Viajar para uma cidade que tem dois aeroportos pode trazer muitas dúvidas. Quais as diferenças de cada um? E a melhor localização? Como é feito o deslocamento entre eles? A vista no momento do pouso faz diferença? Esses questionamentos são comuns entre a maioria dos viajantes, mas também são fáceis de serem esclarecidos. Nós selecionamos as informações mais úteis sobre os aeroportos do Rio de Janeiro, acompanhe agora!

Uma cidade, dois aeroportos

As grandes metrópoles necessitam de uma malha aérea maior para atender à demanda. É o caso de cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo. Além do grande tráfego aéreo nacional, essas metrópoles são responsáveis por grande parte dos voos internacionais. Para isso, recebem voos de diferentes regiões do país e criam conexões para o destino final. Dessa forma, dois aeroportos trazem mais benefícios para a tripulação.

Proximidade entre os aeroportos do Rio de Janeiro

Diferente de São Paulo, onde os aeroportos de Guarulhos e Congonhas têm 31 km de distância, no Rio apenas 14 km separam o Santos Dumont do Galeão. Eles ficam próximos de áreas de interesses turísticos, culturais, empresariais, acadêmicos e de lazer. Além disso, caso você precise se deslocar entre eles o trajeto não é tão extenso. Só é preciso atentar para os horários para não pegar muito trânsito.

Dependendo de onde você for se hospedar ou pretende visitar, um aeroporto pode ser mais útil do que o outro. Quer saber os detalhes de cada um e descobrir qual se encaixa melhor no seu perfil de viagem? Então continue lendo este texto e descubra.

Aeroporto Santos Dumont

Conhecido internacionalmente pela vista privilegiada, o Aeroporto Santos Dumont está localizado no coração da cidade maravilhosa. Ele contempla o mar e o Pão de Açúcar, tanto na decolagem quanto no pouso. De dia ou à noite, a paisagem encanta os viajantes. Por esse motivo, ele é considerado um dos aeroportos mais bonitos do Brasil.

Se você tiver a sorte de pegar um voo durante o nascer ou o pôr do sol, terá uma experiência inesquecível! Por isso, não hesite em escolher a poltrona da janela.

Mas além de avistar o cartão-postal carioca, existem outros benefícios. A localização é o principal deles. Situado no centro da cidade, é uma boa opção para quem vai hospedar-se na principal área da zona hoteleira ou precisa ficar próximo à zona de negócios. Também é indicado para quem pretende conhecer as atrações históricas do Centro, os bairros boêmios Santa Teresa e Lapa ou deseja ir à Rodoviária Novo Rio.

O deslocamento para a Zona Sul, área que abrange os principais pontos turísticos e praias, é bastante acessível. São poucos minutos até os bairros mais próximos, como Flamengo e Botafogo, e cerca de 15 minutos para Copacabana. Já para quem pretende ir até a Lagoa Rodrigo de Freitas, Parque Lage, Jardim Botânico e Leblon vai levar entre 20 a 25 minutos, pois a distância do Centro para essas atrações é de aproximadamente 20 quilômetros.

História

O aeroporto foi construído nos anos 30, uma idealização do urbanista francês Alfred Agache quando o Rio de Janeiro era a capital federal do Brasil, ou seja, foi o primeiro aeroporto civil do país. Ou seja, precisava atender à crescente demanda de passageiros nacionais e internacionais. Foi projetado pelos irmãos Marcelo e Milton Roberto.

Mas além da construção em si, o empreendimento também tem painéis do artista Cadmo Fausto, que representa o “sonho de Ícaro” realizado por Alberto Santos Dumont com o 14-Bis. Outra obra que merece ser vista é o busto do aviador que deu nome ao aeroporto. Trata-se de uma escultura do artista plástico francês Hugues Desmazieres.

Curiosidades

Apesar de toda a beleza ao redor do Santos Dumont, o passageiro que deseja decolar ou pousar nesse aeroporto deve considerar as suas restrições operacionais, pois ele está localizado numa região de altíssima densidade demográfica. Para amenizar o impacto ambiental e ruído ao longo da madrugada na vizinhança, ele fica fechado para pousos e decolagens entre 23:00 e 6:00.

