Desde o início da história da humanidade, as pessoas buscam formas de registrar os momentos mais importantes de suas vidas.

Os seres pré-históricos já faziam desenhos rudimentares em suas cavernas, conhecidos como “Pinturas Rupestres”, que retratavam cenas do seu cotidiano, como a caça, os outros membros de seus grupos, os animais e os fenômenos da natureza.

Hoje em dia, a tecnologia permite que qualquer pessoa possa registrar tudo a todo instante. As câmeras digitais, não importa o tamanho, preço ou qualidade, assumiram o papel de eternizar as melhores épocas que passamos.

Contudo, não é sempre que conseguimos fazer o melhor clique, resultando em fotografias escuras, tremidas ou com enquadramento ruim.

Você vai viajar e quer ver suas fotos fazendo sucesso nas redes sociais? Confira, neste texto, algumas dicas de fotografia bem simples, mas que vão fazer as suas imagens parecerem obras de um profissional.

Também vamos falar sobre os diferentes modelos de câmeras, como as imagens podem ser guardadas e qual é o equipamento perfeito para levar nas suas aventuras mundo afora. Boas fotos!

Dicas de fotografia que vão mudar as suas imagens

Quando acionamos o clique para a fotografia ser registrada, muita coisa está acontecendo na câmera: as lentes reconhecem o ponto de foco, captam a luz e a área da imagem é definida.

Depois, um arquivo é gerado e salva a foto no aparelho, no cartão de memória ou no armazenamento de dados nas nuvens — abaixo vamos explicar cada um deles.

Embora apertar um simples botão pareça ser a coisa mais fácil de se fazer, existe muito estudo teórico, conhecimento de técnicas e sensibilidade artística por trás de uma boa fotografia.

Mesmo que a sua intenção não seja se tornar um profissional da foto, seguindo essas dicas supersimples de como tirar fotos bonitas de viagens, os seus registros ganharão em qualidade, tornando aquele instante inesquecível.

Escolha o melhor enquadramento

Qualquer coisa pode ser retratada numa fotografia. Pessoas, paisagens, objetos, cenas curiosas, a natureza, os animais, enfim, toda imagem que der vontade de guardar para sempre.

Sendo assim, o primeiro item que o fotógrafo deve se preocupar é com o enquadramento da imagem. Isso quer dizer que a posição da câmera, na horizontal ou na vertical, deve ser escolhida conforme qual seja a expectativa do autor do clique.

Por exemplo: você está visitando Paris e quer tirar uma selfie com toda a extensão da Torre Eiffel ao fundo. Qual é a melhor escolha? Depende, porque caso o fotógrafo esteja perto do monumento, a melhor posição é a vertical. Esse ângulo da foto vai captar a torre em sua altura, cortando as laterais da paisagem.

Já se você quiser uma imagem mais panorâmica da Torre Eiffel, deve procurar um local afastado do ponto turístico mais famoso do mundo. Com o equipamento de foto na posição horizontal, sua fotografia pode captar mais detalhes deste símbolo de Paris.

Para fotos de grupos, quanto mais gente for participar do registro, mais afastado o fotógrafo deve ficar. Com a câmera na posição horizontal, o autor do clique pode estabelecer os seguintes enquadramentos:

  • ângulo fechado: caso a intenção seja destacar apenas as pessoas, sem a paisagem ao fundo aparecendo na foto, a câmera deve estar a uma distância suficiente para que os limites dos lados direito e esquerdo da imagem sejam os braços dos personagens do grupo;
  • ângulo aberto: já se você quer que a fotografia enquadre o grupo de pessoas e a paisagem ao fundo, a câmera deve ficar numa distância maior. Apesar de conseguir captar mais elementos, esse ângulo faz a definição dos rostos das pessoas diminuir.

Defina o ponto de foco

O segundo ponto de atenção na hora de fazer uma foto é com o foco da imagem. Muitas vezes um clique acaba embaçado e tremido porque o fotógrafo não toma cuidado com a definição do ponto de foco.

Todas as câmeras digitais têm foco automático, que indica ao operador do equipamento quando as lentes definiram um ponto. Em geral, os aparelhos emitem um som e na tela formas geométricas coloridas indicam onde está sendo focalizado.

Contudo, o fotógrafo pode definir de forma manual o local do foco. Em telefones celulares, o ponto pode ser escolhido com um toque na tela.

