Uma das melhores formas de conhecer uma cidade é pela sua gastronomia. Os sabores revelam sua história, cultura e preferências.

Por mais que tenha um restaurante especializado naquele tipo de culinária, é no destino que você tem a experiência completa. E um dos maiores destaques da gastronomia brasileira é a culinária mineira. Você já conhece?

Nesse texto vamos falar sobre as delícias da comida de Minas Gerais, acompanhe.

Características da culinária local

A comida mineira é uma das mais famosas do Brasil, pois é bastante temperada, leva ingredientes saborosos e resulta em pratos incríveis. O modo de preparo simples e os produtos da terra dão o aspecto caseiro e tornam os pratos ainda mais especiais.

A gordura do porco e o queijo minas são os ingredientes que ganham maior destaque. Mas existem outros igualmente saborosos: café, fubá, quiabo, couve, feijão, galinha e doces. É uma comida forte, que sustenta. Mas também é barata, o que a torna ainda mais popular.

São receitas fáceis, geralmente preparadas no fogão a lenha e servidas em panelas de barro. O principal tempero é o afeto, o que torna a comida ainda mais saborosa!

História da comida mineira

A história da culinária mineira se mistura com o surgimento de Minas Gerais: no ciclo do ouro, entre o final do século XVII e início do século XVIII. Foi nesse período que surgiram as primeiras cidades: Mariana e Ouro Preto — na época já habitadas por índios. A busca por riquezas atraiu muitos estrangeiros, principalmente os portugueses.

Eles vieram em busca do ouro e de pedras preciosas como o diamante, mas também encontraram índios que plantavam e colhiam frutos para a alimentação: milho, mandioca e batata. Os portugueses também deram início ao tráfico de negros da África para serem usados como mão de obra escravas nas novas terras recém-descobertas. Estes, por sua vez, são responsáveis pela produção de comida mais forte e temperada, como a feijoada, que era feita com os restos das carnes que sobravam do consumo português.

No período colonial, as grandes fazendas tinham suas próprias cozinheiras, que usavam os frutos da terra para preparar as refeições. É daí que vem as características interioranas e hospitaleiras de Minas Gerais. E foi essa mistura de índios, escravos, portugueses e outros estrangeiros que deu origem à culinária mineira, rica e variada.

Portanto, antes de experimentar um prato típico de Minas, saiba que ele carrega o encontro de raças e culturas diferentes e tem influências indígenas, africanas e portuguesas. Essa culinária foi se modificando e enriquecendo com o passar dos anos. No início era mais frequente o angu com feijão e depois adicionou novos ingredientes, como o angu com feijão, a carne de porco, de frango, de boi e o arroz.

Principais pratos típicos

Refeições

Feijão tropeiro

Apesar de ser mais comum em Goiás e em São Paulo, foi em Minas Gerais que o feijão tropeiro ganhou fama. O prato é feito de feijão (carioca ou preto) misturado com farinha de mandioca, linguiça, torresmo, bacon, cebola e temperos. Para finalizar, ele leva por cima um ovo frito (com gema mole). O acompanhamento também pode ser um bife, em geral de porco.

O prato é tão tradicional, que pode ser encontrado em restaurantes, botecos e até nos estádios de futebol. O Mineirão, por exemplo, serve o prato durante os jogos e tem público garantido. E por apenas R$10,00 você pode comer essa iguaria nos bares próximos ao Mineirão e ao Independência.

Fígado com jiló

Esse prato também é muito comum em Minas, você pode encontrá-lo em diversos estabelecimentos. A mistura de sabores é ideal para acompanhar uma cerveja ou cachaça. Temperado com cebola, o prato é barato e vai bem em qualquer hora do dia.

Mexido à mineira

Como o próprio nome diz, esse prato junta as sobras de outras refeições: carne de boi, linguiça, ovo, torresmo, couve, arroz, alho, cebola e feijão. Essa mistura forma um tempero único, que dá mais sabor ao prato. Ou seja, não basta juntar tudo em uma panela, precisa de um toque especial. O prato é bastante requisitado no restaurante Casa Cheia, que tem unidades no Mercado Central, na Savassi e no Chopp da Fábrica.

Arroz com pequi

O famoso prato da região centro-oeste também entra na lista porque faz parte da cozinha mineira, principalmente na região norte do Estado. O fruto amarelo, de gosto peculiar, é servido cozido, junto ao arroz com frango.