O lado negativo do Santos Dumont é a oferta de voos, pois apenas oito companhias aéreas operam no aeroporto, e são todos voos nacionais. São voos domésticos e de curta distância. Eles vêm de Brasília e da região sudeste, ou em conexões por esses lugares.

O principal destino é a ponte aérea Rio-São Paulo. Além dele, há voos para as principais capitais, mas com menor oferta de horário e, às vezes, com valor maior do que o cobrado pelo Galeão. Confira agora os destinos:

  • Campinas;
  • Brasília;
  • Belo Horizonte – Confins;
  • São Paulo – Congonhas;
  • São Paulo – Guarulhos;
  • Campo dos Goytacazes;
  • Goiânia, Palmas;
  • Navegantes;
  • Uberlândia;
  • Ribeirão Preto;
  • Porto Seguro;
  • Porto Alegre;
  • Curitiba;
  • Vitória.

Detalhes

A área bruta do aeroporto é de 8 mil m², que comporta 11,6% do terminal de passageiros, com 2 pavimentos, 156 pontos comerciais, subsolo, térreo e mezanino. Além disso, tem 8 pontes de embarque, 13 estações remotas de aeronave e capacidade diária de 29 mil pessoas e anual de 9,9 milhões de pessoas.

Veja as distâncias para os pontos mais procurados:

Hospital (Souza Aguiar) 1,9 km
Metrô (Estação Cinelândia) 800 metros
Hotéis 5 km
Rodoviária 8 km
Aeroporto Tom Jobim (Galeão) 14 km

Devido as suas características, criou-se o seguinte ditado popular: “na dúvida, vá para o Santos Dumont”. E isso se deve à boa localização e à vista panorâmica. O aeroporto proporciona uma ótima recepção na capital fluminense, além de garantir a rapidez de deslocamento que todo turista deseja. Por isso, o aeroporto é um dos queridinhos dos cariocas e de muitos brasileiros.

Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão)

Com o crescimento do estado do Rio de Janeiro, o aeroporto Santos Dumont já não atendia à demanda e tornou-se necessária a criação de mais um aeroporto, principalmente para operações internacionais. Foi aí que o Aeroporto Tom Jobim foi criado. Ele é muito maior e tem capacidade muito superior ao Santos Dumont.

Localizado na Ilha do Governador, está a 20 km de distância do Centro do Rio. Apesar de ficar mais distante de boa parte da cidade, ele tem acesso facilitado. É utilizado para voos domésticos e internacionais, para aviação geral e a militar (Base Aérea do Galeão).

História

Também chamado de RIOgaleão, o aeroporto Tom Jobim teve início no ano de 1924, quando a Escola de Aviação Naval foi transferida para a Ponta do Galeão. Ele passou a ser, oficialmente, internacional em 1945 e desde então mostrou-se um exemplo de modernidade. Em 2013 foi arrematado pelo consórcio Aeroportos do Futuro e ampliou a sua capacidade, tornando-se o maior aeroporto internacional do Brasil, considerando a sua área total: 280 mil m², o equivalente a 39 campos do Maracanã.

Detalhes

Devido a sua grandiosidade, o Tom Jobim ocupa a 2º posição no ranking de aeroportos internacionais mais movimentados do Brasil. Também é destaque quando o assunto é terminal de cargas, ocupando a 4ª posição no ranking. Ele possui uma pista de pouso e decolagem com 4 mil metros, um destaque entre os aeroportos brasileiros.

Na sua estrutura, ele tem 213 balcões de check-in, operando 24 horas por dia e 23 linhas aéreas, sendo 6 domésticas e 17 internacionais. De lá, partem voos para 25 destinos nacionais e 24 internacionais.

Curiosidades

Se você pegar um voo para o Galeão é importante programar bem o seu tempo, desde o trajeto até o aeroporto quanto o deslocamento até o seu portal de embarque. Se ainda precisar fazer check-in, despachar mala, fazer uma refeição ou precisar comprar algo, saia com bastante antecedência. Você pode levar até 40 minutos só para caminhar do balcão da companhia aérea até o portão de embarque.

Quem gosta de fazer compras vai se encantar com a quantidade de lojas com produtos para os mais variados gostos. Além das tradicionais livrarias, cafés e restaurantes, o Galeão tem um leque extenso de lojas nacionais e internacionais. Os serviços e lojas farão com que o tempo de espera ou conexão passe tão rápido que você não ficará entediado. Praticamente tudo o que você precisar, vai encontrar no aeroporto.

