Um mapa, uma mochila e um pouco de coragem. Isso é tudo o que é preciso para colocar o pé na estrada e fazer um mochilão, certo? Errado! Apesar de serem itens indispensáveis (sobretudo o espírito aventureiro), uma viagem desse tipo exige, também, bastante planejamento.

Neste post, vamos mostrar como planejar e o que esperar de um mochilão na América do Sul. Nos próximos parágrafos, você vai encontrar uma estimativa média dos custos ao longo da aventura, uma lista com os países imperdíveis e, ainda, alguns conselhos de segurança para viajar tranquilo.

Se ficou interessado pelo assunto e quer saber ainda mais, continue lendo este texto sobre mochilão na América do Sul!

Os principais gastos em um mochilão na América do Sul

Passagens aéreas

Ainda que soe estranho, comprar os bilhetes de ida e de volta em cidades diferentes pode sair mais barato se você pensa em fazer um mochilão na América do Sul. É que deixar o último destino em direção ao Brasil pode ser mais econômico do que retornar ao ponto inicial para, então, tomar um voo de volta à sua casa.

Há ainda casos em que fica mais em conta comprar a promoção de ida e volta e desprezar a passagem de retorno. O que isso significa? Que você deve reservar um tempo para fazer várias simulações. Assim, tem chances de encontrar uma opção bem vantajosa!

Com a hospedagem

Acredite: não é necessário desembolsar muito dinheiro para se acomodar em um bom hotel ou hostel. E, para diminuir os gastos com transporte, escolha uma hospedagem com boa localização (em geral, no centro das cidades). Prefira também os que oferecem café da manhã gratuito, pois dessa maneira você investe menos com alimentação.

Com a alimentação

Como já dissemos, é importante levar em consideração os serviços de hospedagem que oferecem o café da manhã. Para economizar ainda mais, vale a pena buscar passeios com refeições já incluídas.

A boa notícia é que, nos países sul-americanos, é possível fazer uma refeição completa (comumente chamada de menú del día, que nada mais é do que entrada + prato principal + bebida + sobremesa) por menos de R$ 30.

Também há opções baratas de lanches e de vinhos, sobretudo nos supermercados.

Com o deslocamento

Qual é a maneira mais barata de se deslocar entre os países do continente? A resposta é ônibus. As companhias oferecem viagens frequentes e em veículos confortáveis, equipados com poltrona cama ou semicama.

Ainda que as viagens sejam longas, é possível planejá-las para a noite. Dessa maneira, você poupa a hospedagem e não perde o tempo que pode ser usado para fazer passeios durante o dia.

9 países para visitar em um mochilão na América do Sul

1. Argentina

A Argentina é o lar de muitos destinos interessantes, começando pela capital, Buenos Aires. A cidade é um dos polos culturais da América do Sul, já que está repleta de teatros, museus e bibliotecas — todos instalados em edifícios com uma arquitetura incomparável.

Também há Córdoba, a segunda maior cidade do país. Por ali você pode encontrar monumentos do período colonial. Já Mar del Plata é um lugar perfeito para os mochileiros com bastante energia, pois conta com vida noturna agitada e várias atrações turísticas populares.

Mendoza é famosa pelos seus vinhos e azeites, e El Calafate é a cidade mais próxima da maior geleira em extensão horizontal do mundo: o Glaciar Perito Moreno.

Ushuaia, a “Cidade do Fim do Mundo”, é o ponto mais ao sul do planeta e onde o mochileiro pode praticar esportes como trenó, esqui e trekking.

Na fronteira com o Chile está Bariloche, uma região de lagos e montanhas. No inverno, o lugar é ideal para praticar esqui!

Média de gastos por dia

  • Mendoza: aproximadamente R$ 90;
  • Buenos Aires: aproximadamente R$ 107;
  • Bariloche: aproximadamente R$ 147;
  • El Calafate: aproximadamente R$ 182;
  • Ushuaia: aproximadamente R$ 199.

2. Bolívia

A capital da Bolívia, La Paz, está sempre fria, pois é a mais alta do mundo (está a 3.650 metros do nível do mar!). Ela conta com atrações arqueológicas muito interessantes, como Tiwanaku e o Vale da Lua.

