Viagem é uma palavra que está diretamente relacionada a planejamento. Separar os documentos, preparar a mala, montar o roteiro, reservar a hospedagem, enfim, são muitas atividades a serem realizadas.

Ao viajar com crianças pequenas, todo esse trabalho é redobrado. Além disso, elas precisam de atenção especial durante o voo. Você sabe quais cuidados deve ter antes, durante e depois do trajeto? Então acompanhe este texto!

Antes do voo

Confira as regras da companhia aérea para a idade da criança

O primeiro passo é levar a criança ao pediatra e verificar se ela está saudável para viajar. Bebês com menos de dois meses de vida têm imunidade baixa e pode ser perigoso levá-los, mesmo que a empresa aceite (a companhia pode exigir autorização médica para recém-nascidos entre um e sete dias).

Por isso, leve a criança ao médico e certifique-se sobre a sua saúde. Aproveite a oportunidade e peça sugestões de medicamentos de primeiros socorros.

Outro detalhe importante é checar se o destino para o qual estão viajando exige alguma vacina específica. Se for necessário, providencie.

As tarifas para crianças são diferenciadas, mas o valor depende da companhia aérea. Crianças de até dois anos embarcam gratuitamente pela Azul, mas outras companhias podem cobrar 10% do preço da passagem de um adulto. Se for viajar ao exterior, confira as tarifas dos voos internacionais. Nos dois casos, a criança deve ir no colo dos pais ou dos responsáveis.

Para verificar se há desconto na passagem, informe a presença da criança na hora da compra. Pela internet, você deve marcar “bebê” ou “criança” durante a busca. O cartão de milhagem pode ser feito a partir de dois anos de idade, por isso lembre-se de levá-lo.

Separe os documentos necessários

Os documentos de identificação válidos para as crianças são: certidão de nascimento, carteira de identidade e passaporte. Cartões de identidade expedidos por ministério ou órgão subordinado à Presidência da República também são aceitos.

Se o voo for internacional, o país de destino pode exigir o passaporte mesmo que a criança tenha menos de dois anos. Para solicitar o documento e obter mais informações, consulte o site da Polícia Federal.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, menores de 12 anos podem viajar com parentes de até terceiro grau, desde que o parentesco seja comprovado. O acompanhante deve apresentar a carteira de identidade, certidão de nascimento ou passaporte da criança.

O documento precisa ser original ou uma cópia autenticada. Se o passeio for para fora do país, o acompanhante deve levar a autorização de viagem internacional de menor.

Organize a bagagem a ser despachada e a bagagem de mão

O carrinho de bebê é despachado gratuitamente. Ele pode ser usado até o momento logo antes do embarque. Depois disso, será levado pelos fiscais da companhia aérea para o compartimento de bagagens despachadas, e então entregue no desembarque.

Para ter direito a bagagem despachada, é necessário comprar a passagem e o assento da criança. Se a viagem for para o exterior, verifique a franquia de bagagem. Normalmente, quem viaja com menores de dois anos pode levar uma mala extra com até 10kg.

A bagagem de mão deve ser organizada com cuidado, priorizando alguns itens e evitando excessos.

Quanto mais leve ela for, será melhor para carregar o bebê e acomodá-lo dentro do avião. Dê preferência a uma mochila no lugar de bolsa, assim fica com as mãos livres. Se preferir, use uma bolsa canguru para dar conforto e facilitar o deslocamento.

Inclua o que será necessário durante o voo: itens de higiene (fraldas, trocador, lenço umedecido e pomada), mudas extras de roupas e manta para cobrir o seu filho quando o ambiente estiver frio.

A maioria das companhias oferece refeições especiais para crianças, mas você também pode levar uma lancheira térmica com mamadeira, água, frutas e papinha.

Escolha a localização mais adequada

Viajar com crianças requer muito cuidado e alguns deslocamentos, portanto, dê preferência aos assentos próximos ao corredor.

Será mais confortável para você e para a criança, além de não incomodar os outros passageiros. Se seu filho costuma ir ao banheiro com frequência, procure ficar no início ou no final do avião, facilitando o acesso.

