Existe coisa melhor do que passar um tempo só com a família? Quando esse período de reunião ocorre durante as férias, as experiências que passamos juntos com as pessoas que mais amamos ficam eternizadas.

Partir numa aventura, seja ela nacional, seja internacional, requer uma série de preparativos, que podem definir o sucesso ou o fracasso da sua jornada. Por essa razão, muita gente fica com receio de organizar viagens, pensando que vai cair em roubadas por falta de conhecimento prévio de todas as etapas antes de embarcar.

Quem nunca viajou numa aeronave fica na dúvida em como deve agir antes, durante e depois do voo. Por essa razão, vamos contar neste artigo tudo o que é necessário saber para realizar a primeira viagem de avião. Siga conosco e aproveite a leitura!

Viajar de avião é seguro?

Antes de tudo, vamos esclarecer os fatos: viajar de avião é muito seguro e existem muitos estudos que indicam que esse é o meio de transporte com a menor taxa de acidentes. Ou seja, a probabilidade de ter algum problema viajando de carro ou ônibus é maior do que a bordo de uma aeronave.

Para você ter ideia, as companhias aéreas são fiscalizadas por órgãos governamentais e independentes, que estabelecem padrões de segurança usados no mundo. Isso promove a manutenção constante das frotas das empresas, que trabalham com medidas de prevenção de problemas mecânicos, avaliação física e psicológica das tripulações, além de muitos treinamentos e simulações.

Ou seja, é possível afirmar que voar é muito seguro e que a sua família terá uma viagem tranquila, com conforto e praticidade. O avião é o modo mais rápido, econômico e vantajoso para explorar o planeta.

Quais são os documentos para a primeira viagem de avião?

Quando você decide fazer uma viagem de férias com o seu pessoal, a primeira coisa a ser feita é conferir a documentação. Algumas repartições públicas podem demorar para emitir RG, passaporte e certidões, então, os viajantes precisam fazer as solicitações com bastante antecedência. Vale reforçar que a falta de documentos obrigatórios impede o embarque, o que vai estragar os seus planos e trazer muitos prejuízos financeiros.

Quando a viagem é para um destino nacional, todos os passageiros devem portar um dos seguintes documentos de identificação com foto:

  • RG (Expedido por uma Secretaria de Segurança Pública estadual);
  • CNH (Carteira Nacional de Habilitação);
  • CNH-e (Carteira Nacional de Habilitação eletrônica);
  • Carteira Funcional (parlamentares, policiais, militares, autoridades públicas, como do Ministério Público, ministros, procuradores etc.);
  • Carteira de Trabalho;
  • e-Título (para quem já realizou a biometria no cartório eleitoral do seu estado).

Sempre que o grupo de viajantes tiver menores de idade, os responsáveis (pai, mãe, avós e tios ou responsável legal) devem estar presentes. Responsáveis que não sejam os pais devem apresentar um documento que comprove o parentesco.

Já nos voos internacionais, todos os passageiros devem portar um passaporte. Muitos países exigem que o documento tenha, no mínimo, 6 meses de validade. Em alguns casos, a nação estrangeira exige um visto de entrada, que pode ser concedido antes do embarque (EUA, Japão e Austrália) ou no momento do desembarque (União Europeia). Sempre confira antes da viagem quais são as políticas de imigração no seu destino.

Quando a viagem for para um dos 9 países da América do Sul que fazem parte de um acordo com o Brasil, é possível passar pelas imigrações estrangeiras portando apenas um documento de identificação brasileiro (RG):

  • Argentina;
  • Bolívia;
  • Colômbia;
  • Chile;
  • Equador;
  • Peru;
  • Paraguai;
  • Uruguai;
  • Venezuela.

Para os menores de idade que pretendem viajar para outros países, além da posse de um passaporte, devem estar na companhia dos pais ou responsáveis legais. Caso apenas um dos genitores esteja na viagem, é necessária uma autorização do outro responsável (pai, mãe ou responsável legal) com firma reconhecida em cartório. A Polícia Federal tem este manual que explica todos esses passos.