Nas câmeras digitais convencionais, a confirmação do foco ocorre quando o usuário aciona o botão de disparo, mas sem pressionar até o fim. Quando o sinal sonoro for emitido, as luzes na tela LCD ou no visor vão ficar verdes, então, basta apertar o botão até o fim.

Caso a tentativa de focalizar os pontos de interesse indiquem cores vermelhas ou amarelas, significa que o aparelho não conseguiu estabelecer um ponto de foco. Sendo assim, o fotógrafo deve reiniciar a operação.

Cuidado com a Iluminação

Sem luz, uma fotografia é impossível. As lentes captam a iluminação do ambiente que está sendo retratado e definem como a foto vai ficar. Então, para uma boa cena se transformar numa grande fotografia é essencial que a iluminação seja perfeita.

As melhores imagens são as feitas com luz natural, com preferência para ambientes abertos. O fotógrafo deve se posicionar entre o sol e o objeto tema da foto, sempre com o astro-rei atrás da câmera e de frente com a pessoa ou paisagem retratada.

Caso o operador da câmera tente tirar a foto apontando a lente para o sol, a imagem vai ficar escura, além de que essa exposição pode danificar o seu equipamento.

Quando o ambiente está escuro, os fotógrafos podem usar um flash, que dependendo do modelo da sua câmera, são acoplados ao equipamento. Para acionar o disparo do flash, o usuário deve fazer a configuração na câmera.

Essa luz auxiliar é mais indicada para fotos individuais ou de grupos pequenos, já que o seu alcance é limitado a poucos metros. Como a luz não consegue iluminar tudo, o fundo da imagem acaba inteiro escuro.

O uso do flash também reduz a qualidade da fotografia, já que a luz artificial não ilumina a cena o suficiente para as lentes captarem todos os detalhes. É comum fotos feitas em espaços sem luz adequada ficarem com aspecto granulado.

Tipos de câmera fotográfica

A partir do século XIX, muitos inventores começaram a aprimorar um equipamento que iria mudar o modo como nos relacionamos com as nossas memórias: a máquina fotográfica.

A tecnologia atual proporciona a oportunidade de qualquer pessoa registrar as suas próprias histórias. Contudo, existe uma gama gigantesca de modelos de câmeras digitais, cada uma com o seu custo-benefício.

O tipo de uso do equipamento fotográfico deve ser levado em consideração na hora de fazer um investimento. Quanto mais avançado seja o modelo da máquina, maior deve ser o conhecimento técnico do fotógrafo.

A seguir, vamos falar sobre as diferentes categorias de câmeras digitais e explicar qual é o uso mais indicado de cada uma delas.

Profissional

As câmeras para uso profissional são os equipamentos com as tecnologias mais avançadas do mercado. Porém, o custo pode ser exorbitante. Alguns fotógrafos profissionais gastam milhares de reais todos os anos para garantir o acesso ao que há de melhor nesse universo.

As câmeras digitais profissionais têm um maior número de funções e a possibilidade de usar diferentes tipos de lentes. Contudo, a operação de um equipamento complexo como esse requer bastante conhecimento teórico.

Com essa categoria de câmera você pode experimentar diversas variações de velocidade de captura das imagens, regular a entrada de luz no obturador e fazer cliques múltiplos. Também é possível gravar vídeos em alta qualidade.

Alguns modelos mais novos têm acesso à internet, o que facilita o envio instantâneo das fotos para o armazenamento dos dados nas nuvens, leia mais a seguir.

Semiprofissional

Outra boa opção para os amantes da fotografia começarem a praticar, a câmeras semiprofissionais têm tecnologia de ponta, mas são de operação mais simples.

Em geral, as lentes desse modelo de câmera são fixas, não existindo a possibilidade de troca. Tem foco e medição de luz automáticos, mas muitas semiprofissionais oferecem algumas configurações manuais.

Esses modelos são bons para entender as teorias que envolvem a captação de uma fotografia. Além disso, os preços dessas câmeras digitais são mais em conta e oferecem ótima qualidade de imagem.

As semiprofissionais também têm funções de captação de vídeos em alta definição, que podem ser armazenados no mesmo cartão de memória.

Portátil

São modelos de câmeras digitais mais simples, mas com bom custo-benefício. Os melhores modelos têm qualidade excelente tanto para impressão posterior quanto para postar nas redes sociais.

Com um cartão de memória de 4 GB, é possível guardar milhares de fotos. Essa é uma ótima vantagem para quem está viajando, já que essas câmeras são de tamanho reduzido e fáceis de transportar.

Alguns modelos têm lentes que captam imagens em 360 graus e a grande maioria grava vídeos em uma qualidade razoável para postar na internet.

