Imagine o seguinte cenário: executivos carregando suas pastas apressadamente, jovens ansiosos indo visitar as pessoas amadas que moram em outra cidade, turistas escapando rapidamente da rotina para um passeio diferente. Você vai encontrar esse cenário a qualquer hora do dia ou da noite nos aeroportos de Santos Dumont e de Congonhas, que formam a ponte aérea Rio-São Paulo, não é mesmo?

Todo mundo conhece o termo, mas o que é, exatamente, uma ponte aérea? Ela nasce do deslocamento constante entre duas cidades com o objetivo de facilitar a vida de todo mundo que depende dela em sua rotina pessoal e, principalmente, profissional.

Com isso, o trajeto entre os aeroportos acontece com mais fluidez, praticidade, eficiência e economia. No Brasil, temos apenas uma ponte aérea, a Rio-São Paulo, que conecta nossos dois maiores centros turísticos, comerciais e de negócios.

E então, quer saber tudo sobre a história, o funcionamento e a rotina de uma ponte aérea? Neste post, você ainda vai ficar por dentro das melhores táticas para que sua viagem por esses trajetos seja o mais confortável e tranquila possível. Prepare a bagagem de mão e continue a leitura!

Como e por que a Ponte Aérea Rio-São Paulo foi criada?

A única ponte aérea do Brasil nasceu em 1959 como resposta a um problema cada vez mais recorrente: com o crescimento das metrópoles Rio de Janeiro e São Paulo e a intensificação dos viajantes indo e voltando de uma para a outra, havia uma grande quantidade de voos de/para elas operados pelas diferentes companhias aéreas atuando por aqui naquela época.

O resultado? Como diversos voos partiam praticamente nos mesmos horários, vários saiam lotados, enquanto outros voavam com um número muito pequeno de passageiros. Para otimizar a jornada, as companhias aéreas passaram a oferecer voos escalonados e a aceitar passagens também das outras operadoras.

O formato deu tão certo que chegou a ser copiado por companhias aéreas atuando em Nova York. Mas, conforme a ponte aérea tornou-se parte da rotina das duas cidades, a aceitação de passagens de outras operadoras deixou de ser necessária e, ultimamente, foi encerrada. Hoje, você embarca apenas no voo da companhia para a qual comprou passagens, mas pode conseguir antecipar seu horário, se houver vaga em um dos voos operados por ela.

A frequência dos voos da ponte aérea Rio-São Paulo também mudou bastante ao longo dos anos. Afinal, a intensidade dos negócios cresceu muito, assim como a presença das viagens de avião na rotina dos brasileiros. Quando o trajeto oficial nasceu em 1959, um voo partia a cada hora. Atualmente, os intervalos são de apenas 10 minutos durante a semana e, aos finais de semana, eles sobem para os mesmos 60 minutos de antigamente.

E o tempo total de viagem? Como o Rio de Janeiro e São Paulo são cidades muito próximas, o voo dura apenas 45 minutos. É mais rápido do que deslocar-se de carro ou de transporte público para muitos pontos dentro das próprias cidades de origem!

Por causa de todos esses fatores, viajar de/para as duas capitais tornou-se parte da vida de quem mora em uma delas e tem negócios, amigos, familiares, namorada(s) ou até mesmo empregos na outra. O resultado é que, a cada ano, 4 milhões de passagens aéreas são vendidas na rota da ponte aérea, resultando em 78 mil passageiros semanais.

E fora do Brasil?

Em número de passageiros, a ponte aérea Rio-São Paulo é a quinta maior ponte áerea do mundo, de acordo com dados da Forbes referentes ao ano de 2017. Nesse período, foram 39.325 decolagens! Quer saber quais ficam na frente dela?