Como comprar a passagem aérea?

Depois de escolher o destino das suas férias e checar a documentação necessária para todas as pessoas do grupo, o organizador da viagem deve começar as pesquisas por passagens aéreas. Como o mercado de aviação civil é muito competitivo, é preciso bastante empenho para conseguir os melhores negócios. Hoje em dia, a maneira mais fácil de comprar passagens é pela internet.

Os preços dos bilhetes aéreos variam todos os dias, chegando até a apresentar diferenças em questão de poucas horas. Para economizar com o transporte, os viajantes devem analisar as ofertas por vários dias, o que vai proporcionar mais conhecimento dos valores praticados e dar uma boa perspectiva para saber quando um preço está mais baixo de verdade.

Outros fatores que aumentam ou diminuem os custos com tíquetes são as datas e horários de ida e volta, assim como o destino escolhido. Como as companhias estabelecem os seus preços com base na oferta e procura dos voos, as cidades mais visitadas tendem a ter mais rotas disponíveis, fazendo os valores caírem ou subirem de acordo com a temporada.

Destinos com pouca oferta de voos tendem a ser mais caros, a não ser que o local esteja no período de baixa temporada. Nessa época, é possível encontrar passagens mais baratas para localidades muito disputadas na alta temporada.

A sugestão é separar um tempo para pesquisar nos sites das companhias aéreas, onde os clientes podem achar as melhores ofertas. Faça muitas simulações de trajetos, que podem baratear a viagem. Fazer conexões tende a diminuir o valor em relação a um voo direto, então, só analisando todas as possibilidades permite viajar mais barato.

Quem tem liberdade para variar os dias de embarque e retorno das férias leva vantagem, já que os voos aos finais de semana costumam ser mais caros do que as mesmas rotas durante a semana. As opções de trajetos em horários alternativos também apresentam boas condições de preço.

Para viagens nacionais, o recomendado é iniciar a busca pelas passagens com, pelo menos, 45 a 60 dias de antecedência. Para as viagens internacionais, a busca deve começar de 3 a 4 meses antes do embarque. Deixar para comprar os bilhetes em cima da hora faz os preços subirem bastante, inviabilizando a jornada.

A temporada determina o valor das passagens, então, considere esse fator na hora de planejar as suas férias. Por exemplo: viajar para o leste europeu no outono (outubro até o meio de dezembro) é muito mais em conta do que fazer esse roteiro no verão (junho a setembro).

Fechando o negócio

Depois de muito pesquisar e estudar as variáveis que compõem o preço das passagens aéreas, os viajantes devem bater o martelo e definir qual a melhor companhia para embarcar. O cliente precisa conferir todas as informações dos voos, como dias, horários e locais para onde vai viajar.

Antes de pagar pelos bilhetes, confirme quais serviços fazem parte da tarifa escolhida. As empresas podem cobrar cada item de forma separada, como franquia de bagagem, marcação de assentos, uso do entretenimento de bordo, refeições e bebidas (leia mais abaixo). Muitas vezes, um valor baixo na cotação da passagem não quer dizer que a viagem será econômica.

Para efetuar o pagamento, cada empresa tem o seu sistema de cobrança, que define o número de parcelas que a compra terá. A forma mais fácil de pagar é usando o cartão de crédito ou de débito. Outras maneiras de pagamento podem acarretar custos indesejados.

Forneça os dados de todos os viajantes, informando os números de documentos, endereços, telefones de contato e e-mail, além dos seus respectivos nomes. Quando concluir a compra, o cliente recebe uma mensagem eletrônica com todas as informações sobre o voo. Caso não receba essa notificação, entre em contato de imediato com a empresa.

Qual é a diferença de voo direto, conexão e escala?

Para garantir que os viajantes façam as melhores jornadas em sua primeira viagem de avião, com os preços mais atraentes, vamos dar as definições sobre as diferenças entre voo direto, conexão e escala. Acompanhe!