O ponto fraco dessa categoria de câmeras são as poucas funções disponíveis, o flash de alcance limitado e a necessidade de um computador para baixar as fotos do cartão de memória.

Smartphone

Talvez o tipo de câmera mais usado em todo o mundo, os inseparáveis smartphones são uma excelente opção para fazer fotos criativas em viagens.

Portáteis, podem ser levados no bolso, fazem fotos e vídeos e têm acesso direto com a internet, o que facilita o armazenamento e a publicação na rede mundial de computadores.

Cada telefone tem uma qualidade de captura de imagem diferente. Os aparelhos mais caros do mercado costumam ter as melhores câmeras, contudo, é possível encontrar aparelhos bons e baratos.

Os celulares são ideais para fazer selfies, fotos de grupos e de paisagens, além de gravarem vídeos em boa qualidade.

Dependendo da qualidade da câmera, fazer fotos em ambientes escuros pode ser bem difícil mesmo usando o flash.

Saiba onde armazenar suas fotos

Por mais moderno que seja o seu equipamento de fotografia, chega uma hora que não existe mais espaço para armazenar as imagens capturadas.

Quanto mais qualidade de definição a sua câmera proporciona, maior serão os tamanhos dos arquivos de fotos e vídeos. Contudo, hoje a tecnologia oferece algumas boas maneiras de salvar as suas fotos com segurança e sem a preocupação com os limites de armazenamento dos seus dispositivos.

Conheça a seguir as melhores formas de guardar as melhores lembranças das suas viagens.

Cartões de memória

As máquinas fotográficas digitais quase não têm espaço para salvar imagens internamente. Por isso, é fundamental levar numa viagem um ou mais cartões de memória.

Existem no mercado milhares de opções de cartões (SD, SDHC, SDXC), com capacidades, formatos e velocidades de transferência diferentes. A escolha por um determinado modelo deve seguir algumas regras:

  • compatibilidade com a câmera ou celular (verificar manual);
  • a resolução em que as fotos serão feitas (mais qualidade, arquivo maior);
  • quantidade de fotografias que você vai tirar;
  • notebook ou PC para descarregar as fotos.

Os dispositivos mais novos têm capacidade de armazenamento de 2 terabytes, que são capazes de guardar milhões de fotos e horas de vídeos. Contudo, esse tipo de cartão é mais indicado para uso profissional.

Claro que é legal ter um cartão com a tecnologia mais nova, porém, antes de gastar bastante dinheiro com uma memória dessas, o usuário deve ter em mente qual é a sua expectativa em relação ao equipamento.

Para quem está querendo um cartão que seja suficiente para guardar as imagens das férias, existem modelos a partir de 8 GB que têm preços em conta e bastante espaço para as mídias.

Dados nas nuvens

Na atualidade, guardar os seus arquivos nas “nuvens” é a maneira mais fácil, segura, rápida e prática de eternizar os momentos das suas férias.

O mercado têm dezenas de empresas de internet, que oferecem, muitas vezes de forma gratuita, grandes quantidades de espaço para os usuários guardarem os seus dados. Essas são alguns dos sites em que se usa o serviço de dados nas nuvens:

Além de capacidade quase ilimitada, esses serviços têm como maior atrativo a possibilidade de serem acessados de qualquer lugar do mundo, a todo instante.

O cliente deve fazer um cadastro na companhia de sua preferência e aproveitar os benefícios. Para armazenar as fotografias nas nuvens é necessário acesso à internet.

Quando você tira as suas fotos com o smartphone, a operação para “subir” esses arquivos nos espaços virtuais pode ser feita automaticamente. Basta o usuário fazer essa configuração no aplicativo do serviço.

Caso o viajante esteja clicando com uma câmera digital, os arquivos do cartão de memória devem ser transferidos para um PC ou notebook para, assim, poderem ser guardados no disco virtual.

Escolha uma câmera e faça bons cliques

Viu como fazer boas imagens não é difícil com essas dicas de fotografia? Basta seguir essas orientações e deixar a imaginação livre para registrar momentos incríveis.

Para escolher o melhor modelo, o viajante deve levar em conta que, quanto mais equipamento de fotografia for levar, mais peso terá que carregar. Alguns equipamentos podem passar dos 10 quilos, gerando custos adicionais para o transporte aéreo da bagagem.

Gostou dessas sugestões? Então, compartilhe este conteúdo com os seus amigos nas redes sociais. Eles vão adorar!