Frango com quiabo e angu

O quiabo é um exemplo da influência da culinária africana. A mistura dele com frango e angu tornou-se tradição desde o século XIX. O prato é muito fácil de ser encontrado no Mercado Central. Mas se quiser saboreá-lo em um restaurante mais tradicional, vá até o Maria das Tranças, além da refeição, também são servidos pastéis de angu.

Frango ao molho pardo

O prato tem origem portuguesa e diversas variações, devido à colonização desse povo em diferentes regiões do Brasil e do mundo. No nordeste, por exemplo, ele é servido como Galinha à cabidela. A cidade de Macau, na China — que também foi colonizada por portugueses e herdou o seu idioma — também tem sua versão.

Para prepará-lo, uma ave é abatida na hora e o sangue é coletado. O líquido é misturado com um copo de vinagre e levado ao fogo para cozinhar durante meia hora. Em seguida, são acrescentados outros temperos e forma-se o molho pardo. Depois é só colocar o molho no frango cozido e servir junto ao angu, couve, quiabo e farinha de ovos na manteiga.

Leitão à pururuca com farofa

De origem portuguesa, o prato ganha um toque especial mineiro e é servido com arroz branco, farofa, feijão tropeiro e couve. A farofa crocante dá um sabor especial ao prato, tornando-o diferente dos que são servidos em outras regiões do país.

Pururuca nada mais é do que a pele do porco frita. Depois de pronto, o porco ganha o aspecto semelhante ao do baconzitos.

Acompanhamentos

Tutu de feijão

O feijão refogado e cozido (roxinho ou preto) é amassado em forma de purê e depois recebe a farinha de mandioca. Esse ingrediente deixa a mistura mais encorpada, formando um pirão mole. O resultado é um acompanhamento para o almoço ou o jantar. Ele é servido com arroz, couve, torresmo e carne de porco frita.

Couve refogada

É utilizada em praticamente todos os pratos típicos. Ela é cortada em tiras finas e refogada com banha de porco, alho e cebola. A mistura é feita um pouco antes de ir à mesa e também pode levar cubos de bacon no preparo. Depois de pronta, é servida principalmente como acompanhamento de feijoada e do tutu de feijão.

Doces mineiros

Assim como as refeições, as sobremesas mineiras são de salivar. O sabor artesanal é o principal ingrediente que atrai os consumidores. Isso porque os doces começaram a ser produzidos para incrementar a renda das famílias. Mas a qualidade e o primor dos produtos vendidos ganharam fama e até hoje sustentam os produtores. Confira alguns deles:

Doce de Leite

É um dos mais tradicionais e muito fácil de ser achado, tanto puro como em suas variações: doce de leite com coco, com morango e outros ingredientes. Os mais conhecidos são os fabricados em Cambuí e em Viçosa. É difícil comprar apenas um!

Sericaia

O doce tem origem portuguesa, mas ganhou um sabor especial nas mãos dos mineiros. Ele leva ovos, farinha e açúcar. Os ingredientes são misturados e levados ao fogo brando. Depois são assados em forno quente por meia hora e o resultado é irresistível!

Goiabada com queijo

A sobremesa é gostosa, pode ser comida com a mão mesmo. A mistura do doce com o salgado deixa um sabor único. A goiabada mais tradicional é produzida no município de Ponte Nova, mas o produto é encontrado em praticamente todo supermercado. Além disso, existe a goiabada e a goiabada cascão, dura e muito saborosa.

Compotas

Essa receita mineira é feita de conservas de frutas e tem de vários sabores, mas os mais famosos são os de ameixinha de queijo e doce de figo em calda. Por ser caseira, é ideal para ser servida após o almoço ou jantar.

Doce de abóbora

A cidade de Poços de Caldas é referência quando o assunto é doce de abóbora. Lá você pode encontrar a sobremesa em tamanhos enormes, de 100 a 500 quilos. O doce fica ainda mais saboroso quando é recheado com cocada.

Rocambole

A fabricação e comercialização do rocambole alcança gerações desde 1907. As opções recheadas são as mais procuradas: amendoim, doce de leite, chocolate e muito mais. Um bom lugar para saborear a sobremesa é na cidade de Lagoa Dourada, que tem tradição em servir diferentes tipos de rocambole.

Pão de queijo e queijo minas: patrimônios do Estado

O pão de queijo mineiro é inigualável. Ele pode ser consumido em diferentes horário do dia, mas é bastante comum no café da manhã, a melhor forma de saborear é quando ele ainda está quentinho, acompanhado de café. Já o queijo minas pode ser utilizado em diferentes refeições e receitas. Atualmente, é vendido em todo o Brasil e também é procurado por estrangeiros.

