmo: dê um bom banho e apare as unhas. Você também pode intensificar a hidratação um dia antes do embarque. No dia da viagem dê água em casa, no aeroporto e antes de o avião decolar. Por fim, atente-se para a alimentação. Ela precisa ser leve e saudável. Não deixe o animal viajar de estômago cheio, pois é prejudicial.

Para evitar enjoos, dê a última refeição 2 horas antes do embarque. Caso o seu animal tenha o costume de ficar enjoado, peça ao veterinário um medicamento para controlar o desconforto. E antes de sair de casa, incentive-se a fazer suas necessidades fisiológicas. Mesmo que o voo seja curto, leve algum petisco. Ele pode alimentá-lo ou distraí-lo durante a viagem.

Não chegue no aeroporto com muita antecedência para que ele não fique estressado. Leve a coleira e caminhe com ele um pouco antes de colocá-lo na caixa de transporte. Enquanto aguarda o horário de embarque, aproveite para ficar perto do bichinho. Brinque, dê carinho e deixe que ele escute a sua voz. Isso vai ajudá-lo a relaxar e a se habituar.

E se acontecer algum problema? Como devo agir?

Normalmente, as viagens com animais ocorrem sem problemas. Alguns podem estranhar o ambiente e fazer algum barulho para sinalizar isso, mas nada que atrapalhe o voo. Mas caso o animal fique muito nervoso e agitado, pegue a caixa e leve-a ao colo por alguns segundos enquanto tenta acalmar o bichinho. Se mesmo assim não adiantar, chame o comissário do voo e peça orientação.

Se o seu voo tiver conexão e atrasar, os funcionários da empresa podem fornecer água e comida ao animal. Aproveite esse momento para brincar e dar carinho a ele. A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) não tem um regulamento específico sobre o transporte de animais domésticos (com exceção do cão-guia), mas dita normas que devem ser seguidas pelas companhias aéreas.

A recomendação é de que o serviço deve ser feito com segurança e sem causar desconforto aos outros passageiros. Entretanto, como trata-se de um serviço extra, quaisquer reclamações devem ser feitas diretamente à empresa aérea contratada. E mesmo que ocorra algum imprevisto, não brigue com o animal e nem culpe-o por isso. Lembre-se de que ele é o seu melhor amigo e está em um lugar novo. O carinho é a melhor forma de comunicação entre o ser humano e o animal.

Como posso recompensar meu bichinho pelo seu bom comportamento?

Criar um animal de estimação é estar aberto a um novo mundo. As percepções e reações são bem específicas. Você precisa compreendê-las bem para saber como agir. E ao conhecer melhor o comportamento, você ganha inúmeros benefícios. A convivência com animais diminui o estresse, a ansiedade e a depressão. Também ajuda a prevenir o sedentarismo e doenças cardiorespiratórias. Portanto, retribua todo o carinho e atenção que você recebe diariamente.

Em um momento novo, como uma viagem de avião, o animal pode reagir de uma forma inesperada. Isso é comum. Mas ele também pode reagir com tranquilidade e, nesse caso, deve ser recompensado. Essa atitude vai criar um momento positivo na sua memória e um sentimento de autoconfiança.

Mostre que está feliz com o seu comportamento para que nas próximas oportunidades ele sinta-se mais à vontade, confortável e habituado. Abrace-o, dê carinho e demonstre o seu contentamento. Assim, vocês vão se divertir e terão boas memórias da experiência. Se for a primeira viagem de avião do seu animalzinho, você pode criar um diário de bordo, com fotos e anotações para eternizar o dia.

Quando chegar ao destino devo ter algum cuidado especial?

Sim. Espere um tempo até ele se acostumar com o lugar. Não o leve direto para um passeio, principalmente se for em um local agitado. Deixe que ele desfrute da sua companhia até demonstrar tranquilidade. Depois é só curtir a companhia do seu melhor amigo durante a viagem.

Lembre-se que na volta você deverá repetir todas as orientações para que ele chegue em casa tão bem quanto saiu. Faça um checklist para não esquecer de nada:

  • consulta com veterinário;
  • atestado de saúde;
  • carteira de vacinação;
  • certificado de vacina antirrábica;
  • caixa de transporte com as especificações da companhia aérea;
  • identificação na caixa de transporte com o seu nome e contato;
  • hidratação e alimentação do animal;
  • brinquedos e petiscos para interagir com ele.

E se tudo correr bem, comemore com ele!

Ao longo deste texto, você encontrou orientações para viajar com animal de estimação, de modo a garantir a integridade, saúde e bem-estar do animal. Essas e outras orientações específicas ficam no site da companhia aérea. Consulte-a e tenha acesso a mais informações para as suas próximas viagens!