Não pense que você vai ficar sem o que fazer em Bariloche no verão. Apesar da reputação merecida de ser um dos melhores destinos no inverno do hemisfério sul, a cidade argentina é muito mais do que apenas neve e estações de esqui.

Além dos passeios culturais e gastronômicos que podem ser realizados em qualquer época do ano, a região também é famosa pelas praias nas beiras do lagos e muitas outras atrações naturais.

Neste artigo, vamos falar sobre o que fazer em Bariloche no verão e mostrar as várias opções de passeios para quem quer visitar a cidade na época mais quente do ano. Boa leitura!

Conheça San Carlos de Bariloche

o-que-fazer-em-bariloche

Rodeada de lagos e montanhas, a cidade de San Carlos de Bariloche tem cerca de 130 mil habitantes e fica na Província de Rio Negro, na Argentina. A fundação oficial foi em 1902, mas a região já era explorada por missionários chilenos desde o século XVIII. Existem até evidências de que houve assentamentos de povos nativos bem antes disso.

Por ter sido fundada por imigrantes alemães, Bariloche tem uma arquitetura que remete aos estilos germânicos da Baviera e Boêmia, com um toque gótico em algumas construções.

Chegar em Bariloche é fácil para turistas brasileiros. Além de voos diretos de algumas cidades durante o inverno, no verão existem opções com conexão em Buenos Aires. O trecho aéreo da capital argentina até o Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria leva em torno de duas horas — bem mais tranquilo do que as 21 horas de viagem de ônibus entre as duas cidades.

A cidade é agradável para visitas durante todo o ano e costuma ter um bom movimento de turistas tanto no inverno quanto no verão. Inclusive, a época com volume maior de visitantes é no começo do verão, em dezembro, quando muitos estudantes argentinos vão até Bariloche para comemorar a formatura.

Saiba como é o clima de Bariloche no verão

Assim como em qualquer lugar do hemisfério sul, o verão de Bariloche acontece entre o solstício de verão, normalmente no dia 21 de dezembro, e termina no equinócio de outono, que acontece por volta do dia 20 de março.

Não espere um calor tropical nessa época: apesar das temperaturas subirem, é raro que cheguem aos 25°C e podem bater os 5°C em noites mais frias. Além disso, nos passeios em altitudes elevadas, o frio e o vento podem deixar a sensação térmica ainda menor.

Ainda assim, nessa época o clima é agradável na maior parte dos dias e garante que turistas aproveitem o sol e os mergulhos nas praias e lagos da região.

Descubra o que fazer em Bariloche durante o verão

Sobram opções de turismo em Bariloche no verão e mesmo quem pensa em passar algumas semanas terá passeios para curtir todos os dias. Selecionamos alguns dos principais. Confira!

1. Circuito Chico

o-que-fazer-em-bariloche

Também conhecido como “circuito pequeno”, o Circuito Chico é um passeio que engloba diversos pontos turísticos da região e pode ser a melhor escolha para o primeiro dia de viagem, especialmente para quem vai ficar apenas alguns dias em Bariloche.

Com duração de aproximadamente 4 horas, o tour percorre 65 km partindo da  Avenida Ezequiel Bustillo, no Centro Cívico de Bariloche. Depois, segue até as margens do lago Nahuel Huapi e faz uma primeira parada no Cerro Campanário.

Em seguida, o circuito vai até a Capela de San Eduardo, que fica perto do Puerto Pañuelo, e sobe para o luxuoso hotel Llao Llao, de onde é possível apreciar uma vista panorâmica de paisagens da região. Por fim, para em mais um ponto elevado e retorna ao ponto inicial.

Diversas agências vendem o Circuito Chico, que é considerado uma carta de apresentação de Bariloche. A recomendação é buscar por agentes de viagem formalizados para evitar ciladas.

2. Circuito Grande

o-que-fazer-em-bariloche

Diferente do Circuito Chico, que pode ser feito no inverno e no verão, o Circuito Grande só é realizado na temporada quente. O passeio dura 12 horas e percorre bosques e estepes da região, além de passar pelos povoados Villa Traful e Villa La Angostura.

Pelo caminho, chamam a atenção formações de rochas vulcânicas, vários lagos e outras paisagens da Patagônia. É um passeio mais longo que o Circuito Chico, mas que vale muito a pena.