Em geral, os assentos da frente têm mais espaço e oferecem maior conforto. Além disso, essa localização é ideal para o desembarque de quem não gosta de esperar por muito tempo para sair do avião.

Prepare-se para o embarque

O embarque é conhecido por ter uma fila e um certo tempo de espera. Apesar de viajantes com crianças terem prioridade, procure ficar aguardando a chamada nos bancos. Se estiver com um acompanhante, peça que ele entre primeiro e acomode as malas.

Uma boa orientação é embarcar por último para não irritar o bebê antes da decolagem. Aproveite esse momento e brinque com ele, mostrando os detalhes do aeroporto e do avião.

Evite enjoos e dores de ouvido

Para evitar enjoos, antes de sair de casa ofereça uma alimentação leve e roupas confortáveis à criança.

Se o pediatra recomendar, você pode dar um antiemético. Em voos de longa duração, dê preferência ao horário noturno, pois ele costuma ser mais tranquilo e a criança poderá dormir durante o trajeto. Quando for comprar a passagem, procure o horário mais próximo do sono do seu filho.

Para diminuir a pressão no ouvido (que muitas vezes resulta em choro), amamentar na decolagem e no pouso é uma boa solução, pois o movimento de sucção ajuda a amenizar a dor de ouvido. Para crianças maiores, mascar chiclete ajuda. Mas, se preferir, também é possível usar tampões de ouvido.

Durante o voo

Acomode a criança com conforto

Antes de viajar, consulte os benefícios que a empresa fornece a quem viaja com crianças. Em alguns casos, você pode solicitar um bercinho, que comporta crianças de até 10kg (seis meses). Confira a disponibilidade antes do embarque, pois não é possível reservá-lo com antecedência. Por precaução, leve uma almofada de amamentação ou bebê-conforto.

A almofada é recomendada para bebês e tem a vantagem de você poder acomodá-lo no seu próprio colo.

O bebê-conforto oferece maior segurança, porém, se quiser usá-lo é preciso pagar pelo assento extra. Outra ideia é levar uma fita crepe para cobrir as lanternas do painel caso fiquem acesas por muito tempo, pois isso costuma incomodar o bebê.

Saiba como amamentar o bebê durante o voo

Você pode amamentar a criança normalmente durante a viagem. Caso deseje privacidade, leve uma manta ou cobertor para se cobrir durante a amamentação. Outra opção é levar o leite materno em uma mamadeira.

Se o seu filho toma fórmula, leve a dose certa na mamadeira, para acrescentar a água depois. Peça a um comissário para aquecê-la em um horário diferente da refeição dos demais passageiros.

Entenda como trocar as fraldas do bebê no avião

É possível que o avião tenha um fraldário no banheiro, com tampos que abaixam. Mas se quiser trocar a criança em um espaço maior, use a própria poltrona.

Para isso, leve uma toalha ou trocador portátil. Se for necessário, os comissários de bordo podem ajudar nesse momento. Não se esqueça de descartar corretamente a fralda suja.

Leve entretenimento para a criança

Embora a maioria dos voos ofereça opções de entretenimento, como televisões individuais e canais de música, leve brinquedos para entreter seu filho. Mas escolha aqueles que não fazem barulho, para não incomodar os demais passageiros.

Entre as alternativas mais recomendadas, estão: livros, celular e tablet (com fone de ouvido ou som desligado). Mas você também pode oferecer brinquedos lúdicos de acordo com a idade. Confira algumas sugestões:

  • de 1 a 2 anos: brinquedos com formas e texturas diferenciadas;
  • de 3 a 4 anos: peça à criança para imaginar objetos e animais nas formas das nuvens;
  • de 5 a 6 anos: jogos de palavras e gibis;
  • de 7 a 8 anos: desenho e pintura;
  • de 9 a 10 anos: carrinhos e bonecas;
  • de 11 a 12 anos: videogame.

Uma boa ideia é dar um brinquedo novo, que a criança ainda não conheça. Assim, ela ficará envolvida pela curiosidade por mais tempo.