Voo direto

Uma aeronave liga duas cidades em um voo direto, sem nenhuma parada no caminho. Essas rotas, também conhecidas como non-stopsão as que têm as viagens mais rápidas, contudo, tendem a ter o valor mais elevado em determinadas datas.

Conexão

Um trajeto que tem uma ou mais conexões indica que os viajantes terão que voar até um aeroporto, desembarcar e tomar outro avião para concluir a jornada. Uma conexão é usada para ligar destinos muito distantes uns dos outros, pois não são muitas as aeronaves que têm autonomia para voar por períodos maiores do que 12 horas.

Por exemplo: para viajar de São Paulo até Tokyo, é obrigatório fazer ao menos uma conexão na Europa, na América do Norte ou no Oriente Médio (Dubai). O passageiro embarca em Cumbica, voa até o aeroporto em um nesses locais e, depois de aguardar por um período, sobe em outra aeronave com destino à capital japonesa.

Claro que, tendo em vista a possibilidade de baratear a aventura, os viajantes podem fazer diversas conexões, que passam pela China, África do Sul, México e Panamá. As rotas também podem ser feitas a bordo de diferentes companhias, que mantêm parcerias para integrar todos os destinos do planeta. Essas são boas oportunidades para um stopover.

Escala

As escalas são paradas que um avião faz durante um percurso. Em geral, elas são usadas em rotas regionais, dentro de um mesmo país, ou em destinos vizinhos à origem. Nessas pausas, a aeronave é reabastecida e novos passageiros embarcam, enquanto outros desembarcam, para depois seguir viagem.

As escalas podem ter duração de 30 minutos a algumas horas, dependendo de diversos fatores. Digamos que uma viagem entre o Rio de Janeiro e Manaus tenha escalas, uma em Belo Horizonte e a outra em Brasília. Isso significa que serão mais dois procedimentos de decolagem e aterrissagem.

Por causa das escalas, essas viagens são mais demoradas. Nas paradas, os passageiros ficam dentro da cabine, sem a possibilidade de sair da aeronave.

Como escolher o melhor assento no avião?

Quando os turistas estão fechando a compra da passagem, serão direcionados para a seleção dos assentos dentro do avião. Nesse momento, é necessário eleger onde cada pessoa vai se sentar, então, é preciso considerar as preferências pessoais.

Em viagens internacionais, as aeronaves usadas são de modelos grandes, que transportam, em alguns casos, mais de 300 passageiros. Sendo assim, o número de opções de assentos será maior, desde a parte da frente até o fundo do avião, incluindo janelas e corredores. Nesses voos para fora do Brasil, as aeronaves têm sanitários em todas as seções, facilitando o acesso dos viajantes.

Já nos voos nacionais, as empresas utilizam aviões com menor capacidade. Por isso, a escolha dos assentos é mais limitada. Em geral, os lugares na parte da frente da cabine são reservados a idosos, gestantes, pais com crianças de colo e pessoas com mobilidade reduzida.

Muitas vezes, essas rotas regionais não têm divisão por classes e os sanitários estão localizados apenas na parte de trás da aeronave. Depois de confirmar a escolha dos assentos, é difícil conseguir uma alteração, já que outros clientes podem ter selecionado os lugares restantes.

Algumas empresas aéreas cobram de forma separada pela marcação dos lugares. Quem opta por não pagar a tarifa é colocado nos assentos que sobrarem, dificultando que as famílias sentem juntas no avião.

Quais são as regras para as bagagens?

Todo mundo precisa levar ao menos uma mala de viagem. Esse volume é necessário para carregar algumas trocas de roupa, produtos de higiene e outros artigos de uso pessoal. Por medida de segurança, alguns itens são proibidos dentro das aeronaves:

  • armas de fogo;
  • explosivos;
  • produtos inflamáveis;
  • gás comprimido;
  • ácidos;
  • produtos tóxicos;
  • skates elétricos (com bateria de lítio);
  • alimentos não industrializados (sementes, frutas, legumes e carnes).