3. Cruce Andino

Para quem tem mais tempo e quer explorar a Patagônia com calma, a recomendação é o Cruce Andino, um passeio que percorre três lagos na Cordilheira dos Andes e cruza a fronteira com o Chile.

O Cruce Andino, também conhecido como Cruce de Lagos, atravessa os lagos Nahuel Huapi, o Lago Todos Los Santos e o Frías, todos em trechos de ônibus e barco. Ainda proporciona vistas do Vulcão Osorno e muitas outras paisagens incríveis.

O Cruce Andino é feito em um dia só e dura cerca de 12 horas. Quem quiser dar um ritmo mais lento e curtir a natureza pelo caminho, pode pernoitar no vilarejo de Peulla.

4. Praias nos lagos

o-que-fazer-em-bariloche

Apesar de não estar no litoral, Bariloche também é famosa pelas dezenas de praias lacustres, ótimas para aproveitar o sol do verão e muito visitadas por turistas argentinos nessa época.

A mais conhecida delas é a Playa Bonita, localizada nas margens do Nahuel Huapi. Tem a melhor estrutura para visitantes, com salva-vidas, banheiros e aluguel de caiaques e equipamentos de mergulho.

Outra opção no lago Nahuel Huapi é a Playa Bahia Serena, um pouco menor e excelente para curtir o pôr do sol.

No mesmo lago fica a Playa Centenário, a favorita de quem quer praticar esportes aquáticos, já que é uma das poucas praias da região com ondas.

Além do Nahuel Huapi, existem praias no Lago Gutiérrez e no Lago Moreno, um pouco mais distantes, mas com a vantagem de ter águas mais quentes e agradáveis.

5. Centro Cívico

o-que-fazer-em-bariloche

É o centro histórico e turístico de Bariloche, onde ficam algumas das suas principais construções, como o Museu da Patagônia, passeio obrigatório para quem quer conhecer mais a história da região.

Com um visual que lembra cidades alemãs e austríacas, o Centro Cívico fica às margens do Nahuel Huapi. É composto por uma praça retangular cercada de prédios históricos, como o já citado Museu da Patagônia, além da Biblioteca Popular Domingo Faustino Sarmiento, o Correio Municipal e a prefeitura, que abriga um grande relógio.

Nos arredores do Centro Cívico ficam as ruas Mitre e Libertad, onde estão os principais hotéis e lojas da cidade. Outra atração da praça é a presença constante de cães da raça São Bernardo, que posam para fotos com os turistas.

6. Vulcão Tronador

o-que-fazer-em-bariloche

O majestoso Vulcão Tronador é mais um passeio clássico de Bariloche que pode ser feito tanto no verão como no inverno. Parte da cordilheira dos Andes, o Tronador é um vulcão inativo com mais de 3400 metros de altura e que fica na fronteira com o Chile.

Além da vista deslumbrante do vulcão, o caminho é recheado de paisagens e natureza que já valem o passeio. O nome Tronador é uma referência ao barulho do gelo se desprendendo dos glaciares do vulcão, similar ao de um trovão.

7. Cerro Catedral

O Cerro Catedral fica a 19 quilômetros de Bariloche e abriga a maior estação de esqui da América Latina. No verão, ele não fica tomado pela neve, mas continua aberto para quem quiser passear no teleférico e curtir as paisagens.

Outra opção é realizar caminhadas em trilhas ou passeios de bicicleta na montanha durante o verão. Apesar de não ter neve nessa época do ano, o clima no alto do Cerro Catedral pode ficar frio, então é recomendável se agasalhar.

O Cerro Catedral também tem restaurantes e confeitarias no topo que funcionam no verão e merecem a visita.

8. Cerro Campanário

o-que-fazer-em-bariloche

Diferente do Cerro Catedral, o Cerro Campanário não é adequado para esquiar, mas é indicado para quem quer curtir as paisagens incríveis de Bariloche. São diversos mirantes na montanha com uma estrutura excelente, incluindo um passeio de teleférico e uma cafeteria no topo.

É possível ir de ônibus até o Cerro Campanário: o percurso do centro de Bariloche até a estação do teleférico leva apenas 10 minutos.

9. Cerro Otto

O Complexo Turístico Teleférico Cerro Otto é mais uma montanha que proporciona turismo todos os dias do ano na região de Bariloche. O principal destaque aqui é a Confeitaria Giratória, estabelecimento que gira 360° a 1405 metros de altura e permite que os visitantes curtam uma vista completa da paisagem enquanto degustam pratos típicos.