Caso seu filho chore, tente acalmá-lo

Muitas pessoas aproveitam a viagem para dormir, ler um livro ou até trabalhar, mas para isso o silêncio é muito importante.

Porém, geralmente ele é interrompido pelo choro de uma criança, que pode estar desconfortável, irritada ou só fazendo birra. Os pais ou responsáveis são os únicos capazes de fazer algo para acalmar a criança.

Portanto, se o seu filho começar a chorar, investigue a causa e procure uma solução para acalmá-lo. Ignorar o choro pode agravar a situação, o ideal é conversar ou buscar algum entretenimento para aquele momento. Assim, a viagem será mais tranquila para ele, para você e para os outros passageiros.

Eduque seu filho com boas maneiras

Crianças têm muita energia e gostam de interagir. Quando elas se sentem entediadas, logo buscam uma ocupação.

O problema é que, no avião, alguns hábitos infantis devem ser evitados, como chutar a poltrona, correr pelo corredor, puxar o cabelo do passageiro da frente e gritar. Antes de o avião decolar, converse com seu filho. Explique o que não pode ser feito, dê exemplos e elogie o bom comportamento.

Durante um momento crítico, procure respirar fundo e não perca o controle. Entenda o que está acontecendo e reforce as boas maneiras ensinadas antes do voo.

Você pode até fazer a brincadeira da “polícia do avião”. Diga que há um policial dentro do voo observando o comportamento das crianças. Isso vai estimular a imaginação e acalmar os ânimos. Se a criança incomodar outro passageiro, oriente-a a pedir desculpas.

Se o comportamento do seu filho for muito inadequado, espere até o final da viagem para conversar com ele.

Explique o que ele fez de errado e indique como ele pode agir para melhorar. Lembre-se de que ele vai crescer e se tornar um cidadão, portanto precisa conhecer os limites para conviver em harmonia com a sociedade.

Após o voo

Converse com seu filho após a viagem

Após a aterrissagem, o avião permanece estacionado e de portas fechadas por determinado tempo. Esse é o momento em que as crianças ficam mais inquietas. Redobre a atenção e mantenha seu filho ocupado.

Mostre os outros aviões que podem ser vistos pela janela e peça que ele conte como acha que está o clima. Estimule a sua imaginação falando sobre as atividades que vão realizar no destino.

Aproveite para fazer um balanço sobre o comportamento do seu filho durante o voo. Fale sobre os pontos positivos e negativos, estimulando-o a melhorar para participar das próximas viagens. Mas não se esqueça de elogiar os bons hábitos, pois esse reconhecimento serve de incentivo.

Dê uma recompensa temática

Uma boa forma de parabenizar os filhos pelo bom comportamento é presenteando-os com recompensas.

Mas isso não deve ser usado como uma chantagem do tipo “se você se comportar, vai ganhar um presente”. O ideal é que seja uma surpresa. Assim, eles aprenderão de forma espontânea, por meio do exemplo.

Experimente comprar algo relacionado ao tema da viagem ou do destino que estão visitando. Por exemplo, se for praia, dê um conjunto de forminhas de areia; se for serra, dê uma minifazendinha para que ele possa simular a vida no campo. Além de ficar feliz com o presente, a criança terá boas recordações da viagem.

Faça uma checklist

Assim como você se preparou para realizar a viagem, deve checar se tudo ocorreu bem. Verifique todos os itens da bagagem de mão, documentos e lanches.

Descarte o que não vai usar, como embalagens e restos de alimentos. A sensação de realizar uma checklist com saldo positivo é recompensadora e serve de experiência para a próxima viagem.

Apesar de exigir alguns cuidados, viajar com crianças pequenas é muito divertido. É uma experiência diferente, na qual você pode incentivar atividades lúdicas e brincar com o seu filho.

Essa aproximação só traz benefícios para a família. E lembre-se de que essas sugestões são para o próprio conforto da criança e para proporcionar uma viagem agradável aos demais passageiros.

Gostou do texto ou tem experiências pra contar? Então deixe o seu comentário!