Você está pensando em sair de férias e conhecer lugares que nunca imaginou visitar? Então o Leste Europeu é uma opção sem erro: países com história milenar, construções deslumbrantes, paisagens espetaculares e uma vida noturna e cultural superanimada.

A região conta com opções para os mais variados objetivos: compras, turismo religioso, negócios ou férias com a família. Conheça neste post alguns destinos alternativos e surpreendentes pra passar as férias no Leste Europeu.

1. Kiev, a capital da Ucrânia

Apesar dos conflitos políticos que a Ucrânia vem passando nos últimos anos, o país vive alternando entre momentos pacíficos e tensos. Imagine que não deve ser fácil para um povo que vive entre a Rússia (antiga URSS) e a Europa Ocidental.

Mas em situações normais a estadia é maravilhosa. O local tem diversos pontos turísticos procurados por pessoas do mundo inteiro. Sua capital é bem receptiva e acessível, principalmente para mochileiros e viajantes.

Kiev é famosa pelas construções antigas e por sua riqueza cultural e gastronômica. A vida noturna também não deixa a desejar, é bastante animada com famosas baladas e casas de shows.

2. Praça da Independência

A Praça da Independência é um dos locais mais visitados por turistas em Kiev. Em seus arredores, há diversos mercados onde é possível garimpar antiguidades (como os chapéus usados por soviéticos) e descobrir um pouco da gastronomia de rua da cidade.

A Catedral de Santa Sofia, construção de 1740, é deslumbrante e os turistas podem subir em suas torres para desfrutar de uma bela vista da cidade, com suas cúpulas douradas espalhadas pela paisagem.

O ano de 2017 não foi um dos melhores para Kiev. Alguns conflitos conturbaram a vida política no país e talvez não seja o momento ideal para uma visita. Entretanto, procure se informar sobre como anda a situação no local (as redes sociais são ótimas pra isso). Com sinal verde, com certeza será uma viagem deslumbrante.

3. Chernobyl e a cidade-fantasma

Este é literalmente um passeio na história. Em 1986, um acidente nuclear devastou a cidade de Chernobyl, na Ucrânia, quando um problema técnico na usina nuclear liberou uma nuvem radioativa contaminando uma ampla extensão de terra, matando pessoas, animais e devastando a vegetação.

A 120 quilômetros de Kiev, Chernobyl ficou bloqueada para visitas turísticas por várias décadas. Hoje em dia, a cidade já foi liberada e é ideal para quem gosta de história, paisagens impactantes e emoções fortes.

Ainda é possível conhecer escolas, casas e lojas abandonadas às presas. Em alguns locais, objetos pessoais e móveis continuam exatamente como foram deixados há 31 anos.

Se quiser se aprofundar no assunto e entender melhor essa história obscura, o Museu Chernobyl é dedicado a guardar a memória do desastre e conta com uma extensa coleção de objetos, artefatos, maquetes e mídias visuais com o objetivo esclarecer os aspectos do maior acidente nuclear do mundo. O museu fica em Kiev.

4. Sérvia e o que restou da Iugoslávia

A Sérvia pode não ser um dos locais mais procurados para o turismo, mas com certeza tem uma história como poucos outros lugares. Seu território faz parte da antiga Iugoslávia, que, após o declínio da URSS, se desmembrou e deu origem a diversos países — Eslovênia, Croácia e Montenegro, por exemplo.

Algumas das atrações mais visitadas são as ruínas que contam seu passado de intensas guerras. Há ainda belas paisagens naturais, como a formação rochosa de Djavolja Varos, chamada também de “cidade dos diabos”.

5. A capital Belgrado

A capital da Sérvia, Belgrado, vem se firmando como destino turístico em razão de suas festas e casas noturnas. Há baladas que acontecem em barcos de três andares, festas ao ar livre com pessoas se pintando com tintas fosforescentes e casa noturnas com shows de artistas e DJs conhecidos mundialmente. A melhor época para conhecer esse aspecto da cidade é no verão.

O centro de Belgrado reúne um conjunto de igrejas antigas e praças arborizadas que tem atraído visitantes em busca de diversidade cultural e uma bela história religiosa que perdura por séculos.