E se precisar descansar durante uma conexão ou precisar de uma estadia curta, pode contar com o Rio Aeroporto Hotel, localizado no Terminal 1. Ele funciona 24h por dia e conta com quartos, salão para reuniões de negócios e um restaurante especializado em grelhados, o Steak House. O hotel também tem a opção com café da manhã, que é servido no quarto.

Trânsito entre os aeroportos

No Galeão, o acesso ao metrô é feito pelas linhas vermelha e amarela. De carro, é preciso trafegar pela Avenida Brasil. Já o Santos Dumont fica bem próximo à estação de metrô da Cinelândia. Como ele está no centro da cidade, você não terá dificuldade em trafegar de carro.

Se precisar transitar entre os aeroportos ou quiser mais comodidade, você pode optar pelo ônibus executivo e com ar-condicionado, que faz os trajetos turísticos no Rio de Janeiro, o “Frescão”. O percurso para quem vem do RioGaleão é: Rodoviária Novo Rio, Centro, Aeroporto Santos Dumont e bairros Flamengo, Botafogo, Copacabana, Ipanema e Leblon.

Também existem ônibus de linhas comuns, táxis e carros de economia compartilhada (Uber, Cabify e 99pop) para realizar o deslocamento entre os aeroportos ou na própria cidade.

Caso prefira dirigir um carro, tenha cuidado ao utilizar o serviço do GPS. Apesar de ele escolher o melhor trajeto, muitas vezes, ele tira do trânsito e leva para lugares desconhecidos. Observe bem o percurso indicado no início da viagem e, se achar necessário, faça as alterações ou peça orientações.

Escolha do melhor assento

O melhor lugar para viajar ao Rio de Janeiro é o lado direito da aeronave, ele proporciona uma vista panorâmica da cidade. Ao escolher a poltrona, dê preferência a da janela. Pode parecer óbvio, mas essa é a melhor localização para quem pretende ver o Rio de Janeiro das nuvens.

Antes do pouso, quando o comandante dá as informações da descida, informando a altura e temperatura local da cidade, já é possível avistar o litoral carioca. Os pontos turísticos que podem ser vistos do alto são: Barra da Tijuca, Maracanã, Cristo Redentor, Lagoa Rodrigo de Freitas e Pão de Açúcar. Dessa forma, você terá uma ótima recepção e fechará a viagem com chave de ouro!

Compra no site da companhia aérea

Ao realizar a compra da sua passagem, atente para a sigla que aparece antes do nome da cidade, pois será ela que indicará qual o aeroporto do voo. Para o Santos Dumont, usa-se o código SDU, já o Aeroporto Tom Jobim corresponde à sigla GIG ou Galeão.

Diferenças entre SDU e Galeão

Os principais critérios que devem guiar a sua escolha são: logística e custo-benefício. Claro que uma vista panorâmica impressiona, mas ela não precisa ser o principal parâmetro. Para viagens mais econômicas, o Galeão é mais indicado, porque tem uma oferta maior de voos.

Já as passagens para o Santos Dumont costumam ter valores mais altos. Porém, sabemos que esse não é o único fator que incide sobre o preço de um bilhete aéreo e que a tarifa pode nos surpreender.

Agora, se a sua viagem for curta e você deseja aproveitar ao máximo a cidade maravilhosa, o Santos Dumont é a melhor opção. Você não vai precisar passar horas no trânsito até chegar ao seu hotel ou perderá os dias de ida e volta devido ao tempo destinado ao deslocamento para pegar o voo. Além disso, poderá apreciar a paisagem antes mesmos de pisar no solo carioca.

Apesar de ter características diferentes, os dois aeroportos têm boa estrutura. São modernos, bem identificados e com uma gama de serviços para tornar o atendimento mais eficiente. Ou seja, seja no SDU ou no Galeão, você pode viajar com tranquilidade.

Ficou mais fácil entender o funcionamento dos aeroportos do Rio de Janeiro? Agora você já pode planejar a sua próxima viagem. Prepare as malas e reserve o seu assento com destino à cidade maravilhosa! E para acompanhar as promoções de passagens e conteúdos de qualidade relacionados à viagem, curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de tudo!