  • 1º lugar: Jeju-Seul, na Coreia do Sul, com 64.991 decolagens em 2017
  • 2º lugar: Melbourne-Sydney, na Austrália, com 54.519 decolagens
  • 3º lugar: Mumbai-Delhi, na Índia, com 47.462 decolagens
  • 4° lugar: Fukuoka-Tóquio, no Japão, com 42.835 decolagens

Em seguida, depois de Rio-São Paulo, quatro outras pontes aéreas completam o Top 10 das mais movimentadas em 2017:

  • 6º lugar: Sapporo-Tóquio, no Japão, com 38.389 decolagens
  • 7º lugar: Los Angeles-São Francisco, nos Estados Unidos, com 34.897 decolagens
  • 8º lugar: Brisbane-Sydney, na Austrália, com 33.765 decolagens
  • 9º lugar: Cidade do Cabo-Joanesburgo, na África do Sul, com 31.914 decolagens
  • 10º lugar: Pequim-Xangai, na China, com 30.029 decolagens

Como podemos perceber a partir desses dados, as pontes aéreas mais movimentadas são rotas determinadas entre duas grandes cidades dentro de um mesmo país, entre as quais o tráfego de pessoas é intenso e muito frequente.

Fora da lista, há também os trajetos oficializados entre capitais de países próximos, como a ponte aérea Londres-Paris, que conecta as maiores cidades, respectivamente, da Inglaterra e da França.

E esse movimento todo, normalmente, é devido aos negócios que pessoas de uma cidade conduzem na outra ponta da ponte áerea. A exceção principal é justamente a primeira da lista, que conecta a ilha sul-coreana de Jeju à capital do país, Seul — a grande maioria das pessoas fazendo esse percurso está a passeio.

Jeju é a maior ilha da Península Sul-Coreana e, ao longo dos anos, tornou-se um destino muito popular para férias e feriados. Com suas imponentes paisagens vulcânicas, praias paradisíacas e trilhas deslumbrantes, não é à toa que a ilha ganhou o apelido de “Havaí da Coreia do Sul” e o título de Patrimônio Natural pela UNESCO.

Por isso, muitos sul-coreanos, especialmente os que moram na capital, partem para Jeju em busca de relaxamento e diversão. Mas o destino é cada vez mais popular entre os viajantes internacionais — que chegam até lá partindo do aeroporto de Seul. O resultado é que, atualmente, voos entre os destinos partem mais ou menos a cada 15 minutos.

Além disso, é interessante notar que apenas a Austrália, um país de enormes proporções continentais, e o Japão, que conta com níveis altíssimos de indústrias e empresas, aparecem duas vezes entre as pontes aéreas mais movimentadas do mundo.

Mas por que os Estados Unidos, então, aparecem apenas uma vez no ranking? Los Angeles e São Francisco são muito próximas uma da outra, mas outras grandes cidades, como Nova York e Chicago, também contam com pontes aéreas para todo o país.

Acontece que, como há muitas cidades no país para “dividir a atenção” dos profissionais, nenhuma delas concentra um número tão grande de viajantes. Outro motivo é que, por causa do altíssimo número de passageiros circulando pelos ares dos Estados Unidos, quase todas as grandes cidades contam com dois ou até mesmo três aeroportos, o que ajuda a distribuir o fluxo e diminui a intensidade das pontes aéreas mais comuns.

Quais são as principais pontes aéreas internacionais?

Países pequenos e muito próximos uns dos outros também rendem pontes aéreas, especialmente movimentadas em uma época cada vez mais globalizada e sem fronteiras. Com dados de 2015, no mundo todo, as mais agitadas pontes aéreas internacionais são:

  • 1. Hong Kong (China) e Taipé (Taiwan), com 5.1 milhões de passageiros em 2015
  • 2. Jacarta (Indonésia) e Cingapura, com 3.4 milhões de passageiros
  • 3. Bangkok (Tailândia) e Hong Kong (China), com 3 milhões de passageiros
  • 4. Kuala Lumpur (Malásia) e Cingapura, com 2.7 milhões
  • 5. Hong Kong (China) e Cingapura, com 2.7 milhões

Ou seja, todas as cinco maiores pontes aéreas internacionais do mundo encontram-se na Ásia, onde o volume de negócios — e de turismo — entre países próximos é intenso.

E, como foi citado, sobre os Estados Unidos e da peculiaridade de suas pontes aéreas, vamos conferir também as cinco principais pontes aéreas dentro do país. O número de passageiros foi contabilizado de setembro de 2014 a agosto de 2015:

  • 1. Chicago-Nova York, com 4.020 milhões de passageiros dentro do período
  • 2. Los Angeles-São Francisco, com 3.660 milhões de passageiros
  • 3. Los Angeles-Nova York, com 3.420 milhões de passageiros
  • 4. Chicago-Los Angeles, com 3.010 milhões de passageiros
  • 5. Miami-Nova York, com 2.750 milhões de passageiros.