Próximo ao centro, há o bairro de Skadarska, o lugar mais popular, pois fica próximo aos principais pontos turísticos — como a Praça da República, o Parlamento Nacional e alguns museus. Há quem diga que o bairro se assemelha à região de Montmartre, em Paris.

6. Eslovênia: um dos menores países do mundo

A Eslovênia, com apenas 20 mil km² de extensão territorial, também faz parte do território dividido da extinta Iugoslávia. Mas a sensação que se tem ao visitá-la não faz perceber o passado de guerras vivido ali.

Sua capital, Liubliana, é apaixonante. Cortada por belos canais, fica às margens dos Alpes e do mar Adriático e apresenta uma diversidade cultural marcante. Além de linda, é uma cidade jovem e bastante tranquila, ideal para quem busca descanso com belas paisagens.

Liubliana oferece ainda pontos turísticos como lagos de águas cristalinas, cavernas e castelos medievais incríveis.

7. Hungria e a herança do Império Austro-Húngaro

A Hungria guarda o que restou de mais precioso do fantástico Império Austro-Húngaro. Para situar o país na história, o estopim da primeira guerra mundial se deu após o assassinato do arquiduque do império, Francisco Fernando, e de sua esposa.

Para muitos, a Hungria é o país mais belo do Leste Europeu, por sua arquitetura deslumbrante, sua riqueza histórica e pelo padrão de modernidade que alcançou sem se esquecer de suas tradições e de seu patrimônio cultural.

8. A capital Budapeste

Entre todas as cidades do Leste Europeu, a capital da Hungria é uma das que merecem ser exploradas com bastante tempo. Budapeste oferece diversas opções de turismo, como passeios pela extensão do Rio Danúbio, visitas a construções como a sede do Parlamento e à igreja de São Matias, localizados respectivamente nas regiões que dão nome à cidade: Peste e Buda.

Budapeste permaneceu sendo a capital da Hungria após o fim do Império Austro-Húngaro. Cortada pelo rio Danúbio, é uma das capitais mais elegantes da Europa. A cidade se divide em duas: um lado reúne construções antigas e conservadoras; do outro, separado pela famosa ponte Széchenyi Lánchíd, há edifícios, avenidas e bairros modernos.

Budapeste também é conhecida e muito procurada em razão de suas águas termais, que são um convite ao relaxamento e ao descanso.

9. Parlamento Húngaro

Visitar a Hungria sem conhecer Budapeste é como ir à França e não ver Paris. E ir a Budapeste e não conhecer o prédio do Parlamento Húngaro é o mesmo que negligenciar a Torre Eiffel.

O prédio tem arquitetura neogótica e é o mais atraente da cidade. Nele, trabalham os membros do Parlamento Húngaro e sua equipe. O edifício ainda abriga o gabinete do Primeiro-Ministro da Hungria.

A construção se estende por 268 metros ao longo do rio Danúbio, com123 metros de largura e 96 de altura, totalizando 18 mil m². Ele foi construído no século XIX e demorou 70 anos para ser finalizado.

É possível fazer um tour guiado pelo interior do prédio. O passeio dura cerca de 40 minutos e custa em média 20 euros.

10. República Tcheca

Com uma população que ultrapassa os 10 milhões de habitantes, a República Tcheca talvez seja o destino mais conhecido quando falamos em Leste Europeu. O país também é um dos que apresentam um passado de guerras, disputas e invasões, mas soube se reestruturar e fazer do turismo o seu ponto forte.

Por muitos anos, seu território esteve sob domínio soviético e boa parte da cidade ainda lembra as construções do período comunista.

A República Tcheca se separou do território da Eslováquia (parte da Antiga Iugoslávia) em 1993. De lá para cá, o país remodelou suas cidades, aplicou um austero plano econômico e está na vanguarda de muitos movimentos artísticos e culturais.

Sua capital, Praga, é uma das cidades mais bonitas do mundo. Para os tchecos, é a mais bela com certeza. Praga é rodeada por edifícios deslumbrantes com uma riqueza histórica inigualável. A parte conhecida como Cidade Velha (que remonta à era medieval) é cheia de catedrais, construções antigas e castelos.

Praga tem atraído muitos turistas em busca de compras a preços baratos.