Com as recentes mudanças nas regras de bagagem na aviação civil no Brasil, as empresas podem cobrar de modo separado para despacharem as malas dos passageiros. Isso quer dizer que, além da tarifa da passagem, o cliente pode ter que adquirir uma franquia para transportar as suas bagagens no avião.

Cada companhia tem as suas políticas em relação a essas cobranças adicionais, então, o viajante tem que prestar bastante atenção no ato da compra do bilhete, para não ter surpresas desagradáveis na hora do embarque.

Enquanto certas tarifas incluem até dois volumes a serem despachados, outras demandam pagamento em separado. É comum existirem bons descontos para quem paga com antecedência pela franquia de malas, que costuma ser negociada nos sites das aéreas. Quando o viajante deixa para pagar na última hora, além de ter um custo maior, ainda vai perder tempo antes de embarcar.

Tamanho permitido da bagagem despachada

Cada bagagem enviada ao compartimento de cargas do avião deve ter, no máximo, o peso de 23 kg. Além disso, as dimensões de altura, largura e comprimento somadas não podem passar de 158 centímetros.

Caso a bagagem a ser despachada ultrapasse os limites permitidos, o passageiro deve pagar pelo excesso no balcão. As empresas têm as suas regras para essa cobrança, contudo, os valores praticados no mercado são bem altos. Sempre confira o peso dos volumes antes de fazer o check-in. Nos saguões dos aeroportos, existem balanças, que podem ser usadas para checar os volumes.

Tamanho da mala de mão

Todo voo dá direito ao passageiro levar uma bagagem de mão na cabine. Essa mala deve ter, no máximo, o peso de 10 kg. Suas dimensões não podem passar de 35 cm de comprimento por 25 cm largura por 55 cm de altura.

Quando a mala de mão ultrapassa os limites estabelecidos, a tripulação pode solicitar que o cliente despache o volume, gerando mais custos. Certifique-se de que o peso da bagagem esteja de acordo com as regras antes de se apresentar no balcão da companhia.

Por medida de segurança, as bagagens de mão não podem conter produtos líquidos em grandes quantidades. Itens como shampoo, perfume, cremes, loções, sabonetes e similares devem ser acondicionados em frascos transparentes de, no máximo, 100 ml. Os objetos proibidos a bordo podem ser confiscados e descartados pelos agentes aeroportuários.

Além da mala de mão, o passageiro pode levar na cabine um artigo de uso pessoal, como bolsas, mochilas, sacolas e malas de notebook. Esses volumes não podem ultrapassar as medidas de 35 cm de comprimento por 20 cm de largura por 45 cm de altura, e devem ser posicionados debaixo da poltrona em frente ao viajante.

Quanto tempo antes devo chegar ao aeroporto?

Para a primeira viagem de avião ser um sucesso absoluto, os turistas precisam ter bastante atenção com os horários de embarque dos trajetos contratados. Salvo em dias com ocorrências graves, as partidas dos aviões costumam ser pontuais. Perder um voo acarreta muito prejuízo econômico, contudo, a dor de cabeça e o tempo gasto é que podem mesmo estragar as férias do viajante.

Por isso, para qualquer jornada, a sugestão é sempre chegar o mais cedo possível ao terminal. Para voos nacionais, os passageiros têm que estar no aeroporto com, no mínimo, 2 horas de antecedência.

em caso de viagens internacionais, é recomendado chegar de 3 a 4 horas antes da partida. Esse tempo é necessário para os passageiros cumprirem todas as etapas pré-embarque: check-in, despachar as bagagens, passar pelos controles de segurança e se dirigir ao portão de acesso à aeronave.

Muitos aeroportos do mundo são gigantescos, com centenas de portões e áreas de embarque. Em Madri, por exemplo, caminhar entre um terminal e outro leva cerca de 40 minutos a pé. Chegar mais cedo é essencial para ter uma viagem tranquila e segura.

O que é o check-in e como despachar as malas?

No dia da viagem, os passageiros devem comparecer ao balcão de check-in da companhia aérea escolhida. A sinalização indica os destinos, então, o cliente se dirige a um dos postos para a apresentação dos documentos e para despachar as bagagens.