Para quem busca aventura, do Cerro Otto também partem voos de parapente no verão. Quando a neve termina, as pistas de esqui são cobertas de lonas de vinil para que os turistas escorreguem em boias no percurso.

10. Isla Victoria e Bosque de Arrayanes

o-que-fazer-em-bariloche

O passeio de barco no Nahuel Huapi para conhecer a Isla Victoria e o Bosque de Arrayanes é um roteiro imperdível e um dos mais tradicionais em Bariloche. O embarque é no Puerto Pañuelo, que fica a 25 minutos de carro do centro da cidade.

De lá, os turistas vão até a Isla Victoria, coberta de vegetação nativa e com pontos de observação. Normalmente é feita uma parada de 1 hora e, depois, a embarcação parte para a Península de Quetrihue, onde fica o Bosque de Arrayanes. O bosque é quase todo de árvores da espécie arrayán e pode ser percorrido em trilhas suspensas.

11. Puerto Blest

o-que-fazer-em-bariloche

Outro passeio de barco famoso que parte do Puerto Pañuelo é o que vai até Puerto Blest, uma região com águas esverdeadas e um belo panorama de montanhas do Andes no fundo.

De lá, é possível ir em outros passeios no Lago Frías e na Cachoeira Los Cántaros, ou então se hospedar no Hotel Blest, o único da região. Além de contemplar a natureza única da Patagônia, é possível posar para fotos alimentando gaivotas que sobrevoam os catamarãs que navegam pelo lago. Para isso, basta oferecer biscoitos para os pássaros.

12. Temporada de pesca

A pesca esportiva é forte em Bariloche, mas apenas durante o calor, quando centenas de pescadores visitam a cidade com esse objetivo. Nessa época do ano, existem vários passeios voltados para esse perfil de turista.

A temporada vai de novembro até o final de abril e, para pescar, é preciso obter uma permissão do governo, o que pode ser realizado já em Bariloche.

13. Lojas de chocolates

Além da neve e dos lagos, Bariloche é muito famosa pelas lojas de chocolates, uma tradição que começou com uma família de imigrantes italianos. Atualmente a cidade é um polo da iguaria e considerada por muitos a Suíça sul-americana.

No Centro Cívico fica o Museu do Chocolate, que pertence à marca Havanna e conta com visitas guiadas que mostram a história e como o chocolate é produzido. Ao final do tour, é claro, dá para degustar algumas guloseimas da marca.

Para quem quer se abastecer de chocolates para levar para o Brasil, a recomendação é passear pela rua Mitre, onde ficam as lojas mais conhecidas, como a Rapa Nui, a Fenoglio e a Mamuschka.

Além de chocolates, algumas dessas lojas oferecem sorvetes artesanais de alta qualidade que também são deliciosos e ótimos para curtir no verão.

14. Restaurantes de Bariloche

Close-up of waiter holding bottle and serving red wine during dinner at luxurious gourmet restaurant

Por fim, Bariloche também é muito conhecida pela gastronomia. Seja no verão ou inverno, os restaurantes da cidade colecionam admiradores. Para muitos turistas, a viagem já vale a pena pela comida!

É até injusto tentar reunir todas opções em uma única lista, mas selecionamos algumas opções mais famosas e badaladas da região.

  • El Boliche de Alberto: um tradicional restaurante perto do Centro Cívico e com excelentes opções de carnes e massas.
  • Il Gabbiano: tradicional italiano bem badalado, por isso é importante fazer reservas antecipadamente.
  • Quiven Patagonia House Kitchen: restaurante requintado de cozinha contemporânea para quem busca uma experiência gastronômica diferente.
  • Anima: o destaque da casa é o arroz patagônico, mas outros pratos criativos de inspiração na gastronomia espanhola também valem a visita.
  • Stag: oferece belas vistas para o lago e pratos da gastronomia mediterrânea e argentina.
  • Família Weiss: restaurante tradicional com pratos alemães e argentinos, com destaque para o ciervo à la cazadora, um cervo cozido.

Como deve ter dado para notar, não faltam opções de passeios em Bariloche no verão ou no inverno. A cidade argentina é um destino que pode ser apreciado durante o ano todo, especialmente para quem quer conhecer a deslumbrante natureza local.

E você, tem alguma recomendação sobre o que fazer em Bariloche no verão? Compartilhe com a gente nos comentários!