Já o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, tem mais 10 mil quilômetros quadrados e 10 bilhões de toneladas de sal. Mas fique de olho: os tours completos acontecem no período de seca, entre abril e novembro. Durante a temporada de chuva, é bem provável que você encontre… um lago.

Na Bolívia está o Lago Titicaca, o lago navegável mais alto do mundo. Ele conta com 25 rios, 41 ilhas e vistas estonteantes. Cochabamba, por sua vez, é conhecida pela imagem de Jesus Cristo, com 40 metros de altura a mais do que a do Rio de Janeiro!

Média de gastos por dia

  • La Paz: aproximadamente R$ 122.

3. Chile

Com cerros, vinícolas e diversos estilos de arquitetura, a capital Santiago atrai muitos turistas brasileiros. Já Viña del Mar é muito visitada no verão, graças às suas belas praias. A vizinha Valparaíso está erguida acima de morros, o que cria uma linda paisagem boêmia.

Para os mochileiros em busca de aventura, há 2 destinos certeiros. O primeiro é o Deserto do Atacama, no norte do país. São 200 quilômetros de deserto, incluindo gêiseres e o Vulcão El Tatio.

As Torres del Paine, ao sul, são a segunda opção: uma das cadeias montanhosas mais famosas do mundo, instaladas em um parque nacional ao sul da Patagônia, onde também estão lagos, cascatas e glaciares.

Há ainda a Ilha de Páscoa, que está repleta de histórias fantásticas graças aos moais (estátuas esculpidas a partir das pedras do Vulcão Rano Raraku).

Média de gastos por dia

  • Valparaíso: aproximadamente R$ 99;
  • Santiago: aproximadamente R$ 150;
  • San Pedro de Atacama: aproximadamente R$ 169;
  • Pucón: aproximadamente R$ 172;
  • Punta Arenas: aproximadamente R$ 214;
  • Puerto Varas: aproximadamente R$ 364.

4. Colômbia

A 2.640 metros de altitude, a capital Bogotá é o lar de incríveis museus, parques e atrativos com pegada religiosa e histórica. Cartagena também se mostra muito conservada, com arquitetura colonial intacta e estonteantes ilhas com praias de areia branca e água cristalina.

Medellín tem sido incluída no roteiro de muitos viajantes, já que atualmente se mostra pacificada (com bastante segurança, aliás!) e uma vida cultural de dar inveja a muitos outros destinos.

Para o mochileiro que gosta de aproveitar a natureza, a melhor opção é o Parque Tayrona. A unidade conserva praias, milhares de hectares de vegetação e, claro, centenas de espécies de animais.

Média de gastos por dia

  • Medellín: aproximadamente R$ 60;
  • Santa Marta: aproximadamente R$ 67;
  • Bogotá: aproximadamente R$ 86;
  • Cartagena: aproximadamente R$ 109;
  • San Andrés: aproximadamente R$ 313.

5. Equador

Quito é a capital do Equador e tem um cenário emoldurado por vulcões e geleiras. Dali, é possível tomar um teleférico para visitar a Cruz Loma, um ponto a 4,2 mil metros acima do nível do mar. Mais ao norte da cidade está um monumento à Linha do Equador (limite imaginário que divide o planeta em hemisfério norte e sul).

Cuenca, por sua vez, é um destino com ruas e casarões coloniais. Nesse charmoso lugar, você vai poder descansar com o ritmo de vida do interior e explorar atrativos como parques e templos do século XVI.

Média de gastos por dia

  • Quito: aproximadamente R$ 110.

6. Paraguai

Imagine uma mistura entre a cultura europeia e guarani: assim é a capital Assunção. Ela conta com atrações para lá de peculiares, como o Panteón Nacional de los Heroes, que foi inspirado no enorme monumento parisiense Hôtel National des Invalides.

Encarnación é chamada de capital do Carnaval graças às suas festas em fevereiro. San Bernardino também é um destino para os festeiros: no verão, costuma estar cheia de gente atrás de baladas em ótimas boates.

Média de gastos por dia

  • Assunção: aproximadamente R$ 57;
  • Ciudad del Este: aproximadamente R$ 174.

7. Peru

Lima é a capital do país e tem aspectos bastante urbanos, como museus, shoppings e universidades. Apesar disso, ainda conversa bem o seu centro colonial, que está decorado com diversos palácios e casarões de impressionar.