Depois de conferir a papelada, o atendente vai pesar e etiquetar os volumes, para então entregar os comprovantes para os passageiros. As malas seguem por uma esteira e são enviadas de forma automática para as aeronaves. Os viajantes só encontraram as suas bagagens no momento do desembarque no destino.

Em caso de voos com conexões, as malas costumam chegar no ponto final da jornada. Isso quer dizer que os passageiros não precisam procurar os seus pertences no meio da jornada, apenas no aeroporto de destino.

Mesmo assim, o recomendado é sempre confirmar com os atendentes da companhia como proceder, já que existem situações específicas nas quais o viajante precisa recolher as malas antes de seguir.

Como saber qual é o avião e portão de embarque

Com o cartão de embarque em mãos, os passageiros devem se apresentar no portão indicado no bilhete. Em geral, a sinalização dos aeroportos usa letras e números para indicar de onde os aviões vão partir. Na passagem, também está indicado o número do voo, que tem as iniciais da empresa aérea em sua composição, além de mostrar o destino daquela rota e o horário de embarque.

Por exemplo: o voo da Azul 1789 parte de Belo Horizonte (BHZ) com destino a São Paulo (CGH), saindo do portão D11, com embarque iniciando às 21 horas.

Aguarde em frente ao portão indicado até o pessoal da companhia iniciar o embarque. Os atendentes conferem mais uma vez os tíquetes e os documentos e, então, indicam o caminho para entrar na aeronave.

Como é durante o voo?

Chegando dentro do avião, os comissários de bordo vão mostrar onde ficam os assentos. Guarde as bagagens de mão nos compartimentos logo acima das poltronas e se acomode.

A tripulação faz diversos avisos antes da decolagem, mostrando as medidas de segurança, saídas de emergência da aeronave, bem como informações de como agir durante o voo. Uma das principais recomendações é para que os passageiros permaneçam sentados e com os cintos afivelados durante toda a viagem.

Caso seja preciso ir aos sanitários, faça de maneira rápida e volte a se sentar logo depois. Durante a decolagem, pousos ou períodos de turbulências, não é permitido se levantar das poltronas. Siga as orientações do pessoal de bordo e faça uma jornada tranquila.

Em determinados momentos do trajeto, os comissários servem as refeições, que são divididas entre café da manhã, almoço, jantar e lanche. Cada companhia tem o seu cardápio, que varia de acordo com o destino da viagem. São servidas:

  • refeições quentes;
  • sanduíches;
  • biscoitos;
  • pães;
  • manteigas e geleias;
  • sucos e refrigerantes;
  • bebidas alcoólicas.

Existem empresas que cobram em separado pela alimentação, em que o passageiro escolhe os itens disponíveis em um menu e paga na hora, usando cartão de crédito ou dinheiro.

As aeronaves mais modernas contam com sistemas de entretenimento, que disponibilizam centenas de filmes, séries, programas de TV, jogos, rádios e muito mais. Esses serviços também podem estar sujeitos a cobranças adicionais, então, confira se a sua tarifa dá direito a essas amenidades durante o voo.

Como proceder no desembarque?

Quando o avião aterrissa, os passageiros desembarcam sob orientação da tripulação. O caminho leva à esteira de bagagens, que são identificadas com o número do voo e a procedência.

Não existe conferência do tíquete de malas e cada pessoa é a responsável por seus pertences. Caso a sua bagagem não apareça na esteira, entre em contato com o pessoal da companhia na mesma hora. Nas férias fora do Brasil, os visitantes terão que passar pela imigração, onde são checados os documentos e concedidas a autorizações de entrada no país.

Percebeu como viajar envolve uma centena de detalhes? Mesmo que seja trabalhoso, organizar as férias da sua família é uma experiência bastante motivadora. Todo o cuidado que temos com as pessoas que mais amamos fazem valer qualquer esforço.

Encontrou tudo o que precisava para fazer a sua primeira viagem de avião? Entre em contato com a gente, pois estamos sempre à disposição para tirar as suas dúvidas!