Para evitar descaracterizações, tanto a receita do pão de queijo quanto a do queijo minas são registradas como patrimônio cultural do Estado. São verdadeiros tesouros da culinária brasileira! Dá até vontade programar uma viagem de última hora.

Rotas turísticas

Para conhecer e ter uma melhor experiência com os sabores e a história de Minas, você precisa seguir um roteiro. Veja essas sugestões agrupadas por temas:

Gastronomia

  • Mercado Municipal de Belo Horizonte;
  • Restaurante Casa Cheia;
  • Restaurante Maria das Tranças;
  • Festival de cultura e gastronomia de Tiradentes;
  • Bar do Museu Clube da Esquina;
  • Restaurante Xapuri (BH).

Artes

  • Conjunto arquitetônico da Pampulha;
  • Circuito cultural Praça da Liberdade (BH);
  • Museu Memorial Minas Gerais Vale;
  • Feira Hippie aos domingos, no centro de BH;
  • Instituto Inhotim, em Brumadinho.

Natureza

  • Parque Nacional da Serra da Canastra;
  • Parque Nacional Serra do Cipó;
  • Parque Nacional do Caparaó;
  • Parque Estadual do Ibitipoca;
  • Lago de Furnas, em Capitólio.

História

  • Estrada Real;
  • Igrejas de Ouro Preto;
  • Centro histórico de Tiradentes;
  • Minas da Passagem, em Mariana;
  • Museu arquidiocesano de Arte Sacra, em Mariana.

Curiosidades de Minas Gerais

Aeroportos

São 9 aeroportos no total, sendo dois deles na capital Belo Horizonte: Aeroporto Carlos Drummond de Andrade (Pampulha) e Aeroporto Internacional de Belo Horizonte (Confins). Os outros estão divididos nas seguintes cidades:

  • Araxá;
  • Governador Valadares;
  • Ipatinga;
  • Montes Claros;
  • Uberlândia;
  • Uberaba;
  • Varginha.

Mineirês

Os mineiros têm praticamente um idioma próprio. São tantas expressões e sotaques diferentes que, às vezes, fica difícil entender o que estão dizendo. Eles diminuem e abreviam as palavras, além de fundir palavras diferentes.

Por exemplo, “bocadinho” vira “cadim”, “onde que você está?” vira “oncetá”, “para onde eu vou?” vira “proncovo” e “Belo Horizonte” vira “Belozonte”. Termos como “uai”, “trem” e “ocê” são usados diversas vezes ao dia. Os mineiros se reconhecem a distância, tanto pelo sotaque quanto pela forma como gostam de contar seus causos.

Povo desconfiado

Os mineiros têm fama por desconfiarem de tudo e de todos. Eles são cismados e sempre estão duvidando de algo. Não pense que é por maldade, faz parte da essência do mineiro.

Mineiros famosos

Foi de Minas Gerais que saíram nomes de grande relevância para o país. Confira alguns deles:

  • Alberto Santos Dumont;
  • Juscelino Kubistchek;
  • Darcy Ribeiro;
  • Carlos Drummond de Andrade;
  • Guimarães Rosa;
  • Fernando Sabino;
  • Adélia Prado;
  • Fernando Gabeira;
  • Frei Betto;
  • Mário Prata;
  • Ruy Castro;
  • Ziraldo.
  • Rubem Fonseca.

Fartura de comida

Quando for a Minas Gerais prepare-se para comer muito. Seja em restaurante ou na casa de um parente, o mineiro faz questão de servir uma mesa farta, com pratos típicos, pão de queijo, doces variados e o famoso queijo minas. Aproveite!

Cidades altas

Das 5 cidades mais altas do Brasil, 4 estão em Minas Gerais:

  • Campos do Jordão (SP) — 1.620m
  • Monte Verde (MG) — 1.554m
  • Senador Amaral (MG) — 1.505m
  • Bom Repouso (MG) — 1.360m
  • Gonçalves (MG) — 1.350m

Como diz a canção, quem conhece Minas Gerais não esquece jamais. As belezas naturais, clima, receptividade e culinária mineira trazem uma sensação de aconchego familiar. Mas além do turismo gastronômico, urbano, ecológico e de aventura, uma boa forma de conhecer esse destino é com o turismo histórico. O estado tem grande participação na lista das 11 cidades brasileiras que você precisa visitar!