Mas, talvez, a principal atração peruana em um mochilão na América do Sul seja Machu Picchu. Às margens do Rio Urubamba, a cidade inca recebe turistas de todo o mundo. Muitos deles se desafiam a explorar a região a pé, já que o Vale Sagrado dos Incas conta com trilhas.

Cusco é outro ponto que vale uma visita, ainda que de passagem rápida.

Média de gastos por dia

  • Arequipa: aproximadamente R$ 83;
  • Lima: aproximadamente R$ 95;
  • Cusco: aproximadamente R$ 141.

8. Uruguai

Os uruguaios também podem se vangloriar de uma capital que atrai viajantes de todas as bandas. Isso porque Montevidéu tem mercados, prédios históricos e um inigualável pôr do sol, que se dá no horizonte do Rio da Prata.

No Uruguai estão localizados os balneários Punta del Este — onde se encontram cassinos, lojas de grife e deliciosos restaurantes — e Punta del Diablo — com praias e parques de ar aconchegante.

No entanto, se a sua ideia é encontrar um lugar para relaxar, considere esta sugestão: Colonia del Sacramento. O centro histórico dessa cidade, que tem prédios com influência portuguesa em sua arquitetura, foi tombado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). O melhor? Colonia fica a apenas 1 hora de barca de Buenos Aires!

Média de gastos por dia

  • Colonia del Sacramento: aproximadamente R$ 148;
  • Montevidéu: aproximadamente R$ 158;
  • Punta del Este: aproximadamente R$ 217.

9. Venezuela

Apesar da crise que assola o país, a Venezuela continua sendo parada obrigatória em um mochilão na América do Sul. Os habitantes da sua capital, Caracas, vivem em meio a belos prédios coloniais e grandes parques — aqui, o destaque vai para o Parque del Este, projetado pelo paisagista brasileiro Roberto Burle Marx.

É na Venezuela que se encontra Los Roques, o maior parque marinho da América Latina. São 42 ilhas que, como é de se imaginar, oferecem diversas opções para velejar, mergulhar ou praticar windsurf.

Média de gastos por dia

  • Caracas: aproximadamente R$ 143.

6 cuidados com a segurança em um mochilão na América do Sul

1. Fique atento ao seu dinheiro

Carregue a grana de diferentes formas: de cartões de crédito a dinheiro em espécie. E não deixe tudo junto. Divida as notas entre os bolsos da sua calça e, se possível, use uma pochete — que é prática e está sempre à vista.

2. Tenha uma cópia dos seus documentos

Faça uma cópia impressa dos seus documentos. Aproveite para digitalizar a papelada e enviar os arquivos para o seu e-mail. Dessa maneira, você pode acessá-los em qualquer lugar que conte com uma conexão à internet.

3. Use cadeados na sua mochila

Use um cadeado para proteger a sua bagagem contra furtos no momento de despachar a bagagem no aeroporto e nos terminais de ônibus e de deixá-la no armário dos hostels.

4. Carregue um kit farmácia

Comprar itens de farmácia fora do Brasil pode ser uma tarefa complicada, sobretudo se você não é fluente no idioma local. Por isso, carregue alguns medicamentos e outros produtos básicos, como:

  • antiácido;
  • protetor solar;
  • remédio para dor de cabeça;
  • remédio para dor muscular.

Atenção! Se você toma algum remédio prescrito, não se esqueça de levar a receita, mesmo que não vá comprá-lo.

5. Contrate guias credenciados

Atividades de aventura envolvem muitos riscos. Sendo assim, é extremamente importante contar com guias e com equipamentos de qualidade. Use a internet para encontrar agências credenciadas e que ofereçam essas atividades monitoradas.

6. Invista em um seguro de viagem

Embora não seja cobrado em nenhum desses países, o seguro de viagem continua sendo um ótimo investimento para o mochileiro. Pense bem: as consultas médicas não são baratas, e ele ainda garante que você tenha mais tranquilidade ao longo da sua aventura. Cá entre nós: durante uma viagem, queremos curtir cada cantinho, e não ficar com medo do que possa acontecer, certo?

Gostou deste post sobre mochilão na América do Sul? Sente que está preparado para começar a sua jornada? Então compartilhe este texto nas suas redes sociais e convide os seus amigos para essa viagem inesquecível!