Como os dados apresentados anteriormente pela Forbes estão mais atualizados e contam o número de decolagens, não de passageiros, temos aqui a rota Chicago-Nova York como a maior do país até agosto de 2015. Em 2017, a ponte aérea Los Angeles-São Francisco já havia crescido e chegado ao primeiro lugar.

Por que a ponte aérea Rio-São Paulo é tão importante?

Percebeu como não citamos aqui nenhuma outra ponte aérea na América Latina com exceção da Rio-São Paulo? Um dos principais motivos é o fato de que, em nosso país, os negócios concentram-se nessas duas capitais — em vez de ser espalhado por todo o território, como é o caso dos Estados Unidos.

Mas esse não é o único motivo para a importância da ponte aérea. Afinal, o México também possui essa característica, mas nenhuma de suas rotas de voos atrai um volume sequer próximo a nossa. Para começar, Rio de Janeiro e São Paulo estão separadas por apenas 400 quilômetros no ar, fazendo com que viajar de avião seja mais interessante do que por vias terrestres.

Além disso, a principal estrada que conecta a cidade, a Via Dutra, possui um tráfego intenso de caminhões que faz com que a viagem leve, pelo menos, cinco horas. Nada confortável quando comparamos esse tempo aos 45 minutos de duração do voo, não é?

A localização dos aeroportos também faz toda a diferença. Tanto Congonhas quanto Santos Dumont ficam bem no centro de suas respectivas metrópoles, fazendo com que seja muito fácil e rápido deslocar-se do aeroporto até o escritório ou o hotel.

E os preços das passagens, impactam na popularidade da rota? Com certeza! Viajar de avião de/para Rio e São Paulo é muito mais barato quando comparamos os preços aos das passagens de avião. Além disso, devido à importância da ponte aérea, há promoções frequentes e bastante interessantes para os interessados. Isso sem contar, é claro, com as milhas que os viajantes frequentes acumulam por causa desses voos.

Como tornar a viagem na ponte aérea mais tranquila e prática?

Especialmente por causa do caráter profissional da maior parte dos viajantes de uma ponte aérea, o conforto, a tranquilidade e a praticidade não podem ficar de fora do seu trajeto. Afinal, é muito importante priorizar a eficácia e a produtividade quando você for de uma cidade para outra.

Então, fique de olho nesse texto para otimizar a sua viagem nas pontes aéreas!

Tente levar apenas bagagem de mão

Muitos passageiros é sinônimo de muitas bagagens, o que faz com que você tenha que ficar um bom tempo esperando as suas malas aparecerem na esteira.

Como a intenção é economizar o máximo de tempo possível, é interessante que, em uma ponte aérea, você embarque apenas com uma bagagem de mão, o que fará com que a sua chegada e a sua saída do aeroporto seja muito mais rápida. Fazendo o check-in online com antecedência, basta você chegar no aeroporto e embarcar no avião!

Chegue com antecedência

Principalmente nos dias de semana, o movimento é muito intenso nos aeroportos que fazem parte de uma ponte aérea. Isso significa grandes filas para passar pelo processo de segurança dos aeroportos e para embarcar.

Ou seja, chegar com antecedência é fundamental! Assim, você não corre o risco de perder seu voo e, com isso, chegar atrasado ou até mesmo perder compromissos profissionais.

Não deixe de fazer o check-in online

O check-in online é uma ferramenta que vai ajudar muito a trazer mais praticidade e eficiência a sua viagem. Além disso, é uma coisa a menos com a qual você vai precisar se preocupar quando chegar no aeroporto.

Por meio dos aplicativos ou do site da sua companhia aérea, você pode fazer o check-in com alguns dias de antecedência e deixar tudo pronto para a hora do embarque.

Viu só? A ponte aérea Rio-São Paulo é uma das mais importantes do mundo, representando o volume e o desenvolvimento dos negócios e das indústrias no Brasil. Agora, você está pronto para aproveitar essa e outras pontes aéreas da melhor forma!

Gostou de aprender mais sobre as pontes aéreas do mundo? Então, para ficar por dentro de todo o nosso conteúdo para suas viagens, assine gratuitamente a nossa newsletter e receba as novas postagens diretamente no seu e-mail.