11. A praça da Cidade Velha

Talvez seja a praça mais conhecida do mundo. A Praça da Cidade Velha — também chamada de Praça de Praga ou Staroměstské náměstí — reúne as principais construções, igrejas e museus da República Tcheca.

Nela, por exemplo, estão:

  • o Castelo de Praga, o maior complexo palaciano do mundo com uma história de mais de mil anos;
  • a Prefeitura, com sua elegante torre e o relógio astronômico;
  • a igreja de Týn, com uma impressionante arquitetura gótica;
  • a barroca igreja de São Nicolau;
  • a igreja de Nossa Senhora Vitoriosa, que abriga uma das obras religiosas mais conhecidas e veneradas: o menino Jesus de Praga.

Outro curioso ponto turístico é o Franz Kafka Museum, um local dedicado a guardar a memória do escritor mais famoso da República Tcheca.

Por fim, se estiver com um pouco de tempo, visite também Plzen e Cesky Krumlov, que traduzem bem o que é a sociedade e a cultura da República Tcheca.

12. A capital do antigo Império Soviético

Conhecer o Leste Europeu é mergulhar no contexto da Guerra Fria e entender melhor como foram os anos de domínio comunista. Mas nada conta melhor essa história do que a cidade de Moscou, na Rússia.

Ao longo dos seus 860 anos, Moscou guarda o que restou dos impérios Czarista e Comunista. É antiga e, ao mesmo tempo, sofisticada. Tem um ar frio e cinzento, mas também é rodeada de construções coloridas e deslumbrantes.

A cidade abriga museus, igrejas (principalmente da religião predominante, a Católica Ortodoxa) e monumentos famosos no mundo todo, além das impressionantes construções e prédios públicos dos anos da URSS.

Mas não é só de política e história que vive Moscou. A cidade é muito cosmopolita, recebe turistas do mundo inteiro durante todo o ano e conta com ótimos restaurantes, uma vida noturna bastante animada e grandes shoppings.

13. A Praça Vermelha e a herança comunista

A Praça Vermelha, cravada no coração de Moscou, é o símbolo mais forte do que um dia foi a União Soviética, o país que influenciou quase todos os regimes comunistas que se instalaram ao longo do tempo.

A praça abriga:

o Museu Estatal de História, uma magnífica construção de tijolos vermelhos;

a Igreja de Nossa Senhora de Kazan, uma das mais veneradas pela religião Ortodoxa, cuja construção teve início em 1625;

o monumental Palácio do Kremlin, a sede do poder Comunista e onde os principais líderes do regime estão enterrados, como Stalin, Lenin e alguns heróis soviéticos, como o cosmonauta Yuri Gagarin.

Por fim, não dá para passar despercebido pela Catedral de São Basílio. Com suas cores e formas, o principal cartão-postal da Rússia é conhecido por sua arquitetura impressionante e pelas lendas que rondam a sua construção.

Concluído em 1561, seus domos coloridos representam a Cidade de Deus revelada pelo apóstolo João. Diz a lenda que, após a sua conclusão, Ivan, o Terrível (como era chamado o imperador da época), muito satisfeito e orgulhoso com o resultado, mandou cegar o criador do projeto, Postnik Yakovlev, para que nunca mais fizesse algo semelhante ou superior.

Lenda ou não, a Catedral é sem dúvida uma das mais belas obras arquitetônicas de todos os tempos.

14. O Leste Europeu oferece muito mais

Mesmo depois de listar 12 incríveis pontos turísticos do Leste Europeu, se pesquisarmos um pouco, veremos que ainda falta muito para conhecer a fundo uma das regiões mais famosas do mundo.

Se o tempo de sua viagem permitir, conheça também:

  • Cracóvia, na Polônia, uma das que mais sofreram com a invasão nazista e comunista;
  • Transilvânia, na Romênia, onde fica o misterioso Castelo de Bran, “morada” do eterno Conde Drácula;
  • o teatro romano de Plovdiv, na Bulgária, datado do século II.

Certamente você ficou curioso para conhecer essa instigante região da Europa ou acabou de descobrir cidades e pontos turísticos que vão entrar para sua lista de férias, não é mesmo?

Compartilhe nossas sugestões de férias no Leste Europeu e ajude outras pessoas a descobrirem esses lugares fantásticos!